Espacojames


Página Inicial
Listar As mensagens de Jesus - Cruz de Dozulê




Artigo N.º 11831 - CRUZ DE DOZULÊ: Todas as 49 Mensagens de Jesus a Madeleine Aumont - Parte 2
Artigo visto 4861 vezes




Visto: 4861
Postado em: 28/12/13 às 09:10:30 por: James
Categoria: As mensagens de Jesus - Cruz de Dozulê
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=220&id=11831
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: As mensagens de Jesus - Cruz de Dozulê

Continuação

DÉCIMA PRIMEIRA APARIÇÃO

"Piedade meu Deus." "A Cruz Gloriosa deverá ser comparável à cidade de Jerusalém pela sua dimensão vertical (738 metros). Ela deverá ser muito reluzente."

 

Projeto de construção da Cruz conforme pedido de Jesus a  vidente Madeleine Aumont
A cruz na imagem acima não existe, é apenas uma montagem de como seria. ( Leia mais sobre a construção da cruz no link:  http://espacojames.com.br/?cat=220&id=11920

 

 

Sexta-feira, 5 de Outubro de 1973 - 19 horas, na capela.

O Senhor apresentou-se no sítio do Santo Sacramento ali exposto como na última vez. Jesus encontrava-se em vez do Santo Sacramento, eu já não via nem o altar nem o Santo Sacramento; a luz tinha tomado o seu lugar.

Jesus surgiu junto a mim, ligeiramente elevado. Os Seus Pés estavam pousados em cima de uma pedra plana, e ao lado dessa pedra, havia alguns seixos. O Seu Pé direito estava mais avançado e descoberto, quase até ao tornozelo; o Pé esquerdo estava oculto pela Sua túnica, só vejo a ponta do Pé. A Sua túnica, de um branco esplêndido, estava seguro à cintura por um cordão; a túnica no sítio do pescoço era arredondada e franzida mas o pescoço estava à vontade. As mangas eram bastante largas, como as do hábito; não possuíam uma aparente abertura para serem colocadas.

 

Cenas do filme  "O Apocalipse Segundo João" - Artigo N.º 3064

Cenas do filme  "O Apocalipse Segundo João" - Artigo N.º 3064

 

Uns cabelos compridos caíam-lhe sobre ombros, as Suas Mãos e o Seu Rosto estavam muito reluzentes - aliás o Senhor disse-o: "As suas Mãos e o Seu Rosto são resplandecentes como o Sol" e é tal e qual assim - Tudo isto é maravilhoso.

O Seu olhar é Amor e Bondade, esta frase destaco-a, transcrevo-a de Jesus; foi Ele mesmo que me disse.

Ele sorriu-me, com as mãos esticadas na minha direcção, como para me acolher. Eu fiz a genuflexão, saudei, e de seguida, pus-me de joelhos e fiz o sinal da Cruz. Fi-lo maquinalmente, sem que desta vez Jesus tivesse de medizer, mas foi com certeza Ele que mo fez fazer - é certamente necessário que eu o faça. Eu não sei se vocês me compreendem, mas existem coisas muito difíceis de explicar.

 

Cenas do filme  "O Apocalipse Segundo João" - Artigo N.º 3064

 

Jesus permaneceu alguns segundos em silêncio. Eu fiquei então a admirar esta maravilha; estava à espera que Ele me dissesse algo. E após alguns instantes, Jesus disse-me:

"Dizei às pessoas aqui presentes para que elas digam convosco a oração que Eu lhes ensinei, seguida de uma dezena do terço."

Eu transmiti a mensagem. Como da primeira vez, o Senhor ditou-me a Mensagem muito lentamente, olhando-me; eu repeti cada frase a seguir a Ele.

"Piedade Meu Deus, por aqueles que Te blasfemam. Perdoai-lhes, eles não sabem o que fazem."
"Piedade Meu Deus, pelo escândalo do mundo. Libertai-os do espírito de Satanás."
"Piedade Meu Deus, por aqueles que se afastam de Ti. Dai-lhes o amor pela Santa Eucaristia."

Jesus parou um momento e disse-me:

"Aquele que realiza a Vontade de Meu Pai e que come deste Pão, viverá eternamente nesta Luz."

Depois, Ele continuou:

"Piedade Meu Deus, para aqueles que virão arrepender-se aos pés da Cruz Gloriosa, que encontrem a Paz e a Alegria em Deus nosso Salvador."

"Piedade Meu Deus, para que chegue a nós o Teu Reino, mas salvai-os, ainda há tempo - pois o tempo está próximo, e eis que Eu venho. Amem. Vinde Senhor Jesus."

Seguidamente, Jesus disse comigo a dezena do terço. Dissemo-la juntos, calmamente; eu esperava por cada, Avé Maria para recomeçar com Ele. Era tão comovente dizer o rosário com Jesus. Nunca o tinha dito tão calmamente em toda a minha vida. No fim desta dezena do treço, Jesus disse-me:

 

"Senhor, espalhai pelo mundo inteiro os tesouros da Tua Infinita Misericórdia."

Eu penso que não repeti esta frase, de tal forma eu estava absorvida pela tão maravilhosa presença de Jesus. Eu ficaria infinitamente assim a admirá-Lo, sem Lhe dizer nada, sem Lhe pedir nada. Aliás, não há nada a pedir. Eu fiquei como que pregada no mesmo sítio. Poderia acontecer o que quer que fosse, até mesmo um raio, que eu não ouviria nada, não me moveria, de tal modo esta presença é maravilhosa.

Aliás, quando Jesus está presente, eu não permaneço em terra. Não vejo e não penso em nada do que me rodeia. É uma maravilha do olhar e do Espírito que não nos é possível explicar, é realmente preciso passar pela experiência. Nenhuma palavra pode explicar o que eu sinto, nem mesmo as mais belas frases.

A todos aqueles que duvidam, eu posso afirmar que existe realmente um outro mundo além daquele que nós vemos.

E o mais maravilhoso, é aquele que não vemos; o qual nem conseguimos imaginar! Após a oração, Jesus disse-me, continuando a olhar para mim:

 

Projeto de construção da Cruz conforme pedido de Jesus a  vidente Madeleine Aumont
A cruz na imagem acima não existe, é apenas uma montagem de como seria. ( Leia mais sobre a construção da cruz no link:  http://espacojames.com.br/?cat=220&id=11920

 

 

"Dizei o seguinte em voz alta":

"A Cruz Gloriosa (neste preciso momento, Ele olhou para a assistência com um olhar circulante) erguida sobre a Haute-Butte deverá ser comparável à cidade de Jerusalém pela sua dimensão vertical. Os seus braços deverão erguer-se de Oriente a Ocidente. Ela deverá ser muito reluzente."

