Games violentos: Qual a postura cristã diante disso?
 
 
Recorde de acesso em:
23/03/2016
é de 7.940
Total Visitas Únicas: 6.078.084
Visitas Únicas Hoje: 305
Usuários Online: 99
Sistema de Busca

 

Obras Malignas




Salvar no Instagram

Salvar em PDF






Visto: 1709 - Impresso: 41 - Enviado: 13 - Salvo em Word: 28
Postado em: 14/08/13 às 08:53:16 por: James
Categoria: Obras Malignas
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=31&id=11335
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Obras Malignas

Aleteia

Em boa parte dos games há violência, de uma forma ou outra. Existe o inimigo, e é preciso acabar com ele, seja matando extraterrestres, o exército vizinho… Evidentemente, a possível preocupação não tem a ver com os danos reais causados, pois estes não existem: tudo é virtual, nada é real. A preocupação tem mais a ver com o efeito da incitação à violência, sobretudo nos mais jovens.

 
 
 
 
Parte-se da ideia de que eles tendem a imitar o que veem, sobretudo quando, como nos games, não só veem, mas também atuam. No entanto, resolver a questão aceitando isso sem mais e desaprovando esses jogos é uma simplificação bem menos realista do que pode parecer.
 
Se voltarmos atrás, antes da revolução informática, o que as crianças liam tampouco era pacífico: desde contos em que se devia acabar com o dragão, passando por quadrinhos de façanhas bélicas, até livros com episódios violentos. Isso criou uma geraçãoviolenta? Na verdade não. O fator que aumentou os índices de violência na sociedade foram as drogas.
 
O equívoco radica na consideração da própria violência. Hoje está na moda pensar que toda violência é imoral, mas não é assim. Goste-se ou não, a violência – medida, controlada, mas apenas a imprescindível – se faz necessária como último recurso para restaurar a justiça e a ordem social. Se não fosse assim, não haveria polícia nem presídio.
 
 
 
 
 
 
 
O que ocorre com os games? Há que saber distinguir. O herói não é o mesmo que o sádico. Então há que se avaliar e descartar como inconvenientes alguns jogos: os que fazem uso recreativo da violência ou, pior ainda, da crueldade; os que convocam a uma violência gratuita ou, pior, injusta.
 
O restante é inofensivo? Nem tudo. Acontece com isso – na realidade o fenômeno é o mesmo – algo parecido com o Dom Quixote em relação aos chamados romances de cavalaria. Eles podiam prender a atenção de uma forma que o leitor não vivesse para outra coisa a não ser deixar a imaginação voar com eles. Ou seja, há o risco do vício. Com a maioria dos games este é o perigo real, por isso eles requerem um uso moderado e uma educação que ensine a utilizá-los com temperança (isso vale para as crianças, os jovens e os adultos). Coisa que não é fácil.
 
 


Fonte: http://www.comshalom.org/blog/carmadelio/





Postado por: James - www.espacojames.com.br em: 14/08/13 às 08:53:16 h.


Saiba como contribuir com nosso site:

1) O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!   [ Leia + ]

2) - Receba diariamente os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui! é grátis!
 
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por aqui!

4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações clique no botão abaixo.


Visite o espacojames nas redes sociais:



LEIA TAMBÉM











Copyright 2006 - 2015 - www.espacojames.com.br - Todos os Direitos Reservados - Santarém - Pará - Brasil
Desenvolvido por: ESPACOJAMES