Espacojames


Página Inicial
Listar Ateismo




Artigo N.º 11098 - Grandes equívocos do ateísmo contemporâneo
Artigo visto 2338 vezes




Visto: 2338
Postado em: 25/06/13 às 06:16:16 por: James
Categoria: Ateismo
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=63&id=11098
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Ateismo

Equívoco fundamental:

O maior drama do ateísmo não é a sua impossibilidade de demonstrar a inexistência de Deus, mas sim a de estar estruturalmente impedido de conseguir os seus objectivos: erradicar a religião. Porque das duas, uma: ou tece críticas inteligentes, objectivas e fundamentadas à religião, e nesse caso só pode ser benéfico para ela; ou as suas críticas não são nem inteligentes, nem objectivas, nem fundamentadas e, nesse caso, elas não beliscam a religião.

Equívoco 2:
 
Os crentes não pensam, porque não têm licença para isso, só os ateus têm liberdade de pensamento. Quem pensa é ateu. Só é crente quem não pensa.
 
 
1. A expressão “penso, logo sou ateu” parece aos ateus ser uma inquestionável evidência. 
 
Durante dois mil anos “nenhum crente, nenhum cristão usou da sua razão para pensar livre e inteligentemente”. Também na atualidade não há um crente, um cristão sequer, que ouse pensar com liberdade e inteligência. Será este um facto tão evidente que não seja necessário demonstrá-lo? Há cientistas, políticos, economistas, filósofos, artistas cristãos que têm iluminado a história humana ao longo dos séculos? Não, afirmam os ateus. O facto de serem cristãos, crentes num Deus cuja existência não sabem provar acima de toda a dúvida, envenena toda a sua atividade, o seu pensamento, a sua produção científica, literária, artística.
 
Há cientistas, políticos, economistas, filósofos, artistas cristãos que têm iluminado a história humana ao longo dos séculos? Não, afirmam os ateus. O fato de serem cristãos, crentes num Deus cuja existência não sabem provar acima de toda a dúvida, envenena toda a sua atividade, o seu pensamento, a sua produção científica, literária, artística. 
 
2. Recentemente, o cientista cristão mais duramente criticado tem sido Francis Collins, que liderou a equipe que trabalhou no projeto do genoma humano. 
 
Os ateus diminuem a inteligência de Collins afirmando que ele foi “apenas” o coordenador da equipa. Até mesmo Richard Dawkins não resistiu a fazer esta afirmação. Num comentário que deixei num blog, ironizei perguntando se a tarefa de Collins enquanto coordenador da equipe de investigadores terá consistido em providenciar para que esta equipe tivesse sanduíche de queijo e coca cola ou cerveja sempre que necessário, cuidar da temperatura e da limpeza dos laboratórios, ocupar-se da correspondência, atender o telefone… Se Collins é cristão, ele não pode ser inteligente. Se fosse ateu, seria considerado um gênio
 
Sinceramente, não consigo entender como é possível considerar inteligente uma argumentação destas. O meu problema talvez seja mesmo este: dado que sou crente, não posso de modo algum ser inteligente.
 
3. Sempre me impressionou o fato de os não crentes aplaudirem repetidamente e com uma, para mim, incondicional veneração, aqueles que consideram serem os grandes pensadores da atualidade, entre os quais se destacam Daniel Dennett, Richard Dawkins, Sam Harris e Christopher Hitchens. 
 
A infalibilidade que retiram ao Papa concedem-na a estes autores que cada vez mais me aparecem como sumos sacerdotes de um culto da razão em cujo templo os crentes não têm entrada. As suas obras são objeto de um entusiasmo e de uma ‘rendição’ que faz lembrar a atitude de alguns crentes. E no entanto, se lermos com atenção essas obras não podemos deixar de notar que se resumem a alguns poucos argumentos, repetitivos, apresentados num estilo argumentativo falacioso que vai ao passado das religiões escolher os episódios mais negativos, ignorando o patrimônio das religiões no seu conjunto. 
 
