Espacojames


Página Inicial
Listar Mensagens de Jesus à Santa Faustina




Artigo N.º 12344 - História da Imagem de Jesus Misericordioso - Parte 07 - Beatificação e Oraçäo para pedir a intercessãodo Padre Miguel Sopocko
Artigo visto 1853 vezes




Visto: 1853
Postado em: 31/05/14 às 10:21:16 por: James
Categoria: Mensagens de Jesus à Santa Faustina
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=225&id=12344
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Mensagens de Jesus à Santa Faustina

Continuação...

BEATIFICAÇÃO DO PADRE MIGUEL SOPOCKO

 

No dia 28 de setembro de 2008, no Santuário da Divina Misericórdia em Bialystok (Polônia), realizou-se a beatificação do padre Miguel Sopocko – confessor e diretor espiritual da santa irmã Faustina Kowalska e fundador da Congregação das Irmãs de Jesus Misericordioso. A santa missa de beatificação foi presidida pelo delegado pontifício arcebispo Angelo Amato, prefeito da Congregação para Assuntos de Canonização. A homilia foi pronunciada pelo metropolita de Cracóvia, cardeal Estanislau Dziwisz.


O arcebispo Angelo Amato presidiu o ato da beatificação, tendo lido um decreto do papa Bento XVI, expedido no dia 26 de setembro de 2008 no Vaticano:

... pela nossa autoridade apostólica autorizamos que a partir de agora ao Venerável Servo de Deus Miguel Sopocko, presbítero, que dedicou a sua vida à proclamação da Divina misericórdia, dando um exemplo de santidade sacerdotal, seja atribuído o título de Beato e que a sua festa seja comemorada anualmente no dia 15 de fevereiro, no dia do seu nascimento para o Céu, nos lugares e na forma definida pela Lei.

 

 

Participaram da solenidade: o Núncio Apostólico arcebispo José Kowalczyk, o Primaz da Polônia cardeal José Glemp, o metropolita de Vilnius cardeal Audrys Juozas Backis, o metropolita de Minsk-Mohylev arcebispo Tadeu Kondrusiewicz, o metropolita de Foggi, na Itália meridional, arcebispo Francesco Pio Tamburino, cardeais, mais de 100 arcebispos e bispos poloneses e cerca de 500 sacerdotes da Polônia e do exterior, além do Ordinário Ortodoxo da Diocese de Bialystok-Gdansk, arcebispo Tiago.

 


Da solenidade, participaram em grande número representantes de muitas Congregações masculinas e femininas, inclusive cerca de 100 irmãs da Congregação das Irmãs de Jesus Misericordioso e 10 irmãos da Comunidade dos Irmãos de Jesus Misericordioso em Vilnius. Com as irmãs da Congregação das Irmãs de Jesus Misericordioso vieram grupos de peregrinos de 12 países onde existem casas religiosas dessa Congregação.

 


Igualmente participaram da solenidade o Presidente da República da Polônia Lech Kaczynski e o último Presidente da Polônia no exílio, Ryszard Kaczorowski, o presidente do Parlamento da Polônia, deputados, autoridades da cidade, representantes do Exército Polonês e do mundo da ciência.

 

Participaram diretamente da solenidade cerca de 80 mil devotos da Divina Misericórdia, bem como − através de transmissões televisivas e radiofônicas − uma incontável multidão de católicos no mundo inteiro.

 

 

Escoteiros das escolas de Bialystok distribuíram aos participantes da beatificação cerca de 100 mil santinhos com a imagem de Jesus Misericordioso, um presente da Congregação das Irmãs de Jesus Misericordioso.

 

 

Na reflexão que precedeu a oração do “Ângelus”, que no domingo, 28 de setembro de 2008, recitou com os fiéis em Castel Gandolfo, o Santo Padre Bento XVI saudou os participantes da solenidade:

 

 

Saúdo os poloneses que vieram aqui a Castel Gandolfo. De maneira especial saúdo hoje os participantes da beatificação que hoje se realiza na Polônia, em Bialystok, do Servo de Deus pe. Miguel Sopocko, confessor e diretor espiritual de Santa Faustina Kowalska. Por sugestão dele, no seu conhecido “Diário” ela descreveu as suas experiências místicas e as aparições de Jesus Misericordioso. Também graças aos empenhos dele foi pintada e apresentada ao mundo a conhecida imagem com a legenda: “Jesus, eu confio em Vós”. O Servo de Deus deu-se a conhecer como zeloso sacerdote, professor e educador, promotor do culto da Divina misericórdia. Associo-me à alegria das arquidioceses de Bialystok e de Vilna e de todos fiéis no mundo a quem é próxima a mensagem de Jesus Misericordioso.

Com essa beatificação certamente se alegra, na casa do Pai, o meu amado predecessor, o Servo de Deus João Paulo II. Foi ele que confiou o mundo à Divina misericórdia. Por isso repito o seu voto: Que Deus rico em misericórdia abençoe a Vós todos”.