E foi com um ar sério que Jesus me disse:

"Assim o é o Sinal do Filho do Homem."

Após alguns segundos:

"Fazei escavar a 100 metros do local onde se encontra a Cruz Gloriosa, na direcção do seu braço direito, água jorrará. Vós todos vireis lavar-vos como sinal de purificação."

Depois, Jesus inclinou-se para mim e disse-me discretamente, sem precisar me dizer em voz alta - eu só o contei ao Senhor Bispo no Domingo:

"Permaneçei sempre na Alegria, nunca vos lamentais pelo cataclismo geral desta geração, pois tudo isto tem de acontecer. Mas eis que surge no céu o Sinal do filho do Homem. E agora deve-se cumprir o tempo das nações. Todos se baterão no peito. Após a evangelização do mundo inteiro, Eu virei então em Glória."

Após alguns instantes ainda, Jesus olhou-me. Sorriu-me e depois desapareceu.

 

--

 

 

DÉCIMA SEGUNDA APARIÇÃO

"Dozulé é doravante uma cidade benzida e sagrada"

Sexta-feira, 2 de Novembro de 1973 - 19 horas (Dia de finados), na capela.

A luz apareceu-me depois, Jesus apresentou-se como sempre, com as mãos abertas. Ele sorriu-me, de seguida, levantou os dois braços em forma de cruz; a Sua cabeça estava ligeiramente inclinada para o lado esquerdo como se fossemos crucificá-Lo, mas Ele não tinha as Suas chagas. Aliás, eu nunca vi as Suas chagas.

Ele disse-me com um ar muito grave:

"Dozulé é doravante uma cidade benzida e sagrada. Vós viveis o tempo do supremo esforço do Mal contra o Cristo. Satanás está desligado da sua cela. Ele ocupa toda a face da terra."

Jesus fala-me sempre muito lentamente. Nesse dia, a Sua voz estava muito séria. Eu estava triste por vê-Lo assim. Depois Ele disse-me:

"Gog e Magog, o seu número é incalculável. O que quer que aconteça, não vos preocupeis. Todos serão atirados para o fogo durante séculos e séculos. Feliz daquele que se deixou apenas seduzir pelo Deus Supremo."

De seguida, Jesus baixou os braços e as mãos, retomou a Sua posição normal, isto é, com as mãos esticadas na minha direcção depois, Ele sorriu-me durante bastante tempo e disse-me:

"Esta Mensagem é para vós: Feliz daquele que se deixou apenas seduzir pelo Deus Supremo, pois o Meu Pai é somente Bondade. Ele perdoa ao maior pecador no último momento da sua vida. Dizei aos mortais arrependidos que quanto maior é o pecado, maior é a Minha Misericórdia. No mesmo instante em que a sua alma abandona o seu corpo, ela vê-se nesta Luz esplêndida. Dizei-lhes. Palavras de Jesus."

Depois, Ele deu-me uma mensagem muito grave para o Bispo, seguida de uma mensagem muito pessoal que me diz respeito e acerca da qual eu devo guardar segredo para toda a minha vida.

Seguidamente, Jesus desapareceu.

"Jesus disse-me um segredo no dia 2 de Novembro de 1973 e disse-me para nunca o dizer a ninguém. Portanto este, nunca o contei a ninguém." (Só uma pessoa intima sabe que é com respeito à sua morte).

Sexta-feira, 7 de Dezembro de 1973.

Nesta primeira Sexta-feira do mês de Dezembro, eu esperei muito tempo. Depois, às 19h45, abandonei a capela. Tinha o coração apertado, as lágrimas nos olhos - Jesus não veio.

No entanto, eu sei que mesmo sem o ver, Jesus está aqui. Ele está sempre aqui presente connosco, para nós todos.

Na nossa vida do dia a dia, Jesus está lá, sempre presente. Mas é tão belo vê-Lo, tão maravilhoso; esta Luz é de um esplendor!... depois, o Seu Rosto, o Seu olhar, a Sua grandeza!... essa grandeza... tudo isto é de uma beleza incomparável. Tudo isto é único, nada mais, não nada mais... nada que Jesus sómente.

Meu Jesus, se vós soubessem como eu vos amo - e Ele sabe-o.

 

--

 

 

DÉCIMA TERCEIRA APARIÇÃO

"Porque é que vós tendes medo ? Porque é que vós duvidais ? Eu estou aqui !"

Sexta 4 de Janeiro de 1974 às 16h15, na capela.

Esta manhã não pude ir à missa, tive muita pena, pois ela era às 8 horas, e tenho de preparar os meus filhos para os levar à escola às 8h30.

Ás 9 horas, fui visitar o Santo-Sacramento exposto. Fui-me embora às 11 horas para preparar a comida para o meu marido, para a minha mãe idosa e para os meus dois filhos mais velhos que vêm comer ao meio-dia. Durante a tarde, voltei ao Pensionário para passar a ferro a roupa das Freiras. Entre dois trabalhos, eu devia fazer uma visita ao Santo-Sacramento.

 

 

Cheguei às 14 horas à capela da escola São-José. Fiquei até às 15 horas para adorar Jesus presente. Depois fui telefonar ao escritório da Irmã Bruno para marcar uma consulta num médico para a minha filha mais velha. Mas em vez de voltar para passar a ferro, não me pude impedir de voltar à capela, como se algo me dissesse: "Tens de ir lá." É tão lindo, tão bom adorar Jesus presente; Jesus é tão feliz !

Creio que não podia deixar o meu lugar; sentia-me pregada ao meu lugar. Creio que podia lá ficar para sempre; nestes momentos sento o meu espírito tão unido ao de Jesus.

Mas o tempo passava sem que eu desse conta disso. De repente, ouvi tocar as 16h15 na igreja. Ainda tinha uma dezena do terço para rezar antes de voltar para casa, pois os meus filhos estavam quase a chegar e eles gostam que eu esteja em casa quando eles voltam da escola.

