Recorde de acesso em:
23/03/2016
é de 7.940
Total Visitas Únicas: 5.463.177 Visitas Únicas Hoje: 1.353
Usuários Online: 186
Sistema de Busca
Documento sem título

Qual a aparição de Nossa Senhora mais importante na História?

Medjugorje

Fátima














Newsletter Espacojames
Receba nossas atualizações diretamente no seu Email - Grátis!
 

Destaque




Salvar em PDF






Visto: 1213 - Impresso: 25 - Enviado: 12 - Salvo em Word: 18
Postado em: 03/08/13 às 10:51:39 por: James
Categoria: Destaque
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=41&id=11293
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Destaque

Fonte: ANSA

O jornal vaticano L’Osservatore Romano publicou nesta terça-feira, dia 30, que as recentes declarações do papa Francisco sobre o papel das mulheres na Igreja e o homossexualismo mostram que a religião “não deve ser uma rígida distribuidora de julgamentos, mas deve estar sempre pronta a acolher os pecadores, ou seja, todos nós”.

“Pode-se mudar tudo sem mudar as regras de base, aquelas sobre as quais se constrói a tradição católica. Esta é a posição do Papa inclusive [em relação] aos homossexuais”, apontou um artigo assinado por Lucetta Sacaraffia.

 
“Papa Francisco não muda nada das regras morais, mas anula um moralismo rígido fofoqueiro. Com poucas palavras, afasta da Igreja Católica acusações de homofobia que a perseguiram nos últimos tempos”, concluiu. Ainda de acordo com o artigo, com estas declarações, Francisco destacou questões as quais “tinha dado pouco espaço até agora”.
Fonte: ANSA
 
O jornal vaticano L’Osservatore Romano publicou nesta terça-feira, dia 30, que as recentes declarações do papa Francisco sobre o papel das mulheres na Igreja e o homossexualismo mostram que a religião “não deve ser uma rígida distribuidora de julgamentos, mas deve estar sempre pronta a acolher os pecadores, ou seja, todos nós”.
 
“Pode-se mudar tudo sem mudar as regras de base, aquelas sobre as quais se constrói a tradição católica. Esta é a posição do Papa inclusive [em relação] aos homossexuais”, apontou um artigo assinado por Lucetta Sacaraffia.
 
“Papa Francisco não muda nada das regras morais, mas anula um moralismo rígido fofoqueiro. Com poucas palavras, afasta da Igreja Católica acusações de homofobia que a perseguiram nos últimos tempos”, concluiu. Ainda de acordo com o artigo, com estas declarações, Francisco destacou questões as quais “tinha dado pouco espaço até agora”.
 
“Na longa, serena e aberta entrevista que o papa Francisco deu aos jornalistas, as grandes novidades são, sobretudo, duas: as mulheres e os homossexuais”, apontou o jornal.
 
“As declarações do Papa sobre o papel das mulheres na Igreja Católica são claras e revelam uma forte vontade de abertura”, acrescentou Sacaraffia. “A abertura é substancial e diretamente ligada ao projeto de reforma da Igreja: sem um reconhecimento aberto do papel das mulheres, não se pode esperar aquela Igreja vital e acolhedora que o papa Francisco deseja”.
 
“A novidade é expressa de modo claro e sem ameaçar as tradições da Igreja”, conclui a nota.
 
No começo desta semana, Francisco declarou, conversando com jornalistas presentes no avião que o levou de volta do Rio de Janeiro para a Cidade do Vaticano, que ele “não julga” uma pessoa por ser homossexual. “Quem sou eu por julgar? Não achei documentos de identidade gay no Vaticano. Dizem que têm, mas eu acredito que seja necessário distinguir o fato de uma pessoa ser gay do fato que faz lobby”, afirmou o Pontífice, explicando que “ser gay é uma tendência, o problema são os lobbies. Fazer lobby não é uma coisa certa”.
“Na longa, serena e aberta entrevista que o papa Francisco deu aos jornalistas, as grandes novidades são, sobretudo, duas: as mulheres e os homossexuais”, apontou o jornal.
 
“As declarações do Papa sobre o papel das mulheres na Igreja Católica são claras e revelam uma forte vontade de abertura”, acrescentou Sacaraffia. “A abertura é substancial e diretamente ligada ao projeto de reforma da Igreja: sem um reconhecimento aberto do papel das mulheres, não se pode esperar aquela Igreja vital e acolhedora que o papa Francisco deseja”.
 
“A novidade é expressa de modo claro e sem ameaçar as tradições da Igreja”, conclui a nota.
 
No começo desta semana, Francisco declarou, conversando com jornalistas presentes no avião que o levou de volta do Rio de Janeiro para a Cidade do Vaticano, que ele “não julga” uma pessoa por ser homossexual. “Quem sou eu por julgar? Não achei documentos de identidade gay no Vaticano. Dizem que têm, mas eu acredito que seja necessário distinguir o fato de uma pessoa ser gay do fato que faz lobby”, afirmou o Pontífice, explicando que “ser gay é uma tendência, o problema são os lobbies. Fazer lobby não é uma coisa certa”.


Fonte: http://www.comshalom.org/blog/carmadelio/











Postado por: James - www.espacojames.com.br em: 03/08/13 às 10:51:39 h.


Saiba como contribuir com nosso site:

1) O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!   [ Leia + ]

2) - Receba diariamente os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui! é grátis!
 
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por aqui!

4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações clique no botão abaixo.




LEIA TAMBÉM











Copyright 2006 - 2015 - www.espacojames.com.br - Todos os Direitos Reservados - Santarém - Pará - Brasil
Desenvolvido por: ESPACOJAMES