Recorde de acesso em:
23/03/2016
é de 7.940
Total Visitas Únicas: 6.267.671
Visitas Únicas Hoje: 1.981
Usuários Online: 325
Sistema de Busca

 

Destaque




Salvar no Instagram

Salvar em PDF






Visto: 1611 - Impresso: 105 - Enviado: 34 - Salvo em Word: 44
Postado em: 22/01/10 às 06:46:56 por: James
Categoria: Destaque
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=41&id=4126
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Destaque

ROMA, quinta-feira, 21 janeiro de 2010 (ZENIT.org).- O tribunal de Faisalabad, no Paquistão, condenou a prisão perpétua com trabalhos forçados Imran Masih, um jovem cristão de 26 anos, acusado de ter destruído algumas páginas do Alcorão no ano passado.





A sentença, de acordo com a agência AsiaNews, foi proferida nos termos do artigo 295-B do Código Penal do Paquistão – conhecido como "lei da blasfêmia" – porque o jovem teria "queimado propositalmente versos do Alcorão" juntamente com um livro em árabe, com o objetivo de "fomentar o ódio religioso e ofender os sentimentos dos muçulmanos”.

Masih, comerciante, foi preso pela polícia em 1º de julho do ano passado por ter, supostamente, queimado deliberadamente páginas do Alcorão. Antes de sua prisão, o jovem já havia sido brutalmente agredido e torturado por um grupo de muçulmanos. Além de ser condenado à pena de trabalhos forçados pelo resto de sua vida, Masih foi condenado também a pagar uma multa no valor de 100.000 rúpias (pouco mais de 800 euros).

Peter Jacob, secretário executivo da Comissão Nacional de Justiça e Paz da Igreja Católica, prometeu uma batalha judicial, definindo a sentença como “de má fé” e destacando as deficiências do sistema judiciário paquistanês.

“Faremos nosso melhor para salvar sua vida”, declarou, explicando casos de “blasfêmia” do tipo são tipicamente farsas construídas para manipular a opinião pública.

A Comissão Católica vem há tempos pedindo por “reformas constitucionais e legais”, visando a eliminar o extremismo e o abuso da religião para fins políticos no país.

Dom Lawrence Saldanha, arcebispo de Lahore, disse que o Paquistão deveria ter como exemplo seu vizinho Bangladesh, “onde os juízes baniram os partidos cujo discurso se baseie na religião”.

“Os assuntos de Estado e a política devem ser tratados de modo independentes da religião”, acrescentou.

A “Lei da Blasfêmia” foi introduzida em1986 pelo ditador Zia-ul-Haq, tornando-se um instrumento de violência e discriminação. A lei pune com prisão perpétua com trabalhos forçados a quem ofenda o Alcorão, e com a morte a quem insulta o profeta Maomé.

Segundo a Comissão Nacional de Justiça e Paz, quase 1.000 pessoas já foram incriminadas. A lei serve também de pretexto para ataques, vinganças pessoais e execuções extra-judiciais – as quais já somam 33 no total.



Fonte: zenit.org





Postado por: James - www.espacojames.com.br em: 22/01/10 às 06:46:56 h.


Saiba como contribuir com nosso site:

1) O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!   [ Leia + ]

2) - Receba diariamente os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui! é grátis!
 
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por aqui!

4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações clique no botão abaixo.

LEIA TAMBÉM












Copyright 2006 - 2015 - www.espacojames.com.br - Todos os Direitos Reservados - Santarém - Pará - Brasil
Desenvolvido por: ESPACOJAMES