 

PRONUNCIAMENTO DO DELEGADO PONTIFÍCIO ARCEBISPO ANGELO AMATO, PREFEITO DA CONGREGAÇÃO PARA ASSUNTOS DE CANONIZAÇÃO

1. Eminênicas, Excelências, prezadas autoridades civis, eclesiásticas e militares, caros Sacerdotes e Irmãs Religiosas, Senhoras e Senhores. Também para mim tem sido uma grande alegria presidir a beatificação do pe. Miguel Sopocko, que foi um extraordinário modelo de santidade sacerdotal. No Diário de Santa Faustina Kowalska encontra-se o seguinte estímulo de Jesus: “Escreve que dia e noite o meu olhar repousa sobre ele”.

Sobre quem repousava o olhar de Jesus? Sobre o Beato Miguel Sopocko, sobre essa extraordinária pessoa de padre polonês, educador da juventude, confessor e diretor espiritual que passa a pertencer ao número das grandes figuras contemporâneas da santidade polonesa, tais como S. Maximiliano Kolbe e S. Faustina Kowalska.


2. Ele é sobretudo um modelo convincente da eterna beleza da “imitação de Cristo”, “sequela Christi”. Ser cristão significa estar na verdade, na liberdade, na alegria; significa ser o sal da terra e a luz do mundo. Quaisquer que sejam as circunstâncias em que nos encontremos e em tudo que fazemos, a nossa vida é uma “imitação de Cristo”, “imitatio Christi”, que reflete a Sua bondade e misericórdia. Assim procedeu Miguel Sopocko.

Podemos fazer-nos a pergunta: como imitar esse Beato na prática da virtude da misericórdia?

A resposta é simples. A misericórdia é necessária todos os dias nas famílias. Todos os dias a esposa deve ser cheia de compreensão em relação ao seu esposo, e ele deve retribuir-lhe da mesma forma, renovando continuamente a fidelidade mútua deles. Todos os dias os pais devem ser generosos em perdoar aos próprios filhos, em suportar as desobediências e os defeitos deles. Mas também os filhos devem ser pacientes em relação a seus pais, devem imitar o bom exemplo deles e ouvir as suas admoestações. Como podeis ver, todos − na família, no trabalho, na sociedade, em toda a parte e sempre − podem praticar a misericórdia, o perdão, a compreensão. A nossa sociedade necessita de cidadãos honestos, bondosos, generosos e dedicados.


3. Há, no entanto, uma mensagem que o beato Sopocko transmite de maneira especial aos sacerdotes. Que eles sejam incansáveis no zelo pastoral. Aconselha que moldem em si corações bondosos e misericordiosos, que sejam pacientes, dóceis e amáveis, bem como perseverantes na catequese de crianças, jovens e adultos. Estimula igualmente os sacerdotes a que estejam disponíveis no necessário ministério de conceder o perdão durante o sacramento da reconciliação.

Hoje, mais do que nunca, os fiéis sentem a necessidade de abrir suas almas diante dos confessores, a fim de ouvir palavras de consolo, perdão e bênção. A mais profunda alegria dos corações provém do perdão sacramental. Que o confessionário se torne o púlpito mais importante da instrução sacerdotal. Caros sacerdotes, sede generosos no perdão. Assim procedeu o beato Miguel Sopocko. Dessa forma ele pôde restituir a alegria da vida a muitas almas humanas.


4. O nosso Beato teve o mérito de conduzir à santidade a jovem religiosa irma Faustina Kowalska. Constitui uma tarefa primordial de todo sacerdote envolver de misericórdia divina o infortúnio humano. Uma outra tarefa sua é também conduzir e dirigir as almas das pessoas consagradas e leigas no caminho da perfeição cristã. No oceano das diversas tarefas e opiniões, o sacerdote é hoje chamado a alimentar-se com a palavra de Cristo, a oferecer aos fiéis a verdade a respeito de Deus e do futuro da humanidade. Num mundo de milhares de pontos de vista, difícil se torna reconhecer a verdade, visto que ninguém no-la aponta de forma clara e competente.

É sobre os sacerdotes que repousa a obrigação de apresentar a verdade do Evangelho à nossa perplexa humanidade. É sobre eles que repousa a tarefa de conduzir os jovens pelo caminho da luz e da verdade que é Jesus Cristo, para que eles se tornem bons cristãos e honestos cidadãos. O Evangelho não constitui um obstáculo para a felicidade humana; pelo contrário, é um livro de alegria, um livro da vida que supera a morte, é a luz que dispersa as trevas.

Na complexidade da cultura contemporânea, a Igreja necessita de sacerdotes que sejam capazes de ser mestres de vida espiritual, guias experientes no sábio discernimento do que é bom e do que é justo. Jovens e adultos necessitam hoje de pessoas sábias, que possam direcionar a sua liberdade a escolhas conformes com o Evangelho.

