Recorde de acesso em:
23/03/2016
é de 7.940
Total Visitas Únicas: 5.584.691 Visitas Únicas Hoje: 1.483
Usuários Online: 238
Sistema de Busca
Documento sem título

Qual a aparição de Nossa Senhora mais importante na História?

Medjugorje

Fátima














Newsletter Espacojames
Receba nossas atualizações diretamente no seu Email - Grátis!
 

Destaque




Salvar no Instagram

Salvar em PDF






Visto: 1263 - Impresso: 46 - Enviado: 19 - Salvo em Word: 38
Postado em: 03/02/10 às 21:13:16 por: James
Categoria: Destaque
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=41&id=4213
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Destaque

“O crucifixo é um símbolo de nossa história e identidade”



ROMA, terça-feira, 2 de fevereiro de 2010 (ZENIT.org). A Itália recorreu da sentença da Corte Européia de Direitos Humanos de Estrasburgo, segundo a qual a presença de crucifixos nas salas de aula constitui uma “violação da liberdade dos pais de educar seus filhos segundo suas convicções”, e uma “violação da liberdade religiosa dos alunos”, alegando que “o crucifixo é um dos símbolos de nossa história e de nossa identidade”.


Com o recurso, o governo italiano questiona a competência da Corte para legislar sobre a questão, alegando ainda a inexistência de um consenso sobre o conceito do principio da laicidade do Estado.

O crucifixo, para o Estado italiano, não é considerado um símbolo confessional, mas uma símbolo da história e da cultura do país. Assim, a presença de crucifixos nas escolas italianas é disciplinada por dois decretos, de 1924 e 1928, cuja validade recebeu confirmação em manifestação do Conselho de Estado, de fevereiro de 2006.

A decisão foi considerada contrastante com a jurisprudência da mesma Corte em matéria (decisão do caso Leyla Sahin contra a Turquia, de 10 de novembro de 2005).

O governo italiano considerou que a tese aceita pela Corte – de que a exposição ao crucifixo durante as aulas poderia ser "inquietante" para alguns alunos que professassem outras religiões, ou que não professassem nenhuma – envolve o reconhecimento de um direito à proteção da sensibilidade subjetiva, o que cria “grave incerteza jurídica”.

De acordo com o documento, publicado na página do governo italiano na internet, “a exposição ao crucifixo em sala de aula não deve ser vista tanto por sua conotação religiosa, mas como uma referência à história e tradição da Itália. A presença do crucifixo nas escolas expressa uma mensagem moral que transcende os valores laicos, e que não restringe a liberdade de alguém de aderir ou não a qualquer religião”.

O recurso será apreciado pela chamada Grande Câmara da Corte, composta atualmente de dezessete juízes.



Fonte: zenit.org











Postado por: James - www.espacojames.com.br em: 03/02/10 às 21:13:16 h.


Saiba como contribuir com nosso site:

1) O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!   [ Leia + ]

2) - Receba diariamente os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui! é grátis!
 
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por aqui!

4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações clique no botão abaixo.




LEIA TAMBÉM











Copyright 2006 - 2015 - www.espacojames.com.br - Todos os Direitos Reservados - Santarém - Pará - Brasil
Desenvolvido por: ESPACOJAMES