Começava então a última dezena do meu terço. De repente, caí completamente na obscuridade. Se soubessem como eu tive medo; não consegui evitar gritar muito alto. Tive que chamar o Senhor Padre para lhe dizer: "Não vejo nada", porque estava completamente na obscuridade. Sentia-me desamparada, o meu coração batia muito forte com medo.

Depois ouvi o Senhor Padre aproximar-se de mim e disse-me com uma voz muito calma : "Não tenheis medo, sê paciente, esperai um momento, isso vai passar."

Eu via que ele não estava preocupado (dizia a mim própria, vê-se bem que não é ele que está no meu lugar), depois ele disse à Irmã Marguerite : "Ide depressa buscar a Irmã Bruno."

Quando ouvi alguém entrar, pensei que era a Irmã Bruno. Perguntei-lhe se era ela, ela respondeu-me : "Sim, sou eu."

Pedi-lhe para me levar para casa. Eu estava preocupada, perguntava-me o que é que me iria acontecer. Pensei na minha família, nos meus filhos. Nunca mais ver. Como eu estava triste meu Deus !

Jesus tinha-me dito que eu iria sofrer pelos pecadores, um dia após uma visita, mas ele não me tinha dito que eu iria ficar cega. Jesus disse-me o que aconteceria ao meu corpo, e que eu iria sofrer especialmente muito do espírito, mas Ele não me tinha dito para o dizer. Se eu o disse, foi por causa do medo, quando estava na completa obscuridade.

A essa hora da tarde eu também não pensava que isto vinha de Jesus; Não era a hora, das outras vezes, foi às 19 horas.

Depois desta terrível angústia (de repente na grande obscuridade dos olhos mas também do espírito), senti uma grande alegria. Mesmo o Senhor Padre mo disse quando ele se apercebeu. Os meus olhos voltaram a ser brilhantes; o medo, a tristeza transformaram-se numa grande alegria, numa paz indescritível.

Penso que é a mesma coisa como quando alguém sofre no seu leito de morte; quando a alma deixa o corpo, ele não sofre mais; depois de repente, ele se encontra nesta doçura, nesta luz espiritual; ele é transfigurado com Jesus.

Eu não estava cega; até o penso ter gritado em voz alta: "Não, não estou cega"; eu tinha descoberto a Luz. Sim, a Luz apareceu-me no mesmo sítio, em vez do Santo-Sacramento, e ela parecia ainda mais bonita, mais luminosa, mais clara que habitualmente.

Ajoeilhei-me no sítio mesmo onde estava, ao fundo da capela, ao pé da minha cadeira. Penso que devia estar toda sorrirende tal era grande a minha alegria de voltar a ver a Luz... das grandes trevas à Luz e que Luz, a mais bonita de todas as Luzes !

 



Depois Jesus apareceu.

Jesus é tão bom. Ele podia-me ter deixado assim até o fim dos meus dias. Eu estava entre as Suas Mãos; nós estamos todos entre as Suas Mãos. Ele é O Mestre. Ele faz de nós o que Ele quer. Devemos de o agradecer por todas os graças que Ele nos dá.

Se nós vimos, se nós ouvimos, se nós andamos, se nós temos saúde, se nós somos felizes, é graças a Ele, a Ele só. Ele pode-nos retirar isto tudo num instante.

Mas se nós sofremos, se nós temos problemas cada dia, é Ele também que nos permite isso, para ganharmos o nosso céu.

Temos que oferecer tudo a Jesus: as nossas alegrias, as nossas penas, e por Ele, com Ele, nós suportaremos tudo.

Desta vez, Jesus tinha a mão direita sobre o Seu Coração, e o braço esquerdo estendido ao longo do corpo. Ele sorria-me, e depois disse-me:

"Porque é que vós tendes medo ? Porque é que vós dúvidais ? Eu estou aqui."

Eu disse a Jesus: "Senhor, eu tive medo, pensei que ia ficar cega."(creio que o disse em voz alta).

Depois Jesus disse-me:

"Dizei-lhes que cada homem sobre esta terra assim está nas trevas."

Então repeti isto em voz alta, depois Jesus disse-me:

"Beijai a terra três vezes por penitência pela falta de Fé."

Então fiz este gesto, depois Jesus, dum gesto lento, tirou a mão do Seu Coração e avançou-a para mim e fez-me sinal para me aproximar. Ao mesmo tempo que fazia este gesto, disse-me:

"Aproximai-vos até aqui e saudais."

Então avancei, do fundo da capela onde tinha ficado, até ao altar, até Jesus. Eu estava muito perto Dele. Eu saudei como Jesus me ensinou.

Jesus voltou a pôr a Sua Mão sobre o Seu Coração. Eu estava de joelhos, ao pé dele e Ele disse-me:

"Tendes a bondade de repetir o seguinte: Ecce Dominus Noster cum virtute veniet et illuminabit oculos servorum Suorum. Laetamini, laetamini in Domino, laetamini cum Magdalena. Paratum cor ejus: ' Speravi in Domino, ut se simplicitas prodit amabilis'. " (Eis que o Nosso Senhor virá com poder e iluminará os olhos dos Seus servidores. Sejais alegres no Senhor, sejais alegres com Madalena. O seu coração está preparado: "Esperai no Senhor, para que a amável simplicidade O reflicta.")

Jesus disse-me estas frases muito devagar, na ordem que eu as escrevo. Depois disse-me:

"Cada vez que vós voltareis ao vosso lugar depois de cada Eucaristia, pousai a mão esquerda sobre o vosso coração e a direita cruzada por cima."

Jesus fez o gesto ao mesmo tempo que me explicava; eu imitei-O. Jesus sorriu-me alguns instantes, depois desapareceu. Guardei as mãos pousadas assim até chegar ao meu lugar.

Primeira Sexta-feira do mês de Fevereiro de 1974.

Jesus não apareceu.   

 

--

 

 

 

DÉCIMA QUARTA APARIÇÃO

"Alegrai-vos pois está próximo o tempo em que o Filho do Homem voltará na Glória."

1o Março de 1974 às 15h40, na capela. ( Na capela, estão presentes o padre, três freiras e quatro mulheres.)

Aqui está a Luz.

