Recorde de acesso em:
25/03/2014
é de 5.808
Total Visitas Únicas: 3.226.859
Visitas Únicas Hoje: 477
Usuários Online: 157
Sistema de Busca
jQuery Vertical Accordion Menu Plugin v 2.6

O que você achou da atuação da Seleção Brasileira nesta copa?

Uma vergonha!

Razoável




Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player


 
DIVULGUE NOSSO SITE: Coloque este Banner em seu blog, e leve todo o acervo junto: ( Leia Mais )

 

Artigos
Artigos sobre diversos temas, todos relacionados a igreja e o nossa vida cristã.




Salvar em PDF





Visto: 4375 - Impresso: 93 - Enviado: 7 - Salvo em Word: 34
Postado em: 25/02/10 às 20:12:36 por: James
Categoria: Artigos
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=1&id=4422
Marcado como: Artigo Simples

Espacojames: Conheceremos alguns dos principais mártires da nossa Santa Igreja Católica que deram seu sangue pelo evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.

  

 

Muitos cristãos eram apedrejados, esquartejados, queimados, outros eram atirados aos leões para a alegria dos pagãos, derramaram seus sangues por Cristo e em Cristo reinarão para sempre! Amém.

 

  


Capítulos

 

1. Premissa: os Mártires, testemunhas e mestres da fé

2. Os Atos dos Mártires

3. A principal fonte dos Atos dos Mártires: Eusébio de Cesaréia

3.1 Os mártires de Alexandria do Egito

3.2 Os mártires da Tebaida

3.3 Os mártires de Tiro da Fenícia

3.4 Os mártires do Ponto

3.5 Martírio de Santa Sinforosa e seus sete filhos

3.6 Martírio dos Santos Ptolomeu, Lúcio e outro desconhecido

3.7 Martírio de São Máximo

3.8 Martírio dos Santos Silitanos

3.9 Martírio dos cristãos de Alexandria

3.10 Martírio de São Marino, centurião

3.11 Martírio de São Êuplio, diácono

3.12 Os quarenta Mártires de Sebástia

3.13 Martírio de São Simeão

3.14 Martírio de São Policarpo

3.15 Martírio dos santos Carpo, Papilo e Agatonice

3.16 Martírio de Santo Apolônio

3.17 Martírio de São Piônio

3.18 Mártires a não mais acabar

3.19 Martírio de São Conão

3.20 Martírio dos ascetas Xiamuna e Gurias

4. Quantos foram os mártires?

5. A memória dos mártires, testemunho perene do amor de Cristo e da Igreja (João Paulo II na 'Incarnationis mysterium')

6. Os Mártires, testemunhas radicais (Juan E. Vecchi)


Premissa: Os Mártires, testemunhas e mestres de fé

Os nossos dias exigem muitas coragem para viver. Há tantos motivos de preocupação e tantas angústias, mesmo se, no fundo, é também belo viver neste tempo, tão cheio de esperanças de um futuro mais sereno e mais humano.

Muitos arriscam a vida, também, para defender suas idéias e sua liberdade, e não faltam exemplos luminosos de heroísmo.

O cristão é levado, igualmente, a arriscar para permanecer tal. Não será verdade, talvez, que em algumas partes da humanidade ainda existe opressão e perseguição, levando os que desejam permanecer fiéis a Cristo a viverem escondidos, como no tempo das perseguições? E, muitas vezes, quando descobertos, pagam com a vida.

Mesmo onde não se chega a tanto, há sempre uma perseguição latente: és boicotado, colocam-te mil obstáculos, és ridicularizado só porque queres viver seriamente como cristão!

Essa perseguição, entretanto, não é novidade. Desde quando Cristo foi colocado numa cruz, teve início uma longa história que já dura dois mil anos: a história dos mártires cristãos, que jamais conhecerá a palavra "fim". Ele disse: "Se perseguiram-me, perseguirão também a vós". É uma nota característica e perene da Igreja de Cristo: ela é Igreja de Mártires.

Existem, porém, algumas páginas nessa história que merecem uma grande atenção, e são as que se referem aos mártires dos primeiros séculos da Igreja Cristã, quando o sangue foi derramado em grande abundância.

