Espacojames


Página Inicial
Listar Destaque




Artigo N.º 4515 - Infelicidades da vida não são castigo divino, diz Papa
Artigo visto 1621 vezes




Visto: 1621
Postado em: 07/03/10 às 21:39:13 por: James
Categoria: Destaque
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=41&id=4515
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Destaque

Encontra-se com peregrinos para a oração dominical do Angelus


CIDADE DO VATICANO, domingo, 7 de março de 2010 (ZENIT.org). – Deus, que é bom, não pode desejar o mal. Por isso, não se devem considerar as infelicidades da vida como castigo divino. Os seguidores de Jesus devem vivenciar os infortúnios como momentos de reflexão e conversão, afirmou neste domingo Bento XVI, aos peregrinos reunidos na praça de São Pedro para a oração do Angelus.

 

De volta de sua visita à paróquia romana de São João da Cruz, em Roma, o Papa falou da janela de seus aposentos sobre as leituras dominicais aos fiéis e peregrinos presentes.

Em suas reflexões, o Santo Padre partiu da narrativa bíblica da sarça ardente, lembrando como Deus chama Moisés a “tomar consciência de sua indignidade”, ordenando-o a tirar as sandálias por estar em um lugar santo.

“Deus se manifesta das mais diversas maneiras na vida de cada um de nós”, disse o Papa, mas, “para poder reconhecer sua presença, no entanto, é necessário que nos acheguemos a Ele conscientes de nossa miséria e com profundo respeito”.

Retomando em seguida à passagem do Novo Testamento na qual Jesus fala sobre o assassinato de galileus no templo por ordem de Pôncio Pilatos e a tragédia da queda da torre de Siloé sobre viajantes, o Papa sublinhou que “em face à conclusão fácil de considerar tais eventos como uma punição divina, Jesus restitui a verdadeira imagem de Deus, que é bom e não pode desejar o mal”.

Advertindo contra a ideia de que tais infortúnios poderiam ter origem na própria conduta dos que sofrem, Jesus nos convida a “a fazer uma leitura diferente daqueles fatos, posicionando-os na perspectiva da conversão”.

De fato, o pontífice observou depois que “os infortúnios, os eventos trágicos, não devem despertar em nós sentimentos de culpa, mas sim representar ocasiões para refletir, para superar a ilusão de que é possível viver sem Deus, e para reforçar, com a ajuda do Senhor, nosso empenho em mudar nossas vidas”.

Todavia, destacou o Papa, a possibilidade da conversão “exige que aprendamos a interpretar os fatos da vida na perspectiva da fé, animados pelo temor a Deus”.

“Em face do sofrimento e do luto, a verdadeira sabedoria está em reconhecer a precariedade da existência e ler a história humana com os de Deus, o qual, desejando sempre o bem a seus filhos, por um desígnio inescrutável de seu amor, permite às vezes que estes sejam provados pela dor para que possam ser conduzidos a um bem maior”.

Ao final do Angelus, o Papa se dirigiu aos peregrinos franceses presentes na Praça São Pedro e expressou sua solidariedade para com as vítimas do furacão Xynthia, que atingiu recentemente o sul da França, deixando 53 mortos e provocando graves danos materiais.

“Que a Virgem Maria” – concluiu ele – “ajude todas as famílias, especialmente aquelas que se encontram em dificuldades, para que não percam jamais a esperança no amor de seu Filho!”.

 


Fonte: zenit.org

 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 6.656.927
Visitas Únicas Hoje: 1.346
Usuários Online: 489