Jesus apresentou-se no mesmo sítio, como de costume, as mãos estavam estendidas na minha direcção como para me receber. Ele sorria-me, levantou os olhos para o céu, o olhar grave e distante e disse-me:

"Tenheis a bondade de repetir isto:"

Ele levantou os braços em forma de Cruz, mas mais alto. Jesus disse-me devagar cada frase que eu repeti umas atrás das outras:

"Ecce cujus imperii Nomen est in aeternum. Quae videt Me, videt et Patrem Meum. Magdalena ! Annuntiate virtutes ejus qui vos de tenebris in admirabile Lumen Suum vocavit. Nolite timere, Deum benedicite, et cantate Illi." ( Aqui está Este cujo Nome tem um Reino Eterno. Aquela que me vê, vê também o Meu Pai. Madeleine ! Anúnciai as maravilhas Deste que vos chamou das trevas à Sua Admirável Luz. Não tenheis medo, abençoai Deus e cantai para Ele.)

Jesus continua:

"Eu sou a Luz do mundo e a Luz brilha nas trevas e as trevas não o compreenderam."
"Penitência, penitência, penitência. Beijai a terra três vezes por penitência pela falta de Fé no mundo."

 

Depois Jesus voltou à sua posição normal:

"Hoje, Jesus de Nazaré, o filho do Homem ressuscitado, visita-me pela oitava vez. A Suas Mãos, o Seu Rosto brilham como o Sol, a Sua roupa é dum branco brilhante, o Seu olhar é Amor e Bondade. Amai-vos uns aos outros como Eu vos amo, que o vosso olhar seja amor e bondade para cada um de entre vós. Beijai uma pessoa presente por amor e por caridade."

Dei um beijo à primeira pessoa que estava presente ; era a Irmã Maria da Assunção, Superior geral de Blon.

Depois Jesus acrescenta:

"Este gesto é sinal de amor e de reconciliação pelo mundo inteiro. Sejais alegre Maria, disse o Arcanjo Gabriel no momento da concepção do Filho do Homem."

E com uma voz muito grave:

"Em verdade, Eu vos digo, hoje é igual. Sejais alegres, porque o tempo é próximo para o Filho do Homem voltar na Gloria. 
Sejais alegres, sejais alegres sem cessar no Senhor, que a vossa Alegria seja conhecida de todos os Homens por causa das palavras que vós vindes de ouvir, por causa do Meu Nome."

Depois de alguns instantes:

"Que cada um de vós, no silêncio do vosso coração, peça a Deus a graça que deseja ; hoje mesmo ela vos será dada."

Fiquei alguns instantes em silêncio. Eu escutei as Palavras muito graves que Jesus disse-me. Eu temia repeti-las porque eram graves. Eu pensei que só o padre ou os padres deviam de as conhecer, porque Jesus disse-me:

"Dizei à Igreja que ela torna a dizer a sua Mensagem de PAZ ao mundo inteiro, porque a hora é grave. Satanás dirige o mundo,  ele seduz os espíritos, e fá-los capazes de destruir a humanidade em poucos minutos. Se a humanidade não se opõe, Eu deixarei fazer e será uma catástrofe, tal como não ouve ainda depois do dilúvio - e isso antes do fim do século. Todos aqueles que virão arrepender-se aos pès da Cruz Gloriosa serão salvos. Satanás será destruido e só ficará a Paz e a Alegria. "

Depois, Jesus desapareceu.

 

--

 

 

 

DÉCIMA QUINTA APARIÇÃO

"A Cruz Gloriosa purificará todos os pecados."

Sexta-feira 5 de Abril de 1974 às 15h40, na capela.

Na capela São José, a auréola de luz formou-se no lugar da Custódia, depois vi Jesus, com as mãos estendidas na minha direcção como para me receber. Admirei-O durante bastante tempo - é tão maravilhoso. Ele sorria-me.

Disse-Lhe em voz alta: "Se vós sois Cristo, porque é que eu não nunca vejo as Suas chagas ?" ( O Senhor Padre tinha-me encarregue de colocar esta pergunta.)

Ele continuava a sorrir-me. Que bondade inexplicável eu senti nesse momento, parecia que eu já não vivia mais neste mundo.

Jesus estendeu a mão direita para mim, e disse-me:

"A Paz esteja convosco. Dizei-lo em voz alta."

Jesus voltou à sua posição habitual e já não sorria mais:

Jesus perguntou: "para quê esta perturbação, porque é estas ideias aparecem em vós? Vós, os padres que estais encarregues de fazer cumprir o que vos peço, parece-vos mais fácil gritar por milagre vendo água a sair da serra do que ouvir a serva do Senhor pronunciar palavras que desconhece ? Homens de pouca Fé, lembrem-se da Minha Palavra." (A voz de Jesus era grave.)

"Os que virão em Meu Nome falarão em línguas que lhes serão desconhecidas."

Depois dum momento de silêncio, e sem precisar de mo repetir :

"Não duvideis, levantai-vos e tocai nas Minhas Mãos. "

Levantei-me, Jesus estendeu-me a Sua Mão esquerda, depois a direita: segurei então cada uma delas nas minhas.

 

Cenas do filme  "O Apocalipse Segundo João" - Artigo N.º 3064



Ele disse-me:

"Não duvideis mais, um espírito não tem mãos de carne."

Voltei para o meu lugar, ajoelhei-me diante Dele, e Ele disse-me:

"Dizei-lhe o seguinte " : (Repeti-o em voz alta)
"Não duvideis mais, é realmente Jesus Ressuscitado que vi hoje pela sétima vez. Acabei de tocar-Lhe nas Mãos. "

 



Depois perguntei:

" Senhor, onde deveremos cavar para ter água? " Jesus respondeu-me:

"A Cruz Gloriosa deverá ser erguida na Haute-Butte, que é a mais próxima da fronteira do território de Dozulé, no sítio exacto onde se encontra a árvore de fruta, a árvore do Pecado, porque a Cruz Gloriosa purificará de todos os pecados. Os seus braços deverão erguer-se de Oriente a Ocidente. Cada braço deverá medir 123 metros e a sua altura, seis vezes mais. É a partir destes 123 metros, área ocupada pela Cruz, que se deverão medir os 100 metros. Depois, fazei uma cova de 2 metros por 1,50 metros e com 1 metro de profundidade. Fazei um muro. Água de lá jorrará. "

 

Projeto de construção da Cruz conforme pedido de Jesus a  vidente Madeleine Aumont
A cruz na imagem acima não existe, é apenas uma montagem de como seria. ( Leia mais sobre a construção da cruz no link:  http://espacojames.com.br/?cat=220&id=11920

 

 

Depois Jesus acrescentou:

"Se o vosso coração fôr seco, haverá pouca água e consequentemente, poucos serão salvos."

