Espacojames


Página Inicial
Listar Marisa Bueloni




Artigo N.º 14213 - A poesia do cotidiano
Artigo visto 1247 vezes




Visto: 1247
Postado em: 05/04/16 às 15:45:47 por: James
Categoria: Marisa Bueloni
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=123&id=14213
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Marisa Bueloni

Marisa Bueloni

Haverá poesia no nosso dia-a-dia repetitivo e sem grandes atrações? Penso que sim. Basta procurar pelas palavras: ela está lá. A palavra exprime a poesia que vive debaixo de todas as coisas.

As palavras aparecem, às vezes, de modo inesperado. Algumas surgem de necessárias aglutinações que lhes dão sentido e brilho. Muitas se formam pela força de neologismos inevitáveis. Outras pertencem ao momento histórico onde atuam. E há as palavras decorrentes da própria realidade onde foram geradas, completando o sinônimo da nossa absoluta perplexidade.

Algumas palavras contêm o estado da latência e da potencialidade. Existem, são escritas e pronunciadas, passíveis de aplicação e uso, mas escondem-se de si mesmas, pois pertencem ao campo da abstração e do pensamento. E há as palavras que são do gênero da crueza e da morbidez, mantendo suas características e significados, quase sempre dolorosos.

Pronto, há de tudo no reino das palavras. E quem o penetrar encontrará um universo fascinante e perturbador. Um poema se escreve com palavras, mas existe uma poesia oculta em cada minuto do nosso dia, da nossa vida. Muitos fazem de suas vidas um poema, como a idosa senhora de uma foto que corre a internet: ela veste um gracioso avental e pinta flores nas paredes externas de sua residência.

Haverá poesia maior que a de sentar-se num degrau, munido de pincéis e tintas para desenhar flores na fachada da casa? Ah, quanto amor devota ao seu lar esta senhora avançada em anos, florindo uma paisagem que também é moradia. Que doce e delicada poesia não brotará de suas mãos, ao colorir o branco que subsiste sobre tijolos?

Fiquei por longos minutos olhando a foto, para captar esta poesia que está não sei aonde, que vem de algum lugar no tempo e no espaço e abrange tudo o que nos comove por inteiro. É a poesia do cotidiano, que vai além das palavras e não se exprime por nenhum vocábulo, sempre pronto a ser descoberto.

Trata-se de uma beleza que passa despercebida, quando andamos absortos e preocupados com nossas parcelas, mensalidades e compromissos. Haverá poesia na dívida de viver? Façamos de conta que sim. Que o poema transcende os boletos mensais e a fila do banco é uma passarela para nosso coração. As pessoas a nossa volta são atores de alguma encenação onde se canta e se diz versos de amor.

Não. Ninguém pensa nisso indo ao banco, dirá o leitor. Lá não é nem um pouco o local apropriado para tais fantasias. Concordo que não. E tento burlar a regra do bom senso para afirmar que é possível extrair poesia de onde menos se espera.

Tudo está dentro do nosso coração. Até mesmo o cotidiano apático a ser enfrentado pode passar por algum tipo de avivamento, se a alma estiver disposta a sonhar. Tudo está dentro de nós, incluindo a poesia que nos ajuda a ser felizes, não obstante as tragédias perto ou longe.

A poesia sobrevive, apesar de nós. Não há cenário que a contrarie. Ela vive por si mesma, tomemos conhecimento dela ou não. Que eu não perca, ó Deus, a sagrada poesia do cotidiano!...




LEIA TAMBÉM
Madre Tereza e a noite escura
Procurando assunto...
Salmos que me cativam
Para onde vamos?
Passagem secreta
Pouca gente feliz?
As coisas simples e belas
Como uma onda...
Começar de novo



 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 7.317.929
Visitas Únicas Hoje: 1.423
Usuários Online: 657