Um exorcismo
Espacojames



Página Inicial
Listar Artigos Site Aarão




Artigo N.º 1682 - Um exorcismo
Artigo visto 2803




Visto: 2803
Postado em: 03/06/09 às 17:43:21 por: James
Categoria: Artigos Site Aarão
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=50&id=1682
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Artigos Site Aarão


Relato do exorcismo de "Marta"
Para que se conscientizem... da existência do demônio.


O editorial de Hispanidad.com correspondente à edição de segunda-feira 30 de setembro de 2004 é longo, mas garanto que vale a pena. É uma descrição, em primeira pessoa, de uma cerimônia de exorcismo celebrada em uma capela de Alcalá de Henares (Madri), e cujo objetivo era libertar uma jovem possessa por um demônio.

Nessa sessão, de duas horas e meia de duração, estiveram presentes o diretor de Opinião de Hispanidad, Javier Paredes, e Luis Losada, que é o narrador. Outra sessão anterior, narrada pelo diretor de Religião do jornal El Mundo, José Manuel Vidal, e pelo responsável dessa mesma seção na agência EFE, provocou uma grande revolução. A sessão foi contada em El Mundo, e Vidal concluía dizendo que o que ele viu "não era uma montagem". De imediatamente, a reação de muitos (por exemplo, a de alguns leitores de El Mundo) foi a mesma: Como é possível que um jornal sério conte estas coisas? Isso sim, ao que parece, ninguém se preocupou em adotar a atitude mais científica de todas: comprovar os fatos. Neste caso, como em qualquer outro descobrimento ou testemunho humano, cabem três atitudes: ou alguém enganou as testemunhas do exorcismo, ou as testemunhas enganam, ou é verdade que os demônios existem e que podem possuir o corpo de outro espírito, porque os seres humanos não são mais que um anfíbio de corpo e espírito.

Entretanto, vejam por onde, muitos decidiram, sem comprovar cientificamente, que o narrado é falso. Porque não estão dispostos a aceitar a existência de demônios, ainda que os fatos lhes desmintam.
Animo-lhes a ler o testemunho de Luis Losada, ratificado por Javier Paredes, sem preconceitos. De suas conclusões o relato pode depender tudo ou nada, mas seguramente colocará à prova equanimidade. Aí vai:

============================================


"Volto de uma das sessões de exorcismo realizadas pelo padre Fortea. Escrevo impressionado. Os gritos de Zabulón, e as orações do sacerdote e da mãe da possessa, ainda martelavam em minha consciência. Creio no "Não prevalecerão”, mas tenho medo. Se pudesse dar meia volta, o faria, sem dúvida alguma, e não teria ido a esta sessão. Minha alma está inquieta após o brutal encontro com o demônio. Mas tenho que escrever o que vi, porque Deus permitiu que o demônio Zabulón se apoderasse do corpo de Marta (nome fictício) "para que se conscientizem" da existência do demônio. Essa é uma das respostas que Zabulón deu ao exorcista quando lhe perguntou por que não saía desse corpo. Por isso, Maria (nome igualmente fictício), a mãe de Marta, me pediu, ao nos despedirmos, que contássemos a todo o mundo, para que, o quanto antes, se produza a libertação de sua filha.


-"Padre, podemos contar algo do que vimos?"
-Podem contar o que quiserem. As obras da luz não têm medo da luz, as obras das trevas buscam as trevas.

Sem dúvida, algum sentido deve ter minha presença nesse exorcismo, que, com o passar do tempo, acabarei descobrindo. Entretanto, só posso manifestar motivações rasteiras. A inquietude jornalística, a curiosidade e sem dúvida a ingenuidade e a falta de consciência me fizeram aceitar a oferta de meu amigo e companheiro de Rádio Intereconomia, Javier Paredes, para acompanhá-lo a uma sessão de exorcismo. Sem preparação psicológica, pego o carro rumo a paróquia madrilena onde o Pe. Fortea celebrará a décima sétima sessão do exorcismo de Marta.