Depois Ele disse:

"Vos amici Mei estis si feceritis quae Ego praecipio vobis, dixit Dominus." (Vós sereis Meus amigos se fizerdes o que vos peço, disse o Senhor.) 

Jesus acrescentou:

"Metei a mão esquerda junto ao vosso coração e a direita pousada em cima."

Depois, Jesus desapareceu e eu, voltei para o meu lugar.

Se vocês soubessem como eu estava feliz. Pela primeira vez desde que vejo Jesus, tinha vontade de gritar de tanta alegria. Disse-o ao Senhor Padre e a uma outra pessoa ao sair da capela.

" Jesus está bem vivo; eu toquei-Lhe nas Suas Mãos; eram mãos de carne como as nossas, elas são mornas. Foi maravilhoso. "

Jesus está bem vivo, ressuscitado, em carne. Eu chorava de alegria; uma alegria maravilhosa que inundou o meu espírito. Eu tinha vontade de cantar e por isso, pedi para que cantassem o "Magnificat ", tal era a minha alegria.

Devemos obedecer aos padres e aos bispos: deram-me ordem para não dizer nada e foi isso que me conteve senão, eu gritado a toda a gente a minha alegria para poder dar a Alegria de Jesus ressuscitado a todos os que duvidam.(4)

4 - "Na 6ª feira dia 5.4.74 foi ditado que "cada BRAÇO devia medir 123 m e a sua altura 6 vezes mais = 738 m ". Foram desenhados três projectos da Cruz com pilares da largura de 21 m, 42 m, 60 m ". (Gérard Cordonnier, 1º editor das Mensagens).

 

Sexta-feira Santa dia 12 de Abril de 1974.

Da parte da tarde, após o acordo entre a Irmã Bruno e o proprietário da ervagem, três homens cavaram a cova. Estava frio, e sobre um fogãozinho de álcool no fundo da cova em obras, a Irmã Bruno aquecia café para os voluntários...

 


        
 

--

 

DÉCIMA SEXTA APARIÇÃO

"Apressai-vos em fazer erguer a Cruz Gloriosa no seu lugar"

Sexta-feira 3 de Maio de 1974 das 17h10 às 17h25, na capela.

A luz apareceu e depois Jesus apresentou-se com as mãos estendidas na minha direcção para me receber; Ele sorriu-me. Senti-me tão feliz, ficaria sempre na Sua presença. Ele disse:

 

 

" Dizei o seguinte em voz alta: O padre não está enganado, esta árvore inclinada é o símbolo do pecado. Arrancai-a antes que as frutas apareçam, e apressai-vos em fazer erguer a Cruz Gloriosa no seu lugar, porque a Cruz Gloriosa purificará todos os pecados."(5)

Após um momento, Jesus colocou as mãos juntas sobre o peito. Olhou para mim de forma triste, vi duas lágrimas a correrem dos Seus olhos. Nesse momento chorei, Jesus estava tão triste. Ele disse-me:

"Infelicidade para toda a humanidade, se não houver água (6) na cova daqui cinquenta dias após o fim das obras, é porque Satanás impede a purificação da maior parte das pessoas. Lembrai-vos da Minha Palavra, Eu deixarei que isso aconteça por causa da falta de Fé. "

Um instante depois:

"Dizei à Igreja para que mande Mensagens pelo mundo fora e que se apresse em fazer erguer, no sítio indicado, a Cruz Gloriosa e junto dela, um Santuário. Todos lá irão arrepender-se e encontrar Paz e Alegria. A Cruz Gloriosa, ou o Sinal do Filho do Homem, é o anúncio da próxima vinda Gloriosa de Jesus ressuscitado. Quando esta Cruz fôr erguida sobre a terra, atrairei tudo a Mim. "

A seguir, Jesus disse:

" Encontrai onze pessoas nesta cidade benzida e sagrada as quais, serão Meus discípulos. Elas pedirão de porta em porta em Meu Nome para a elevação da Cruz Gloriosa. E eis os mandamentos que cada discípulo deverá cumprir:

-Trabalhareis até a elevação da Cruz Gloriosa;
-Sejais humildes, pacientes, caridosos, para que se reflictam em vós Meus discípulos;
-Não buscais nenhum interesse para vós mesmos, somente o de erguer a Cruz Gloriosa, porque cada homem que lá fôr arrepender-se será salvo.
"

Depois Jesus disse-me, sem precisar de mo repetir:

" Dizei ao padre que Eu vos visito pela décima sétima vez, porque a Cruz Gloriosa também é Jesus ressuscitado. " ( A visita do dia 12 de Abril 1970 e as 16 aparições constituem as 17 visitas de Jesus). Depois, Jesus desapareceu.

5- Madeleine e o Padre subiram juntos a Haute Butte para localizar o sítio da Cruz. Foram ajudados por lâmpadas eléctricas viradas para o céu.

Madeleine ficou à janela, através da qual ela tinha visto a Cruz 6 vezes, e dirigia o Padre que continuava a ascensão da Haute Butte. Este chegou ao sítio, que estava delimitado por uma vala, e que se encontra precisamente no limite do território de Dozulé. Só faltava situar o lugar exacto onde o Senhor pediu que a Cruz fosse erguida. O Padre pensou que podia ser no sítio onde se encontrava uma macieira inclinada. Mas ele não tinha a certeza e não conseguiu dormir durante toda a noite. Jesus confirma aqui como o seu sentimento é justo.

A cova foi aberta a 223 m /contados com uma corda) " enrolámo-la a um bocado de madeira. A árvore foi arrancada e nesse sítio colocámos uma pequena cruz com o Gérard (1000 vezes mais pequena NDE), após a autorização dada pelos inquilinos do terreno ".

Por essa água que não chega, fizemos uma novena a seguir a Pentecostes. Uma noite, Madeleine e a Irmã M. sonharam que havia água no cova e logo de manhã foram dizer ao Padre, que lhes respondeu: " Que sonhos tão lindos tem a Irmã ".

Na véspera à noite, ele tinha visto que a cova estava seca. Apesar do que lhe disse o Padre, Madeleine subiu a Haute Butte e constatou que havia realmente água, e bastante: 30 cm de altura.