É muito útil, e até necessário, voltar a essa história (mas atenção: é história verdadeira, não lenda; história documentável, não fábulas ou mitos), porque é uma história que se torna escola: nela aprenderemos a ser também intrépidos na profissão da fé e corajosos na superação das provas do nosso martírio, qualquer que ele seja

2. Os Atos dos Mártires

Os Atos dos Mártires são documentos oficiais e os mais antigos da Igreja das perseguições. São textos contemporâneos aos acontecimentos narrados. São as atas dos processos dos Cristãos, chamados "Atos proconsulares" porque, em geral, o magistrado era um procônsul; são as narrações de testemunhas oculares; são as "paixões epistolares", isto é, cartas circulares sobre os mártires, enviadas por uma Igreja às demais comunidades cristãs; e as "paixões narrativas", ditadas em parte pelos próprios mártires.

Os Atos dos Mártires são reportados, na maior parte, por Eusébio de Cesaréia (3º-4º século) em "De mortibus persecutorum"; mas também nas Cartas e no tratado "De Lapsis" de São Cipriano (3º século); nas Apologias dos escritores gregos e nos panegíricos pronunciados pelos grandes oradores cristãos do Ocidente, como Ambrósio, Agostinho, Máximo de Turim, Pedro Crisólogo, e do Oriente, como Basílio, Gregório de Nissa e João Crisóstomo.

Os Atos dos Mártires eram lidos no dia de suas festas, durante a celebração eucarística. Com efeito, a memória, a lembrança do mártires, fundamenta-se no memorial de Cristo, porque a paixão do mártir renova a única paixão do Senhor, da sua morte e ressurreição.

3. Eusébio de Cesaréia é a principal fonte dos Atos dos Mártires

Nascido em Cesaréia da Palestina pelo ano 265 e educado na escola do douto Pânfilo, Eusébio recebeu uma sólida formação intelectual, sobretudo histórica. Eleito bispo de sua cidade, foi o homem mais erudito do seu tempo. Escreveu muitas obras de teologia, exegese, apologética, mas a sua obra mais importante foi a "História eclesiástica", em 10 volumes, que são o fruto de 25 anos de pesquisa histórica, contínua e apaixonada.

Ele narra, nos 7 primeiros livros, a história da Igreja das origens até 303. Os livros 8º e 9º referem-se à perseguição iniciada por Diocleciano em 303 e concluída, no ocidente em 308, tendo continuado no oriente com Galério, até o Edito de tolerância de 311 e à morte de Maximino (313). O livro 10º descreve a retomada da Igreja até à vitória de Constantino sobre Licínio e à unificação do império (323).

Antes ainda dessa obra, Eusébio tinha recolhido e transcrito na "Coleção dos antigos Mártires", uma vasta documentação (atos dos processos de mártires, paixões, apologias, testemunhos de indivíduos e comunidades) sobre os mártires anteriores à perseguição de Diocleciano; o livro foi perdido, mas Eusébio tinha retomado o tema em parte na "História Eclesiástica".

Poupado pela perseguição de Diocleciano (303-311), Eusébio foi dela uma testemunha de importância excepcional, porque viu pessoalmente a destruição de igrejas, as fogueiras de livros sagrados e muitas cenas selvagens de martírio na Palestina, na Fenícia e até na distante Tebaida do Egito, deixando-nos de tudo, uma comovente memória de grande valor histórico.

Apesar de suas lacunas e erros, a "História Eclesiástica" continua "a obra histórica mais conhecida e digna de fé e, muitas vezes, a única fonte supérstite de informação" (Angelo Penna, "Enciclopedia Cattolica", Cidade do Vaticano, 1950, vol. V, pp. 842-854).

Apresentamos, em seguida, uma brevíssima coleção de fatos históricos, uma pequena antologia tirada dos textos originais dos autores indicados, traduzidos com fidelidade. Conheceremos assim como os nossos primeiros irmãos na fé sabiam sofrer e enfrentar por Cristo a tortura e a morte.

