Espacojames



Página Inicial
Listar Resposta Católica


Como Baixar o vídeo para seu computador? Copie o link deste vídeo [ https://www.youtube.com/watch?v=7-9QdOF34cs ] depois, entre neste site: [ http://pt.savefrom.net ] cole o link no campo indicado e clique na seta > para baixar. Não precisa instalar nada, todo o processo é online.


Artigo N.º 15751 - 259 – A Resposta Católica: Existem mesmo apenas sete sacramentos?
Artigo visto 513




Visto: 513
Postado em: 25/03/20 às 18:50:02 por: James
Categoria: Resposta Católica
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=197&id=15751
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Resposta Católica


Quantos sacramentos existem? É verdade que, antes da Idade Média, havia na Igreja muito mais do que sete, e que foi só então que as autoridades eclesiásticas, com uma simples “canetada”, decidiram reduzir o número destes ritos sagrados?

É verdade que existem apenas sete sacramentos? A pergunta pode parecer ociosa, porque logo nas primeiras páginas de qualquer catecismo popular pode-se-lhe encontrar a resposta; mas ela vire e mexe torna a preocupar alguns católicos que, ao estudarem a história da Igreja, ficam com a impressão (de resto, bastante equivocada) de que foram as autoridades eclesiásticas, já na Idade Média, que decidiram restringir a sete um número muito maior de sacramentos reconhecidos até então. Isso é verdade? E, se o é, acaso não teria a Igreja o poder de “reinserir” na lista de sacramentos os que estão de fora há tantos séculos?

Para dar solução a esse problema, é preciso deixar claro, antes de mais nada, o sentido em que a própria Igreja usa as palavras. E o que sucede é que, durante a Idade Média, graças ao rigor terminológico dos teólogos escolásticos, a palavra “sacramento” (sacramentum, em latim), que até aquele momento era utilizada de forma ampla e um pouco equívoca, passou a receber uma conceituação mais específica e determinada. Foi assim que, no período escolástico, os cristãos tomaram mais clara consciência da diferença entre, por um lado, alguns ritos e realidades que eram chamados de “sacramentos” e, por outro, aquilo que hoje em dia conhecemos propriamente como sacramentos, quer dizer, sinais sensíveis, instituídos por Nosso Senhor Jesus Cristo, para significar e produzir em nossas almas a graça santificante.

Ora, que existam na Igreja, desde a era apostólica, sacramentos neste preciso sentido é algo de que os cristãos nunca tiveram dúvidas. O problema é que, antes de os teólogos escolásticos chegarem a esta definição e a tornarem de uso comum, a palavra “sacramento” — como dissemos — já era utilizada para designar muitas outras coisas. Ela tinha, inclusive, um uso profano, pré-cristão, aplicável a qualquer objeto ou sinal “sagrado”. Os cristãos de língua latina, por sua vez, a utilizavam correntemente para traduzir a expressão grega μυστήριον (donde deriva, através do latim, a palavra “mistério”), e esse sentido genérico não poderia, é óbvio, deixar de produzir algumas confusões. Tomado, pois, como sinônimo de mistério, “sacramento” pode muito bem designar tudo o que Deus fez pela nossa salvação.

Foi a partir de S. Agostinho (ou seja, somente no séc. IV da nossa era) que “sacramento” começou a designar, de forma mais restrita, certos sinais sagrados, e não qualquer ação divina. O problema é que ainda na época de Agostinho não havia, por falta de um termo técnico, o costume de distinguir sinais como o Batismo, a Crisma, a Ordem etc. (sacramentos propriamente ditos, deixados por Jesus Cristo) de outros sinais como, por exemplo, a água benta, o sal exorcizado, a bênção de uma igreja etc. (que hoje são chamados de sacramentais, instituídos pela Igreja). Por isso, não é correto dizer que na Idade Média a Igreja “restringiu” o número de sacramentos, mas que ela começou a distinguir, com um termo técnico apropriado, aqueles sinais que já eram reconhecidos como de instituição divina, chamados a partir de então de sacramentos por antonomásia, daqueles outros que eram de instituição meramente eclesiástica, “batizados” assim como sacramentais.

Uma vez na posse de uma expressão adequada, e para esclarecer a doutrina católica e condenar alguns erros contrários, o Magistério da Igreja declarou infalivelmente, como objeto de fé divina e católica, que os sacramentos em sentido próprio (ou seja, aqueles sinais sensíveis, instituídos por Nosso Senhor Jesus Cristo, para significar e produzir em nossas almas a graça santificante) são sete e apenas sete, e que, por serem eles de origem divina, a Igreja não tem autoridade alguma para alterá-los substancialmente ou lhes modificar o número. Assim definiu solenemente o Concílio de Trento, confirmando com palavras claras aquilo em que todos os fiéis já criam desde o início e que as venerandas tradições das igrejas tanto do Oriente como do Ocidente confirmavam desde tempos imemoriais:

Cân. 1. Se alguém disser que os sacramentos da Nova Lei não foram todos instituídos por Nosso Senhor Jesus Cristo; ou que são mais ou menos do que sete, a saber: Batismo, Confirmação, Eucaristia, Penitência, Extrema-unção, Ordem e Matrimônio; ou também que algum destes sete não é sacramento no sentido verdadeiro e próprio: seja anátema (Sessão 7.ª, de 3 mar. 1547, “Decreto sobre os sacramentos”: DH 1601).


Fonte: www.padrepauloricardo.org



Ajude a manter este site no ar. Para doar clique AQUI!

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!

Lenço Branco de N. Senhora
Saiba o que é, como fazer e as orações necessárias.
Óleo de São Rafael e Santa Filomena
Saiba mais sobre este santo remédio em tempos difícies
As 15 Orações de Santa Brígida
As promessas de Jesus para a alma que rezar estas orações.
Jesus eu Confio em vós
Nada negarei a alma que às 3 hs da tarde recitar minhas orações
Devoção às Gotas de Sangue de Cristo
Será livrado das penas do Purgatório.
Para os irmãos protestantes
Foi no colo de uma mulher que Deus colocou toda esperança do mundo



Total Visitas Únicas: 8.691.518
Visitas Únicas Hoje: 142
Usuários Online: 215