Espacojames


Página Inicial
Listar Destaque




Artigo N.º 14435 - Nas trevas da noite, a batalha entre a morte e a Providência Divina
Artigo visto 1760 vezes




Visto: 1760
Postado em: 19/08/16 às 09:23:40 por: James
Categoria: Destaque
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=41&id=14435
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Destaque

Uma antiga história que convida à reflexão

Nossa cultura irreverente e cada vez mais cética deixou de lado as histórias piedosas que, de geração em geração, transmitiam mensagens de fé e convidavam à reflexão. Esta é uma das histórias que se contavam décadas atrás, sobre um caso que teria acontecido durante a grande crise econômica mundial da década de 1930, em Chicago, nos Estados Unidos.

Era ainda madrugada quando o Dr. Braun foi despertado pelo seu telefone, que não parava de tocar. Sonolento, ele atendeu e ouviu uma voz suplicante:

– O senhor é o Dr. Braun?

– Sim, sou eu.

– Por favor, venha depressa! É muito urgente, um caso de vida ou morte!

– Onde o senhor mora?

– Alan Street, número 17. Venha logo, por favor!

O Dr. Braun se vestiu depressa, pegou sua bolsa de médico e se dirigiu à rua indicada. Sozinho, guiou seu carro pelas ruas escuras da cidade. A região para onde ia era distante do centro, num bairro em que nem sequer durante o dia os habitantes se sentiam seguros.

A casa ficava num beco um tanto isolado. Estranhando não ver nenhuma luz acesa, o Dr. Braun bateu à porta. Depois de uma pausa, bateu novamente e, de novo, não recebeu resposta. Quando bateu pela terceira vez, alguém perguntou com voz grossa:

– Quem é?

– Sou o Dr. Braun. Recebi uma chamada de emergência.

– Ninguém chamou o senhor. É melhor que o senhor desapareça logo daqui!

Afastando-se, o Dr. Braun pensou ter anotado o número errado. Já de volta em casa, como não chegasse um segundo telefonema, esqueceu-se do acontecimento até que recebeu, algumas semanas mais tarde, uma nova ligação. Desta vez ela veio durante o dia e era do serviço de emergência do hospital. A enfermeira explicava que um certo John Turner, a ponto de morrer por causa de um acidente grave, queria falar urgentemente com o Dr. Braun. E ela acrescentou:

– Dr. Braun, por favor, venha depressa, pois o homem já está para morrer e não quer nos dizer por que insiste tanto em falar com o senhor.

O Dr. Braun prometeu chegar logo, embora tivesse a certeza de não conhecer nenhum John Turner. O próprio moribundo lhe confirmou:

– Dr. Braun, o senhor não me conhece, mas eu devo conversar com o senhor antes de morrer para pedir perdão. O senhor com certeza se lembra de um telefonema durante a noite, algumas semanas atrás.

– Sim, mas…

– Fui eu. Estava sem trabalho. Vendi todas as coisas preciosas da casa e, mesmo assim, não consegui alimentar a minha família. Não conseguia mais suportar os olhares suplicantes dos meus filhos, que estavam passando fome. No meu desespero, resolvi chamar um médico durante a noite. Eu queria matá-lo, roubar o seu dinheiro e vender seus instrumentos.

O Dr. Braun ficou paralisado de terror. Ainda assim, perguntou:

– Mas eu fui até lá. Por que o senhor não me matou?

– Pensei que o senhor chegaria sozinho, mas quando vi aquele jovem grande e forte ao seu lado, fiquei com medo. Perdoe-me, por favor!

– Claro que vou perdoar, murmurou o Dr. Braun, boquiaberto.

O fato é que o médico tinha mesmo ido sozinho. Ou, pelo menos, era isto o que ele pensava.

Foi na saída do hospital que ele ouviu de uma enfermeira um comentário que lançou luz sobre aquele mistério. A enfermeira, que nada sabia da história, lhe disse:

– Como são admiráveis os caminhos de Deus, não é mesmo, doutor? Quantas vezes nossos anjos nos protegem de perigos iminentes, sem que nós sequer estejamos conscientes!

– Por que está dizendo isso, enfermeira?

– Porque os filhos deste homem que acaba de falecer estiveram a ponto de morrer de fome, sozinhos em casa, quando foram encontrados por uma senhora.

– Não entendi a relação.

– A senhora foi até a casa deles porque um jovem grande e forte lhe pediu o favor de entregar lá um pacote. O pacote continha comida e o endereço de uma tia das crianças com quem tinham perdido o contato. E nem a tia, nem a senhora, nem as crianças conheciam nenhum jovem grande e forte. Se não era um anjo, quem mais poderia ser?


Fonte: www.aleteia.org



LEIA TAMBÉM
Rosto de Jesus apareceu em uma hóstia no Mato Grosso?
Jornalista do Wall Street Journal, de origem iraniana, anuncia conversão ao catolicismo.
Conversão em massa de Muçulmanos na Alemanha após ataques terroristas.
Estado islâmico responde ao Papa: “nossa religião é de guerra”.
Profanam com pichações obscenas imagem da Virgem Maria
Após 63 anos casados, ele e ela morrem, por causas naturais, no mesmo dia
Pornografia: Entenda a progressão viciante dessa prática e seu efeito a médio/longo prazo.
Filme “A Lenda de Tarzan” associa vilão ao catolicismo e traz embutido ideologia anacrônica.
A moral sexual no Matrimônio cristão: é pecado sentir prazer?



 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 7.340.544
Visitas Únicas Hoje: 496
Usuários Online: 130