4. Já noutras ocasiões tenho afirmado que com este estilo de argumentação se poderá fundamentar qualquer tese, como a que vem expressa no título da obra mais conhecida de Hitchens: “Como a religião envenena tudo”.
 
Os títulos dos dois últimos capítulos da obra são significativos: “18. Uma tradição melhor: a resistência do racional” e “19. Em conclusão: a necessidade de um novo iluminismo”. Hitchens, tal como Harris e muitos outros, é, porém, um dos melhores exemplos de como se pode envenenar toda a investigação séria. Se eu quisesse provar uma tese semelhante como, por exemplo, “Como a democracia envenena tudo”, não me faltariam exemplos, do passado como do presente, de personagens e regimes políticos que, em nome da liberdade, da democracia e do bem do povo, cometeram as maiores atrocidades. Silenciando tudo o que de positivo a democracia tem permitido quanto à libertação e ao progresso dos povos, eu iria atrair os aplausos de muitas pessoas que estão convencidas de que a liberdade permitida pela democracia é a raiz de todos os males das sociedades atuais – “envenena tudo”. Mas uma tal argumentação não me parece nem racional nem inteligente. 
 
5. Anuncia-se a vinda a Portugal de Hitchens, saudada com o mesmo entusiasmo com que em tempos passados se saudava a União Soviética como sendo o sol da Humanidade. Pessoalmente, nada tenho contra Hitchens. 
 
O seu tão celebrado livro parece-me tão pobre do ponto de vista argumentativo que não consigo entender o entusiasmo que esta presença de Hitchens em Portugal está a gerar em meios ateus. Mas se sou crente, não sou inteligente, logo é natural que não entenda nem Hitchens nem o entusiasmo que está a gerar.
 
6. Este equívoco ignora completamente o fato de na história do cristianismo se verificar uma constante discussão sobre os conteúdos da fé
 
Os temas vão mudando, mas o debate nunca está encerrado. Nos primeiros séculos do cristianismo a natureza divina de Jesus e a fixação do texto bíblico eram apenas alguns dos temas mais debatidos. Nas universidades da Igreja Católica os debates sucediam-se, como se pode ver das extensas listas de questões controversas publicadas, por exemplo, no século XVI. Hoje, continuam a escrever-se textos sobre temas como o pecado original, o dualismo corpo alma, etc. Afirmar que não há pensamento crítico entre os crentes, incluindo os cristãos, constitui um notável desconhecimento da realidade.
 
7. Por muito que desagrade aos ateus, o fato mais evidente é este: nem os crentes nem os ateus têm o monopólio da inteligência e do pensamento racional. 
 
O que não pode ser aceite pelos não crentes, porque isso deixaria sem resposta uma questão incômoda: Por que razão uma pessoa inteligente deveria acreditar em Deus?
 


Fonte: http://companhiadosfilosofos.blogspot.com.br/2010/01/grandes-equivocos-do-ateismo_10.html





LEIA TAMBÉM
Por que o ateísmo é tão comum nas universidades?
O Relativismo relativo ou a justa relatividade da verdade.
Sou Ateia: “A Igreja nos alerta para coisas que gostaríamos de esquecer, mas que, ao fim das contas, nos permite continuar vivendo de modo mais ou menos decente”.
A Fé em Deus do cientista católico americano que fez o mapeamento do DNA humano.
Prof. Dr. Felipe Aquino: A vida humana poderia ter surgido sem Deus, fruto do “senhor” acaso, (cego e impotente, como se fosse um ser inteligente e organizado?)
Ateus em crise: Higgs chama Dawkins de fundamentalista. Físico não é a favor da posição anti-religião adotada por seu colega biólogo.
Sinal dos Tempos: Ateísmo está em ascensão em todo o mundo, revela pesquisa
Contradição: Ateus criam feriado para substituir o Natal: Dia da “Luz Humana”.
Você conhece algum ATEU? Leia e envie para o amigo esse texto.



 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 8.072.040
Visitas Únicas Hoje: 2.195
Usuários Online: 379