Interrogámos a Estação Meteorológica, que nos confirmou que não tinha chovido na última noite e que mesmo que tivesse chovido, era impossível a água da chuva atingir 30 cm de altura.

6- A água chegou 77 dias mais tarde, no dia 19 de Julho de 1974.

 

--

 

 

DÉCIMA SÉTIMA APARIÇÃO

"Eu sou Miguel o Arcanjo."
"Eu sou Jesus de Nazaré o Filho do Homem ressuscitado de entre os mortos."
"Pedi uma vela. Pouse-a acesa. Que todos os que venham a esta capela vos imitem."

Sexta-feira 31 de Maio de 1974 das 9h45 às 10h05.

Não esperava a visita de Jesus pois não estávamos na primeira sexta-feira do mês.

Mas todas as manhãs, depois de levar os meus filhos à escola, vou até à capela visitar Jesus e de seguida, o padre dá-me a Comunhão.

No dia 31 de Maio de manhã, fui à capela tal como nos outros dias. O Senhor Padre ainda não me tinha dado a Comunhão, quando a Irmã Bruno veio buscá-lo para ir ver um doente. Este doente morava mesmo ao lado, e o Senhor Padre disse-me: " Penso que não me ausententarei por muito tempo, dar-voe-ei a Comunhão quando regressar. "

Nessa altura, fiquei então sozinha na capela. De repente, vium a auréola de Luz aparecer como das outras vezes no sítio do Tabernáculo. A auréola era mais larga e parecia mais baixa do que das outras vezes. Estava sozinha mas a Luz parecia esperar por alguém. Corri na direcção do refeitório contíguo à capela. Disse à J., uma empregada, que fosse imediatamente buscar a Irmã Bruno, a qual pensava estar a dar a sua aula àquela hora.

Regressei depressa à capela, diante da Luz que permanecia presente, mas sozinha. Ajoelhei-me; e nesse preciso momento alguém apareceu, mas não era Jesus.

Quando a Irmã Bruno chegou, disse-lhe: " Está aqui alguém mas não é Jesus. É alguém que eu não conheço. "

Desta vez, senti-me realmente na capela, não como das outras vezes, em que eu me sentia como que transportada para outro lugar, e quando a Irmã Bruno entrou, ouvi-a perfeitamente, não como das outras vezes, em que não ouvia e nem sequer via nada, tão cativada estava eu pela visão de Jesus.

Esta personagem desconhecida segurava uma espécie de estandarte e em cima, havia uma pequena cruz; esta, tal como a haste, eram da mesma cor e brilhavam como o ouro. Debaixo da cruz, parecia haver uma auriflama em tecido, com três palavras das quais penso ter visto a primeira e a última: " QUIS... DEUS " (quem é como Deus). A haste terminava na sua extremidade inferior por uma pequena ponta em forma de lança ou de espada. A personagem parecia ter os cabelos curtos e encaracolados, parecia um soldado. A Sua túnica era curta, a sua mão direita segurava a haste pelo meio, e uma espécie de cilha apertava-lhe a barriga das pernas.

 

São Miguel Arcanjo

 

Como ele estava a olhar para mim, perguntei-lhe: " Quem sois vós ? "

Ele respondeu-me:

" Bem haja " (cumprimentou-me com a cabeça)
" Eu sou Miguel o Arcanjo, foi Deus que me enviou. Vós vereis os Mistérios do Redentor e repetireis cada uma das frases, uma a seguir à outra à medida que as vos ditarei. "

Eu disse-lhe: " Se foi Deus que vos enviou, eu obedecerei-vos. "

O Arcanjo ainda estava presente quando ele me disse:

" Per Mysterium Sanctae Incarnationis Tuae(7). " (" Pelo Mistério da Tua Santa Incarnação. ")

E nesse momento, ele desapareceu.

Depois, vi alguém vestido de branco, ajoelhado. Pensei que era um Anjo. Ele olhava para uma linda rapariga (Mulher jovem), que tinha um lenço na cabeça. Quando ela o viu, cumprimentou-o, e ficou com a cabeça inclinada. Ela colocou uma mão e depois a outra no peito, da mesma forma que o Senhor me tinha ensinado. Reparei nesse gesto que me impressionou. Após alguns segundos, tudo desapareceu.

Depois, voltei a ver o Arcanjo que me disse:

" Per Nativitatem Tuam. " ( " Pela Tua Natividade. ")

O Arcanjo desapareceu.
Nesse momento, vi então um bebé num berço de vime ou em cima de palha em forma de berço ; com muita gente em volta com fatos compridos, e que pareciam olhá-Lo e admirá-Lo ... depois, tudo desapareceu.

Voltei a ver o Arcanjo no mesmo sítio (penso que ele estava lá sempre, eu é que já não o via mais, talvez por causa da importância do quadro vivo que eu presenciei). Ele disse-me:

" Per Baptismum et Sanctum Jejunium Tuum. " (" Pelo Teu Baptismo e pelo Teu Santo Jejum. ")

O Arcanjo desapareceu diante dos meus olhos e vi Jesus, acompanhado por um homem grande, mas menos do que Ele. Ele estava vestido com uma espécie de capa que parecia ser em pele de pelo raso.

Vi água a correr como uma ribeira e este homem que a deitou sobre a cabeça de Jesus. Ele segurava numa escudela, encheu-a com água da ribeira e deitou-a sobre a cabeça de Jesus.

Após alguns segundos, Jesus subiu um caminho e, quando chegou ao cimo sentou-Se. Cruzou as mãos, levantou os olhos para o céu como para rezar e depois, tudo desapareceu.

Voltei a ver o Arcanjo que me disse:

" Per Crucem et Passionem Tuam. " (" Pela Tua Cruz e pela Tua Paixão. ")

O Arcanjo desapareceu e vi Jesus trazer sobre o Seu ombro direito, uma cruz que parecia ser muito pesada. Ele levava-a penosamente, andando pelo meio do caminho.

De cada lado desse caminho, uma multidão de pessoas parecia rir. Algumas levantavam a mão como para lhe deitar algo.

 

 

Apesar do peso da Sua Cruz Jesus, não caiu o que para mim foi uma surpresa; por várias vezes pensei que Ele fosse cair no meio do caminho. Pobre Jesus.

Depois, a imagem desapareceu.