Num mundo de falsos profetas, que anunciam receitas superficiais de vida, o sacerdote, com humildade e perseverança, deve cumprir a missão de pastor das almas humanas, praticando a autêntica paternidade espiritual. Enquanto os pais transmitem a vida física, natural, os diretores espirituais transmitem, cultivam e promovem a vida espiritual. Ninguém nasce cristão, mas torna-se cristão: “Pobre daquele que está só, se cai: não tem quem o levante” (Ecl 4:10). Os diretores espirituais são guias experientes que conduzem os fiéis às virtudes e que ensinam como evitar os defeitos. No mundo secularizado de hoje, mais do que nunca há necessidade de diretores espirituais.


5. Confissão e direção espiritual: eis as tarefas sacerdotais que o beato Miguel Sopocko cumpriu de forma heroica em sua vida. Foi justamente em razão dessa sua incansável atividade que na homilia de sepultamento foi chamado “titã do trabalho, herói, insensato de Deus” (I, 535).

O zelo pela salvação das almas impelia-o a tornar-se tudo para todos. O entusiasmo na promoção da devoção e do culto da Divina misericórdia inflamou o seu coração e a sua mente. Foi essa a sua obra-prima. Não se tratava aí de um zelo desordenado, insensato, mas de um zelo prudente, cuidadoso e propenso à reflexão.

A esse sábio zelo devemos o tesouro espiritual que é o “Diário” de santa Faustina Kowalska. Parece ser interessante relembrar o fato que deu origem ao “Diário”. De 1932 a 1942 o nosso Beato foi confessor das Irmãs de Nossa Senhora da Misericórdia. Aqui, em 1933, encontrou a irmã Faustina Kowalska como penitente. Durante a confissão a Irmã lhe confidenciava e falava muito das revelações particulares relacionadas com o culto da Divina misericórdia. Visto que essas confissões se prolongavam e expunham a uma provação a paciência das outras religiosas que aguardavam a sua vez, o pe. Sopocko ordenou a irmã Faustina que durante a confissão fosse mais concisa e que registrasse as suas vivências por escrito e lhe apresentasse as suas anotações. Dessa forma surgiu o “Diário”.

O nosso Beato não acreditou de imediato no caráter sobrenatural das experiências registradas. Somente após uma longa e cuidadosa reflexão e após uma detalhada análise teológica é que se convenceu da sua veracidade. Mas isso não foi tudo. Ele mesmo dedicou-se à propagação do culto da Divina misericórdia e fundou a Congregação das Irmãs de Jesus Misericordioso.

Dessa forma o Sacratíssimo Coração de Jesus, repleto de Misericórdia, moldou dois Apóstolos do divino amor: santa Faustina Kowalska e o beato Miguel Sopocko. O Coração de Jesus estimula também a cada um de nós para que sejamos propagadores do perdão, oferecido e recebido, com um sentimento de gratidão para com esses dois Apóstolos, que difundiram a mensagem evangélica não apenas em sua eminente pátria polonesa, mas também em toda a Igreja e em todo o mundo. Desejo a Vós aqui presentes todo o bem neste dia especial e festivo.

Sarcófago com as relíquias do beato pe. Miguel Sopocko no Santuário da Divina Misericórdia em Bialystok (Polônia).

 

ORAÇÃO:  para pedir graças pela intercessão do beato pe. Miguel Sopocko


Deus Misericordioso, que fizestes do beato pe. Miguel Sopocko um apóstolo da Vossa infinita Misericórdia e um fervoroso devoto de Maria, Mãe de Misericórdia, fazei com que − para a propagação da Vossa Misericórdia e para que se desperte a confiança em Vossa paternal bondade − eu alcance pela sua intercessão a graça..., que Vos peço por Cristo Senhor nosso. Amém.

Pai nosso...
Ave Maria...
Glória ao Pai...

 

Continua na parte 8




LEIA TAMBÉM
História da Imagem de Jesus Misericordioso - Parte 06 - O confessor e diretor espiritual do Irmã Faustina - o beato Padre Miguel Sopocko
História da Imagem de Jesus Misericordioso - Parte 05 - Biografia do beato Padre Miguel Sopocko
História da Imagem de Jesus Misericordioso - Parte 04 - A Mensagem da Divina misericórdia - Novas formas de prestar honra à Divina misericórdia
História da Imagem de Jesus Misericordioso - Parte 03 - Biografia de Santa Faustina
História da Imagem de Jesus Misericordioso - Parte 02 - Ato de consagração do desino do mundo à Divina misericórdia - Trechos da homilia do Papa João Paulo II
História da Imagem de Jesus Misericordioso - Parte 01 - Introdução



 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 7.270.976
Visitas Únicas Hoje: 2.008
Usuários Online: 288