Marta é uma menina jovem, de aparência doce, que vai com uma mistura de medo e esperança à sessão, com o objetivo de que o "pesadelo" desapareça. Ao terminar "tudo" nos confessará estar cansada, embora se sinta incapaz de lembrar o que vivemos durante mais de duas longas e intermináveis horas. Maria, sua mãe, é baixa, magra, miúda... Está consumida, triturada, mas é forte, agüentou todo o exorcismo de joelhos junto de sua filha.

Sem longas conversações nem preparação alguma, o Pe. Fortea nos faz sentar em um banco da capela. Não há mais ninguém. Apenas duas indicações: desligar os celulares e permissão para abandonar a sessão quando quisermos. Não é uma grande bagagem para assistir ao mais impactante que uma pessoa jamais poderá assistir. Sem preâmbulos, Marta se deita no colchonete que, previamente, ajudou a colocar. Sua mãe se ajoelha a seu lado. Javier e eu permanecemos no banco em uma atitude discreta, com expectativa... e acovardados.

O Pe. Fortea se ajoelha e reza em silêncio durante alguns minutos. Depois se senta no colchonete diante da cabeça de Marta. Coloca a mão em cima da cabeça e começa a invocar a Deus. Apenas ao pronunciar seu nome o corpo de Marta sofre um espasmo, suas pupilas se ocultam e seus olhos permanecerão em branco durante toda a sessão. Depois, invoca São Jorge e Marta volta a convulsionar em meio a gritos assustadores.

O que vivemos Javier e eu durante duas horas e meia foi uma prolongação deste início, em um estado de tensão que ainda continua a oprimir minha alma. São duas e meia da manhã. Passaram mais de doze horas da finalização do exorcismo. Continuo tenso e sem paz. Mas rezo. Por Marta e por sua mãe. Mas também por todas as testemunhas que passaram por essa capela onde Zabulón fez-se palpavelmente presente.

Em um dado momento, o sacerdote ordena ao demônio:

-Em nome de Jesus Cristo, sai da menina!

-Não! -responde a voz de além-túmulo que sai do corpo de Marta. Não é a voz de Marta, é uma voz rouca, forte e carregada de ódio. Há ódio em todas as respostas de Zabulón. Até um simples sim ou não, é pronunciado com ódio. Dá para sentir.

-"Por meu poder sacerdotal, ordeno que saia dessa mulher", prossegue o padre Fortea.

-¡Aggghh! -responde Zabulón, em meio a espasmos, convulsões e gritos. Marta se retorce. Deitada, move-se com uma elasticidade estranha. Se não fosse pelo colchonete, sofreria graves lesões... Depois, sabe-se lá porque, de ter estado gritando, muito forte, durante mais de duas horas, quando nos despedimos não sentimos em Marta o menos sinal de rouquidão.

O exorcista ordena a Zabulón, uma e outra vez, que abandone esse corpo, mas o demônio resiste. Para pressioná-lo, o Pe. Fortea recordava a Zabulón que estava fazendo muito bem, porque, através dele, muitos creriam em sua existência. Marta –ou o que vive dentro dela- se retorcia com violência. Então, o Pe. Fortea voltava ao ataque lembrando ao demônio que o esperava a condenação eterna, que não tinha nada a fazer. Zabulón grunhia desesperadamente.

Posteriormente, o Pe Fortea "armou-se" de uma estampa da Virgem de Fátima e uma cruz, com a estampa em punho insistiu a Zabulon a que a beijasse.

-¡Aggggghh! Nãããooooo! –respondia a voz de além-tumba que saída do feminino e adolescente corpo de Marta.

-Em nome de Jesus Cristo, eu te ordeno, beije esta estampa -insistia o exorcista.

-Não quero! -respondia Zabulón, entre espasmos, gritos e convulsões do corpo de Marta.

O Pe. Fortea faz uma pequena pausa e pede a São Jorge que o ajude. Com o nome de São Jorge, Marta se revolve. Dentre todas as invocações aos anjos e aos santos, a de São Jorge, para este demônio em concreto, é a mais eficaz. Pronunciar seu nome produz um efeito imediato. Com os espasmos e alaridos da menina, sinto lástima por Marta, mas vejo sua mãe, que com gesto sereno, aprova o cerimonial. Porque não é Marta que se retorce, é Zabulón quem o exorcista está martirizando.