O Arcanjo voltou de novo e disse-me:

" Per Mortem et Sepulturam Tuam. " (" Pela Tua Morte e pela Tua Sepultura. ")
Vi Jesus na Cruz, aparentemente morto, com a cabeça inclinada para a frente, em tronco nu, com uma larga chaga do lado direito, e debaixo da chaga, um fio de sangue seco, penso eu.

Três pessoas estavam junto da Cruz - uma de cada lado, de pé - olhando com tristeza para o Rosto de Jesus. A do meio estava de joelhos a Seus pés, e apertava com as suas duas mãos o pé da Cruz, parecendo querer beijar os pés de Jesus.

Senti as minhas lágrimas correrem. Os pés de Jesus estavam pousados num suporte de madeira.
A imagem desapareceu; vi de novo o Arcanjo que me disse:

" Per Sanctam Resurrectionem Tuam. " (" Pela Tua Santa Ressurreição ")

Nesse momento, vi de novo Jesus vivo. Enchi-me duma maravilhosa alegria; Ele apareceu-me tal como da primeira vez, na noite do dia 27 de Dezembro de 1972, sorrindo e com as mãos estendidas na minha direção como para me acolher. Pareceu-me que O via pela primeira vez.
Depois de tê-Lo visto morto na Cruz, vi-O vivo - Jesus vivo, ressuscitado de entre os mortos.

Ele disse-me:

" Eu sou Jesus de Nazaré, o Filho do Homem ressuscitado de entre os mortos."
" Olhai as minhas Chagas. "

 

Cenas do filme  "O Apocalipse Segundo João" - Artigo N.º 3064

 

Com a Sua mão direita, afastou o lado direito do hábito (bem que parecia não ter abertura). Vi então uma chaga larga que não tinha sangue.

Na costa da Sua mão direita, vi um pequeno buraco. Vi também um orifício na palma da sua mão esquerda estendida para mim, e outro em cada um dos pés.

 

 

A seguir, Jesus disse-me:

" Aproximai-vos e tocai na Minha Costela. "

Levantei-me; aproximei a minha mão direita e com dois dos meus dedos (com o indicador e o médio), toquei a borda da Sua chaga que parecia profunda.

Senti uma grande emoção e disse: " Senhor, vós sofrestes tanto por nós. "

Estava triste ao pensar no que Jesus tinha sofrido pelo mundo, pelo pecado do mundo, pela ingratidão do mundo e por nós todos, pobres pecadores.

Voltei a pôr-me de joelhos e Jesus voltou à Sua posição habitual, com as mãos estendidas na minha direcção. O Seu hábito voltou também à sua posição normal.

Depois, Jesus disse-me:

" Dizei o seguinte em voz alta: "

Jesus ditava-me frase após frase e eu repetia-as a seguir.

" Jesus pede para anunciar ao mundo inteiro a oração que Ele vos ensinou. Ele pede para que a Cruz Gloriosa e o Santuário sejam construídos pelo fim do Ano Santo, porque será o último Ano Santo. Que cada ano seja lá celebrado uma festa solene no dia em que Madeleine viu a Cruz pela primeira vez. Todos aqueles que, cheios de confiança, irão lá arrepender-se, serão salvos nesta vida e para toda a eternidade. Satanás não terá jamais poder sobre eles."

Após alguns instantes e com uma voz muito grave:

"Em verdade, vos digo, Meu Pai mandou-Me para vos salvar e para dar-vos Paz e Alegria. Sabiam que Sou Amor e Compaixão."

Ele disse ainda:

"Isto é o fim da Minha Mensagem."

Jesus estava sempre presente enquanto o Arcanjo, sem se mostrar, me disse as seguintes palavras as quais eu repeti:

"Per Admirabilem Ascensionem Tuam. " (" Pela Tua Admirável Ascensão. ")

Nesse momento, Jesus levantou a mão para mim e disse-me:

"Que a Paz esteja convosco e com todos aqueles que de vós se aproximem."

Jesus baixou a mão, vi-O subir devagar e levemente e depois, desaparecer. Voltei a ver o Arcanjo que me disse:

"Per Adventum Spiritus Sancti Paracliti. " (" Pela vinda do Espírito Santo, o Paracleto. ")

Desta vez, o Arcanjo não desapareceu; ficou e disse-me:

" Jesus acabou de nos deixar. A Sua Mensagem terminou, mas vós voltareis a vê-Lo. "

Ele disse ainda isto, o que eu repeti:

" Per cujus imperii Nomen est in aeternum, ab omni malo libera nos Domine. " (Por Aquele cujo Nome tem um Reinado Eterno, livrai-nos de todo mal, Senhor.")

E sem precisar repeti-lo, o Arcanjo disse:

" Isto quer dizer: Por Aquele cujo Nome tem um Reinado Eterno, livrai-nos de todo mal, Senhor. "Depois: " Dizei o seguinte em voz alta: "

"Deus condena os padres por causa da lentidão na realização do seu trabalho e da incredualidade que demonstram. Deus pediu aos padres que anunciassem ao mundo as maravilhas Daquele que chamou Madeleine das trevas à Sua admirável Luz, porque a Cruz Gloriosa embelezará a cidade de Dozulé. Eles não o fizeram. Isto é a razão da falta de água nesta cova.

Uma grande calamidade de seca vai cair sobre o mundo inteiro. Que os padres leiam com atenção a Mensagem e que respeitem escrupulosamente aquilo que lhes foi pedido. Peça à pessoa aqui presente que vos dê uma vela. "

Voltei-me e pedi a Irmã Bruno que me desse uma vela. Quando a segurei, o Arcanjo disse-me:

" Pousai-a acesa no sítio onde Cristo vos deixou. Que todos aqueles que venham a esta capela façam igual. "

Um instante depois:

"Vós tendes todo o dia para dizê-lo ao padre e às pessoas que vos desejam ouvir; vós lembrar-vos-ei e elas ficarão surpresas pela vossa memória. Que o padre encontre uma pessoa que lhe leia a Mensagem três vezes e que o repita: ela não será capaz. "

O Arcanjo olhou para mim e disse-me:

"Escrevei o que eu vos disser quando chegar a casa. Vós devereis dar este escrito ao padre, no momento que ele vos disser: " Eu vou-me encontrar com o bispado, na semana do Sagrado Coração.  Fazei uma novena a qual vós começareis no dia do Sagrado Coração. Esta novena é composta dum Mistério por dia, os Mistérios que vos foram ensinados. Depois, ide ver o bispo. Vós dir-lhe-eis que é Deus que vos manda. Dai-lhe a Mensagem completa e que ele tome conhecimento dela. As portas abrir-se-ão e o coração do bispo fundir-se-á"

Guardei então este escrito com precaução em casa, esperando que o Senhor Padre me dissesse a frase anunciada.

