Espacojames


Página Inicial
Listar Destaque




Artigo N.º 4892 - Abaixo assinado em apoio ao Papa Bento XVI
Artigo visto 2253 vezes




Visto: 2253
Postado em: 13/04/10 às 19:55:21 por: James
Categoria: Destaque
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=41&id=4892
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Destaque

Onde está Pedro, aí também está a Igreja

Leia abaixo, na íntegra, o documento que será enviado ao Vaticano e confirme seu apoio.

Ubi Petrus, ibi et Ecclesia

Preito filial de solidariedade a Sua Santidade Bento XVI

A Sua Santidade Bento XVI

Cidade do Vaticano

Beatíssimo Padre,

Nós, abaixo-assinados, católicos brasileiros, de joelhos diante de vossa Sagrada Pessoa, vimos apresentar a Vossa Santidade nossa profunda e sincera solidariedade diante das vis calúnias e torpes ataques de que tem sido vítima nestas últimas semanas.

Com uma hipocrisia que tem poucos antecedentes na História, os mesmos intelectuais, líderes políticos e órgãos de imprensa e televisão que destroem sistematicamente a inocência das nossas crianças e adolescentes — pela difusão incessante da pornografia e a promoção de uma cultura na qual “é proibido proibir” — hoje rasgam as vestes diante do abuso sexual de crianças praticado por um certo número de sacerdotes e religiosos indignos. Pior ainda: tais correntes ditas “avançadas” ousam culpar por esses abusos ignóbeis a própria Igreja, a qual, pela sua incessante pregação da moral evangélica, não somente ergueu o mundo pagão do lodaçal de uma corrupção moral desbragada, mas, ao longo de vinte séculos, foi o baluarte da virtude da pureza!


Estou à par e quero enviar meu apoio ao papa. Que autoridade intelectual e moral têm tais agressores para exigirem a abolição do celibato eclesiástico — eles que glorificam a promiscuidade sexual desde a mais tenra idade; eles que distribuem preservativos a crianças, incitando-as a praticarem o “sexo seguro”; que corrompem almas inocentes com suas “aulas de educação sexual” pautadas por uma visão hedonista e dissoluta da sexualidade; e que promovem as relações homossexuais, a ponto de desejarem abaixar a idade legal de consentimento para as mesmas?

Os abusos sexuais cometidos por sacerdotes e religiosos não são, por acaso, em sua imensa maioria, casos de homossexualidade com adolescentes, ou seja, precisamente atos que esses mesmos intelectuais, líderes políticos e órgãos de imprensa favorecem? Eles que agora atacam a Igreja e a vossa Sagrada Pessoa?

Santo Padre, os brasileiros somos um povo intuitivo, que sabe ler no fundo dos corações: não nos deixamos iludir pelas falácias do crescente estrondo publicitário que, na pessoa do Papa, procura, na verdade, derrubar o estandarte que ele empunha; ou seja, a bandeira imaculada dos ensinamentos morais d’Aquele que é, para a humanidade inteira, “o Caminho, a Verdade e a Vida”.

Os promotores dessa ofensiva publicitária querem evitar que nossos contemporâneos, desiludidos das falaciosas promessas de felicidade atéia dos arautos da “modernidade”, prestem ouvidos ao ensinamento tradicional da Igreja, incluindo vossas oportunas denúncias da “ditadura do relativismo” que, em nome da idolatria do homem, visa eliminar qualquer freio à liberdade, legalizando o aborto e a eutanásia, favorecendo as relações pré-matrimoniais, o divórcio e o pseudo-casamento homossexual.

Os fomentadores dos ataques contra Vossa Santidade desejam, na realidade, silenciar vossa voz, porque ela se ergue para defender as raízes cristãs da civilização ocidental e para pleitear o direito da Igreja Católica de intervir no debate público a respeito das grandes questões culturais e sociais contemporâneas, à luz do Evangelho. O que contraria os planos daqueles que, em nome do laicismo de Estado, querem até eliminar dos lugares públicos o mais sagrado símbolo religioso — o crucifixo, que nos recorda o padecimento e a morte de nosso Divino Redentor.

Os disseminadores das falsas acusações de que Vossa Santidade teria acobertado — em Munique ou na Cúria romana — os que praticaram abusos contra crianças são, paradoxalmente, aqueles mesmos que se indignaram com vossa Instrução de 2005 proibindo o acesso aos seminários de candidatos com arraigada tendência homossexual, ou seja, os candidatos que têm maior probabilidade estatística de vir a abusar sexualmente de adolescentes ou de meninos.

Promotores da atual campanha de calúnias são também aqueles que não se conformam com o fato de que Vossa Santidade, quando ainda Cardeal-Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, denunciou o comunismo como “a vergonha de nosso tempo” e condenou a Teologia de Libertação de inspiração marxista, que grassava nos meios católicos, e em relação à qual, em data recente, Vossa Santidade reiterou sua posição contrária, no discurso aos Prelados dos Regionais Sul 3 e Sul 4 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, em visita ad limina apostolorum.