-Sabe que o terás que fazer mais cedo ou mais tarde. Eu te ordeno: sai!

-Nãããoggghhh! -responde Zabulón.

-Muito bem, tu assim o quiseste -responde o Pe. Fortea- vou jogar água benta...

-¡Aggg! -Zabulón se retorce com a idéia de ser salpicado por água benta. O corpo de Marta atira-se com as gotas que caem da água que o exorcista derrama.

Javier e eu continuamos sentados. Ele tem um terço entre suas mãos. De volta, no carro, disse-me que durante as duas horas esteve passando as contas, rezando Ave Marias e jaculatórias, pedindo por Marta... e para que não acontecesse nada conosco.
Permaneço imóvel, tratando de passar despercebido. Acredito que Javier pensa o mesmo. Temos um demônio diante de nossos narizes em plena "exibição” de seu poder, ódio e fúria. Estou assustado.

Continuo temeroso. Em um momento, Marta atira um dos terços de sua mãe. Eu o pego e já não o soltarei durante toda a sessão. Durante toda a sessão, apenas em uma ocasião Marta girou um pouco o pescoço e nos olhou de relance, com seus olhos em branco, mas em nenhum momento nos olhou de frente, graças a Deus não o fez nunca.. Parecia como se tivesse uma barreira entre nós e ela. Era uma barreira muito fina, invisível e frágil, mas eu temia que pudesse se romper a qualquer momento. Felizmente, durante as duas horas e meia da sessão não nos olhou de frente.
O exorcismo continua. Em um dado momento, o Pe Fortea sai para descansar, rezando uma parte da liturgia das horas. Não poderia rezar em outro momento?, penso comigo mesmo.

-Em nome de Jesus, beija o crucifixo!

-¡Aggg!, -geme Zabulón.

A mãe de Marta se dirige diretamente ao demônio e lhe diz: "Eu sou apenas uma criatura, mas amo ao Senhor, e em seu nome te digo, beija o crucifixo".

-Não, -diz Zabulón, ameaçando a mãe com as mãos de Marta em forma de garras.

-Não te atrevas a me fazer nada! Para trás!

As mãos de Marta transformadas em garras continuam com seu acosso sobre a mãe:

-Para trás!

Então a mão se transforma em um chifre disposto a arrancar os olhos da sofredora mãe, forçadamente metida a exorcista.

-Disse que não te atrevas a fazer nada a esta criatura de Deus, em nome do arcanjo São Gabriel, de São Jorge e de todos os santos.
O Pe. Fortea cala diante desta intervenção a mãe e continua rezando em silêncio, consciente de que o amor de um mãe, pode ser uma das forças mais poderosas deste mundo. A imprecação da mãe ao demônio continua durante um tempo, que para mim é eterno. Ela lhe ordena que se incorpore. Após várias negativas, finalmente o faz.
Uma vez sentada, a mãe lhe exige que incline sua cabeça diante da estampa da Virgem. Neste momento o pescoço de Marta, em um golpe seco, se estira para trás até limites impensáveis.

-Não -responde o discípulo de Satanás pela boca de Marta.
É impressionante ver o pescoço e a cabeça para trás, em atitude e postura soberbas, teimando em não dobrar a cabeça diante da imagem da Virgem. A mãe, insiste, e Zabulón responde com o mesmo dom desafiante.

Mas a mãe não se rende. Finalmente, em meio de espasmos e gritos, o pescoço começa a ceder até tocar o peito com o queixo. Um processo duro, que não se faz sem a resistência de Zabulón, que se nega a prestar reverência à Virgem. Entretanto a possessa fechou os olhos para não contemplar a imagem, enquanto inclinava a cabeça. E Maria lhe ordena que os abra. Abre, mas a expressão é espantosa, os olhos estão totalmente brancos, mas mais espantoso é o olhar odioso, dirigida como um dardo à imagem da Virgem Maria.