O martírio é uma constante de toda a Igreja

Os mártires recordados nesta breve coleção pertencem a séculos diversos, a diferentes categorias de pessoas, extrato social e nacionalidade; representam a Igreja inteira. São homens e mulheres, ricos e pobres, velhos (Simeão tem 120 anos) e jovens (os 7 "filhos" de Sinforosa); eclesiásticos (os bispos Simeão, Policarpo, Acácio, Ságaris; o sacerdote Piônio; os diáconos Êuplio e Papilo) e leigos (o senador Apolônio, o comerciante Máximo, o jardineiro Conão, os legionários "quarenta mártires de Sebaste, o centurião Marino, as mães de família Sinforosa e Agotonice); nobres, como Apolônio, e gente comum do povo, como Conão; muitas vezes cristãos cujos nomes ficaram desconhecidos.

Todos testemunharam a própria fidelidade a Cristo com o sacrifício cruento da própria vida.

Os Atos dos mártires contam a história mais verdadeira da Igreja das origens.

3.1. Os mártires de Alexandria (Egito)

"De uma carta de Filéias aos habitantes de Tmuis"

Filéias, bispo da Igreja de Tmuis, cidade a leste de Alexandria, era famoso pelos cargos civis que ocupou em sua pátria, pelos serviços prestados e também pela cultura filosófica. Jovem, nobre, riquíssimo, tinha mulher e filhos, e parece acertado que fossem pagãos. Da prisão, escreveu uma carta em que descreve os massacres de cristãos, que assistiu pessoalmente, e exalta a coragem e a fé dos mártires. Padeceu o martírio por decapitação em 306.

"Fiéis a todos esses exemplos, sentenças e ensinamentos que Deus nos dirige nas divinas e sagradas Escrituras, os bem-aventurados mártires que viveram conosco, sem sombra de incertezas, fixaram o olhar da alma no Deus do universo com pureza de coração; aceitando no espírito a morte pela fé, responderam firmemente ao chamado divino, encontrando o Senhor nosso Jesus Cristo, que se fez homem por amor de nós, para cortar o pecado pela raiz e dar-nos o viático para a viagem à vida eterna. O Filho de Deus, com efeito, embora sendo de natureza divina, não quis valer-se da sua igualdade com Deus, preferindo aniquilar-se a si mesmo, tomando a natureza de escravo e tornando-se semelhante aos homens, como homem humilhou-se até à morte, à morte de cruz (Fl 2,6-8).

Os mártires, portadores de Cristo, aspirando, pois, aos mais elevados carismas, enfrentaram todo sofrimento e todo gênero de torturas imaginados contra eles, e não só uma, mas até mesmo uma segunda vez; diante das ameaças, com que os soldados competiam entre si no lançar-se contra eles com palavras e atitudes, não retrataram a própria convicção, porque "a caridade perfeita afasta o terror" (1Jo 4,18). Que discurso seria suficiente para narrar suas virtudes e sua coragem diante de cada prova?

Entre os pagãos, qualquer um podia insultar os mártires e, por isso, alguns batiam neles com bastões de madeira, outros com vergas, outros com chicotes, outros com cintos de couro, outros ainda com cordas. O espetáculo dos tormentos era muito variado e extremamente cruel.

Alguns, com as mãos amarradas, eram pendurados numa trave, enquanto instrumentos mecânicos puxavam seus membros em todos os sentidos; os carnífices, seguindo a ordem do juiz aplicavam no corpo todo os instrumentos de tortura, não só nas costas, como era costume fazer com os assassinos, mas também no ventre, nas pernas, nas faces. Outros, pendurados fora do pórtico, por uma só mão, sofriam a mais atroz das dores pela tensão das articulações e dos membros.

Outros eram amarrados às colunas, com o rosto voltado um para o outro, sem que os pés tocassem o chão, e pelo peso do corpo as juntas eram necessariamente esticadas pela tração.

Suportavam tudo isso não só enquanto o governador se entretinha a falar com eles no interrogatório, mas por pouco menos de uma jornada. Enquanto o governador passava para examinar os demais, ordenava aos seus dependentes que olhassem atentamente se por acaso, alguém, vencido pelos tormentos, acenasse ao cedimento, e impunha que se lhes estivesse inexoravelmente por perto, também com as correntes e quando, depois disso, tivessem morrido, puxassem-nos para baixo e arrastassem-nos pela terra.