Santo Padre: nós, católicos brasileiros, sabemos ler, nas entrelinhas dos jornais, o significado mais profundo do debate em curso. E, fiéis aos ensinamentos perenes da Santa Igreja, aderimos de todo coração aos “valores não negociáveis” promovidos por Vossa Santidade, ou seja:

- a inviolabilidade da vida humana desde a concepção até à morte natural;

- a sacralidade da família fundada sobre o matrimônio indissolúvel entre um homem e uma mulher; e

- o direito dos pais de educar os filhos e inculcar-lhes os princípios morais e religiosos verdadeiros.

Estou à par e quero enviar meu apoio ao papaAo manifestarmos nosso total repúdio à ignóbil campanha de calúnias contra vossa Sagrada Pessoa e ao expressar-Lhe nossa solidariedade, não somos movidos apenas pelo sentimento filial que anima os fiéis católicos ao ver o doce Vigário de Cristo na Terra atacado pelas hostes do mal. Sabemos bem que Ubi Petrus, ibi et Ecclesia (onde está Pedro, aí também está a Igreja). Por isso, queremos fazer ao mesmo tempo um ato de fé na Igreja Católica e, em particular, naqueles ensinamentos perenes de seu Magistério que a “ditadura do relativismo” deseja ver eliminados da nossa legislação e de nossas vidas.

Santidade, no meio da borrasca, os corações de milhões de brasileiros acompanhá-lo-ão em sua corajosa defesa dos direitos de Deus e dos “valores não negociáveis”, com suas preces, com seu fervor filial e com a energia que lhes vem do sacramento da Confirmação que os transformou em autênticos soldados de Cristo.

Bem sabemos, Santidade, e é com dor que o dizemos, que neste momento em que a Igreja deveria enfrentar firme e coesa a tempestade que se anuncia, ela se vê entretanto enfraquecida em seu elemento humano pela ação de correntes que nela se esgueiraram, e que levaram às impressionantes lamentações de Vosso Predecessor Paulo VI quando disse que “a fumaça de satanás” havia penetrado no Templo de Deus, referindo-se ainda a um misterioso processo de “autodemolição” em curso, após o último Concílio.

Mas tal situação, longe de produzir desânimo, torna ainda mais cogente que cerrem fileiras em torno da Cátedra de Pedro aqueles que desejam de toda alma permanecer fiéis aos ensinamentos evangélicos. Entre estes humildemente nos incluímos, seguindo o exemplo do grande e saudoso lider católico brasileiro do século XX, o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira.

Dentro de algumas semanas, por ocasião do décimo aniversário da beatificação de Jacinta, e no ano em que se comemora o centenário do seu nascimento, Vossa Santidade pisará o solo de nossa Mãe Patria, o querido Portugal, onde Nossa Senhora falou em português aos três pastorinhos de Fátima.

Lembraremos, então, a visão profética que a mesma Jacinta teve no último período de sua curta existência e que tanto a fez sofrer:

“Eu vi o Santo Padre numa casa muito grande, de joelhos diante de uma mesa, com as mãos no rosto a chorar; fora da casa estava muita gente e uns atiravam-lhe pedras, outros rogavam-lhe pragas e diziam-lhe muitas palavras feias. Coitadinho do Santo Padre, temos que pedir muito por ele!”

 

Estará chegando essa hora? A pergunta se põe e, por isso, com os mesmos sentimentos de Jacinta, pedimos à pequena vidente e a Nossa Senhora de Fátima para que intercedam junto a Nosso Senhor Jesus Cristo e obtenham para Vossa Santidade assinaladas graças de discernimento e fortaleza, com as quais possa dirigir a Barca de Pedro com mão segura, em meio ao “tsunami” publicitário, mediante o qual pretendem afundá-La. Esforço vão, porque sabemos que, no final, conforme a promessa indefectível de Nosso Senhor, “portae inferi non praevalebunt” (as portas do inferno não prevalecerão contra ela).

Dirigindo a Deus essa prece do mais fundo do coração, depositamos aos pés de Vossa Santidade nossas mais respeitosas e filiais homenagens.

 

PARA ASSINAR VISITE A PÁGINA

http://www.ipco.org.br/home/seu-apoio-a-igreja#formulario






LEIA TAMBÉM
Criminosos incendeiam paróquia no México durante a Páscoa
Pedofilia não está ligada ao celibato… mas sim à homossexualidade, diz Cardeal Bertone
“Forças poderosas” atacam o Papa, diz biógrafo de João Paulo II
Revistas alemãs oferecem prémios a quem acusar falsamente o Papa de abuso
O mundo de hoje precisa da salvação do Evangelho – lembrou Bento XVI na Mensagem “Urbi et Orbi” 2010
Cristo ressuscitado abre um novo futuro para a Igreja diz o Papa no domingo de Páscoa
A Igreja está com o Papa, assegura cardeal Sodano
Judeus mostram solidariedade para com Papa, segundo Cantalamessa
A tumba de João Paulo II, cinco anos depois



 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 7.569.196
Visitas Únicas Hoje: 1.684
Usuários Online: 381