O exorcista toma a iniciativa. Ordena ao demônio: "Beija o crucifixo": Nãããoooo! Quando a sessão parecia que não avançava, nem para frente nem para trás, Zabulón, mudo, faz com mão o sinal de "querer escrever".

Imediatamente, o Pe. Fortea vai até a sacristia e busca papel e caneta. Não parece encontrá-lo e eu estou a ponto de oferecer minha caneta e meu caderno. Não o faço por medo de me aproximar e por meu apego material à minha caneta de marca. Felizmente, o sacerdote encontra os materiais para a escritura: um bloco grande que mãe coloca em seu colo, e sobre o bloco coloca uma folha. A caneta não funciona e é substituída por um lápiz. Marta esta agora deitada de barriga para cima, com a cabeça para trás e estira o braço para alcançara folha. Nesta postura é impossível que possa ver sua própria mão escrevendo. A toda velocidade e, é claro, sem olhar o papel, a mão de Marta começa a se deslizar sobre o papel. Se os gritos e a voz rouca fazem sentir a presença de Zabulón, agora, enquanto escreve, dá para senti-lo mais perto. Javier e eu não entendíamos bem o que estava acontecendo. Só ouvíamos as perguntas do exorcista, mas não víamos as respostas escritas. Quando acabou o exorcismo, Fortea entregou as duas folhas Javier, que obram em seu poder. De volta para casa, ambos tratamos de reconstruir a cena. Foi então que Javier me fez notar que as letras não estavam embaralhadas: a escritura era claríssima e os acentos estavam colocados perfeitamente sobre a letra correspondente. Os caracteres eram os próprios da letra impressa, não da escritura manual. O diálogo oral-escrito, no qual o padre Fortea pergunta e Zabulón responde escrevendo através da mão de Marta, diz o seguinte:

-Queria desesperar-lhes porque tinha reforços.

Com essa frase escrita, Zabulón explica o estancamento do exorcismo que havia ocorrido durante a primeira hora.

-Que reforços, quem veio? -pergunta o exorcista.

-Satã -responde Zabulón-, mas já foi embora. E, em seguida, e sem perguntar nada, volta a escrever: "Falta 1 pessoa". E destaca o "1" várias vezes.

-Que pessoa?

Com esta pergunta, a mão solta o lápis e Marta fecha fortemente os lábios. Zabulón não quer responder.

-Dai-me um sinal para que eu saiba quem é -insiste o exorcista, mas os lábios da endemoniada permanecem selados.

Neste ponto já estamos esgotados, haviam passado quase duas horas. Não respiramos durante toda a sessão e mantivemos um estado de tensão e medo como jamais atravessei em minha vida. O exorcista continua tratando de que Zabulón beije o crucifixo, reconheça seu Rei, etc, com pouco sucesso. Então chega um dos momentos para mim mais impactantes. O sacerdote muda de postura e, sem querer, dá um chute em uma vasilha de água benta, que se derrama por toda a capela. Escuto uma risada surda e odiosa do além. Zabulón se regozija do erro do Pe Fortea. Estremeço.

O exorcista não parece dar nenhuma importância. Estou impressionado. Nada lhe importa, nada lhe impressiona. Tudo é normal. Eu estou quase subindo pelas paredes... Então, o sacerdote decide dar a comunhão à possessa. Veste a estola, vai ao Sacrário e se coloca aos pés da endemoniada. Toma uma sagrada forma e a levanta no alto. A endemoniada, estendida no chão, de barriga para cima, muda a expressão de seu rosto, é todo um terror e começa a se arrastar para trás, para afastar-se o mais possível do sacerdote.

Rasteja de barriga para cima com os mesmos movimentos de um lagarto. Então, em nome de Cristo, presente na hóstia, o sacerdote ordena que se ajoelhe dizendo-lhe: "Perante o nome de Cristo, todo joelho se dobre". Zabulón-Marta, após uma certa resistência, se ajoelha. Javier e eu, desde que o Sacrário foi aberto, caímos de joelhos e vamos permanecer assim até que volte a introduzir o copão no Sacrário.

-Ao final, deveríamos estar agradecidos, -diz o Pe Fortea-, graças a ti, muitos crerão nos demônios. Percebes como tu também servir a Deus? -Nããoooo! -responde abertamente Zabulón.