O Senhor faz as coisas bem:

Na quarta-feira dia 12 de Junho, o Senhor Padre veio à minha casa para me dizer : " Eu vou-me encontrar com o bispado na próxima semana. "

Eu disse-lhe: " É a semana do Sagrado Coração."

Ele respondeu-me: " Não sei de nada…"

 Tenho a certeza... " Porquê?... "

Então eu dei-lhe a mensagem que o Arcanjo me tinha ditado - e era de facto durante a semana do Sagrado Coração que o Senhor Padre tinha o encontro com o bispado.

Depois, fizemos uma novena todos juntos na capela. Começamo-la no dia do Sagrado Coração, como o tinha pedido o Arcanjo.

Esta novena terminaria no sábado da semana seguinte e o Arcanjo tinha dito: 

" Depois ides ver o bispo. "

Eu queria lá ir, não no dia a seguir porque era domingo mas dois dias depois. Sentia-me levada a ir e alguma coisa me empurrava. Não tinha nenhum meio de transporte (penso que teria ido na minha mota) mas tinha de ir. Deus queria-o e pelo Arcanjo, Ele tinha-mo dito. Um inexplicável ímpeto dava-me força para ir ao bispado com a minha mensagem completa.

A minha decepção foi tão grande quando o Senhor Padre me disse: " Mas não se pode ir ver o bispo assim, tenho de marcar um encontro; e para mais, talvez o bispo não esteja lá, ele não vos receberá assim; e devemos obedecer, devemos sempre obedecer. "

O meu ímpeto era tão grande que o Senhor Padre impediu-me - ele disse-me:

" Devemos obedecer. "

No entanto eu tinha vontadede desobedecer porque eu sabia que era Deus que me tinha dado este ímpeto para ir ver o bispo e dar-lhe a mensagem que Deus me tinha dado.

Se vos digo que até chorei por causa disso; era um desafio. Mas obedeci ao Senhor Padre. No entanto tinha a certeza de que o bispo me receberia, que as portas me seriam abertas. Mas para contentar os homens, desobedeci a Deus. Creio que Deus me condenou por causa disso.

7- Texto em latim da Ladainhas das Rogações (ou Ladainhas dos Santos), entre a Ascensão e Pentecostes.

Primeira Sexta-feira do mês de Junho.
Jesus não apareceu.

 

--

 

 

 

 

DÉCIMA OITAVA APARIÇÃO

"Jesus apareceu."

Sexta-feira 5 de Julho de 1974, na capela. Jesus apareceu mas ficou silencioso.

Sexta-feira 19 de Julho de 1974. Descoberta da água na cova
(muito mais do que cinquanta dias após a advertência do dia 3 de Maio...)

 

--

 

 

           

 

DÉCIMA NONA APARIÇÃO

 

" Vinde todos em procissão e não temeis de vos lavar. Esta água não é duma nascente. É uma água que vem da terra. "

Sábado 3 de Agosto de 1974 no jardim em direcção à Haute-Butte

Estava no meu jardim a ver se a minha roupa estava enxuta. E quando voltei para casa, ouvi uma voz distante que vinha do sítio da Cruz:

" É Miguel, o Arcanjo, escutai-me. "

Meti-me de joelhos, na direcção da voz:

" Dizei ao padre para que mande construir muros à volta de três dos lados da cova, mas não no fundo. No quarto lado, em largura, ao fim da dimensão, fazei um muro de vinte e cinco centímetros e depois, fazei três escadas. Ide lá todos em procissão e não temeis de vos lavar nesta água de poeira *, porque sabeis que sois poeira e que à poeira retornareis. Mas o vosso espírito será purificado. Esta água não é de uma nascente. E uma água que vem de terra. 
Feliz daquele lá que irá purificar-se sem temer de se sujar. "

 

 

 

--

 

 

VIGESIMA APARIÇÃO

" Não vos lamenteis. "

Sexta-Feira 6 de Setembro de 1974, na capela.

Eu vi a auréola de Luz. A Irma Marguerite-Marie estava sozinha comigo e eu disse em voz alta:
 Eis a Luz ". Minha alegria é tão grande quando vejo a Luz aparecer, que não consigo conter-me de gritar.

Depois, à esquerda do Santo-Sacramento (ou mais precisamente à esquerda desta Luz), Miguel o Arcanjo apresentou-se como de hábito e disse-me:

"Eu vos saúdo. "

Ajoelhei-me diante dele, um pouco à esquerda do Santo Sacramento, e disse-me:

"Não vos prostreis diante de mim, mas em frente Daquele que vindes adorar."

Levantei-me e meti-me de joelhos diante do Santo Sacramento. Nesse momento, eu vi raios luminosos que saíam da Hóstia; eram como seres vivos e renovavam-se constantemente a partir da Hóstia, como duma nascente luminosa (é difícil de explicar).

São Miguel, que continuava presente um pouco mais atrás à esquerda, disse-me:

" Não vos lamenteis perante os olhos do pequeno David (8). Se Deus o quis assim, é porque não é ele que tem os olhos fechados, mas são os seus pais que os têm fechados à Luz da Fé.
Ponha uma vela no sítio onde o Senhor vos deixou na última vez
. "
Enquanto o Arcanjo me falava, a Santa Hóstia não parava de projectar os seus raios luminosos. Depois, tudo desapareceu.

8- O pequeno David, o neto de Madeleine e Roland. pommier


Primeira sexta do mês de Outubro de 1974.
Jesus não apareceu.

 

--

Continua...

LEIA TODAS AS PARTES DESTE ARTIGO CLICANDO AQUI!

 




LEIA TAMBÉM
CRUZ DE DOZULÊ: Todas as 49 Mensagens de Jesus a Madeleine Aumont - Parte 1
Pe. Léo Persch: Parte 1- A Vinda Gloriosa de Jesus, Parusia
Cruz Gloriosa de Dozulé - Sinal do Filho do Homem - Parte 1



 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 7.269.234
Visitas Únicas Hoje: 266
Usuários Online: 230