Espacojames


Página Inicial
Listar Destaque




Artigo N.º 14041 - Charlie Hebdo: 12 mortes e 12 meses depois, eles ainda afirmam que Deus é o culpado
Artigo visto 1031 vezes




Visto: 1031
Postado em: 04/01/16 às 12:14:13 por: James
Categoria: Destaque
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=41&id=14041
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Destaque

Diretor da revista satírica francesa: "As convicções dos ateus e dos laicos podem mover mais montanhas do que a fé dos crentes"

A polêmica revista satírica francesa Charlie Hebdo chega às bancas nesta quarta-feira com uma edição especial em memória do atentado terrorista sofrido em 7 de janeiro do ano passado, evento em que doze profissionais da publicação foram mortos por radicais assassinos ligados ao Estado Islâmico. O ataque, segundo seus perpetradores, foi causado pelo deboche constante com que a revista trata a religião amparando-se num conceito bastante “generoso” de “liberdade de expressão” – conceito semelhante ao alegado pelos racistas para tentar justificar o seu racismo.

Passado um ano da tragédia, a “memória” proposta pela revista consiste em trazer na capa a manchete “1 ano depois, o assassino ainda corre”. O assassino em questão é Deus, que aparece desenhado barbudo, munido de um fuzil e com a roupa ensanguentada.

O cartunista Riss, atual diretor do semanário e sobrevivente do ataque de 7 de janeiro de 2015, adiciona a esta edição “especial” uma defesa inflamada da laicidade, ao mesmo tempo em que aponta o seu dedo acusador indistintamente aos “fanáticos alienados pelo alcorão” e aos “devotos de outras religiões” que queriam a morte da publicação por “ousar rir do religioso“.

E, ainda deixando as portas abertas à interpretação pobre de que “crente é tudo igual”, arremata: “As convicções dos ateus e dos laicos podem mover mais montanhas do que a fé dos crentes“.

Talvez fosse o caso, Riss, de você “fazer memória” dessa tragédia abominável perguntando a si próprio até que ponto aquilo que você entende por “fé”, “crentes”, “religião”, “fanatismo”, “alienação”, “ousadia” e “laicidade” corresponde ao que esses termos realmente podem significar.

Perguntar-se isto, porém, exige apontar o dedo para TODO tipo de fanatismo e desejo da morte alheia – não só para o dos supostos “crentes”.


Fonte: www.aleteia.org



LEIA TAMBÉM
A incômoda e perturbadora saudação de Natal de um realista bispo italiano
Forças iraquianas têm importante vitória sobre Estado Islâmico em Ramadi
Fim oficial da política do filho único na China
Ao diabo essas malditas burkas!
Maternidade espiritual: uma realidade iluminada no Natal
O país islâmico que resolveu banir as celebrações de Natal… em pleno 2015
Programa de televisão chama Nossa Senhora de corrupta e recebe críticas
Diocese de Salt Lake City descarta milagre eucarístico
“Ou matam todos nós, ou deixam todos ir embora”: quando os muçulmanos desafiam os covardes



 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 7.269.233
Visitas Únicas Hoje: 265
Usuários Online: 238