Essa, de fato, era a segundo tortura, pensada contra nós pelos adversários: não ter nem sequer uma sombra de consideração por nós, mas pensar e agir como se já não existíssemos. Houve também aqueles que, depois de terem padecido outras violências, foram colocados no cepo com os pés separados até ao quarto furo, de modo que necessariamente ficavam de costas no cepo, pois não podiam ficar em pé por causa das profundas feridas recebidas em todo o corpo durante o espancamento.

Outros, ainda, jogados por terra, jaziam subjugados pelo peso das torturas oferecendo, de modo bem mais cruel aos espectadores, a visão da violência feita contra eles, porque traziam as marcas das torturas no corpo todo.

Alguns, nessa situação, morriam em meio aos tormentos, cobrindo de vergonha o adversário com a própria constância; outros, semi mortos, eram trancados na prisão onde expiravam poucos dias depois, sucumbindo às dores; os que sobravam com a saúde recuperada graças aos cuidados médicos, animavam-se de renovada coragem com o tempo e o contato com os companheiros de prisão.

Dessa forma, então, quando o edito imperial concedeu a faculdade de escolher entre aproximar-se dos sacrifícios ímpios e não serem perturbados, obtendo uma liberdade criminosa das autoridades do mundo, ou não sacrificar, aceitando a condenação capital, os cristãos corriam alegres para a morte, sem nenhuma hesitação.

Eles conheciam, de fato, o que fora predestinado e anunciado pelas sagradas Escrituras: "Quem sacrificar aos deuses estranhos - diz o Senhor - será exterminado" (Es 22,19) e "Não terás outro Deus além de mim" (Ex 20,3)".

Conclui Santo Eusébio: "São essas as palavras que o mártir, realmente sábio e amigo de Deus, escrevia do cárcere aos fiéis da sua igreja, antes da sentença capital, descrevendo a situação em que se encontrava, e exortando-os a permanecer firmes na fé em Cristo, mesmo depois da sua morte, que estava próxima" (Eusébio, História Eclesiástica, l. VIII, c. X). 

 



Continua no próximo Artigo...





Postado por: James - www.espacojames.com.br em: 25/02/10 às 20:12:36 h.


Saiba como contribuir com nosso site:

1) O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!   [ Leia + ]

2) - Receba diariamente os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui! é grátis!
 
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por aqui!

4) - Ajude a manter este site no ar, faça uma doação:

ATENÇÃO!
Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão deste
      que sempre sejam citados a fonte.



Artigos Posteriores:
Artigo 12502 - Por que Deus não me responde?
Artigo 12422 - A Missa na visão dos Santos
Artigo 12403 - Os 10 mais importantes milagres eucarísticos - Mais de 130 ocorreram na Itália
Artigo 12257 - Catarina de Sena e as lágrimas pela Igreja
Artigo 12239 - Homilia de Bento XVI na Santa Missa de solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo
Artigo 12215 - O julgamento cabe a Deus
Artigo 12143 - Bem-aventurada Madre Teresa de Calcutá
Artigo 12140 - Riquezas do Vaticano
Artigo 12136 - De Frente Com Gabi: Pedro Siqueira "O Advogado que fala com santos, anjos e mortos desde criança"
Artigo 12048 - 7 Verdades sobre a Igreja Católica que tentam esconder de você


Artigos Anteriores:
Artigo 4413 - A situação da Igreja no Brasi
Artigo 4388 - SANTO PADRE PIO EM LUTA DIRETA COM O INIMIGO:
Artigo 4386 - DOM BOSCO EM LUTA DIRETA COM O INIMIGO: Impressionante!
Artigo 4384 - Salvo por Nossa Senhora
Artigo 4362 - A VIRGEM MARIA CONTRA SATANÁS - IMACULADA ÉS!
Artigo 4330 - Sagrada Face de Jesus
Artigo 4328 - Depoimento de uma iluminista de linhagem e ex-programadora de mentes
Artigo 4318 - SANTA MARGARIDA MARIA
Artigo 4314 - AS HERESIAS
Artigo 4295 - A Assunção Gloriosa de Nossa Senhora



Copyright 2006 - 2014 - www.espacojames.com.br - Todos os Direitos Reservados - Santarém - Pará - Brasil
Desenvolvido por: ESPACOJAMES