-Olha o Rei e Senhor, -ordena o exorcista com a hóstia na mão.
O alarido gutural do demônio se faz mais estrondoso:

-Aggg! Nãããooo!

O Padre Fortea insiste e, após várias tentativas, Zabulón tem que obedecer e abre a boca. A hóstia permanece na língua de Marta, que mantém a boca aberta durante vários minutos. Nega-se a engolir. Enquanto isso, Zabulón emite gritos, e o corpo de Marta convulsiona.

Ao terminar tudo, Javier e eu sentimos o mesmo temor de que Zabulón cuspisse a sagrada comunhão. Mas, nesse momento do exorcismo, o demônio, esgotado, já não pode mais que obedecer as ordens do sacerdote. Passados alguns minutos, e após as ordens, tanto do exorcista como da mãe, para que engolisse a forma, a hóstia entrou no corpo de Marta.

Então ocorreu a maior das convulsões de toda a sessão. Gritos, alaridos, gemidos, garras, movimentos acelerados do corpo. Vários minutos de máxima tensão. Não sabia onde me enfiar. Só de recordar me dá pânico. O Pe Fortea, permanece impassível. Prossegue o exorcismo pronunciando palavras que não entendo. Não é espanhol, nem latim, o idioma utilizado em várias das exortações da sessão. Ao terminar, pergunto-lhe: "Não posso te dizer agora, mas te direi mais tarde". Não entendo a resposta. Na realidade, não entendo nada...

Tampouco o exorcista entende o idioma em que Zabulón fala. O espírito maligno repete com insistência uma expressão estranha. O exorcista acredita que se trata de várias palavras que podem ter algum significado. Mas se trata de uma língua estranhíssima.
Quase ao final da sessão, o sacerdote lembra o que foi escrito no papel: "Falta 1 pessoa". Supõe-se que uma terceira testemunha, e lhe ordena que diga a identidade. Todo esforço inútil, assim que, como "castigo" lhe ordena que beije o sacrário. Marta se incorpora com a ajuda do exorcista e de sua mãe. Caminham e, antes de chegar ao Sacrário, passam diante de uma imagem gótica da Virgem Maria:

-Beija os pés que hão de esmagar tua cabeça –lhe ordena Fortea. E a endemoniada, após emitir uns sons que sugerem asco e repugnância, diante da imagem da Virgem –sons emitidos ao longo do exorcismo antes de beijar as imagens e o crucifixo- beija os pés da imagem. Javier e eu permanecemos em nosso lugar, enquanto a possessa e o exorcista se dirigem ao Sacrário. Após muita insistência, Zabulón pronuncia um nome que para o exorcista é muito claro e que eu, apesar de estar a apenas 5 metros, não escuto com clareza. Ao que parece, trata-se de uma pessoa conhecida que permitiria cumprir o objetivo verbalizado em sessões anteriores: "Que se conscientizem"... da existência dos demônios.

O exorcista se dá por satisfeito com o nome, pois é o nome de uma pessoa que tinha pensado em convidar, vários dias antes de começar a sessão. Embora o demônio continue dentro, decide terminar a sessão. Deita Marta no colchonete e não faz mais nada. Apenas recolhe o "material"; água benta, breviário, Bíblia, crucifixo, terço, etc. De repente, Marta abandona a crise. Recupera seus olhos e seu sorriso tímido. Não se lembra de nada. Apenas tem a sensação de ter saído de um pesadelo, mas não lembra de mais nada.

Não é capaz de explicar nem mesmo como entra em "crise". Pergunto-lhe se é quando uma pessoa está anestesiada para uma operação e me responde que não. Ainda não entendo. Ela sabia que iam "acontecer coisas". Antes da sessão tirou cuidadosamente os brincos e os sapatos. Deitou-se “religiosamente” no colchonete e se submeteu ao "tratamento" do sacerdote.

Mais surpreendente é que Maria se encontre em graça de Deus e vai todo o domingo à celebração eucarística. Como é possível que em uma mesma pessoa habite a graça santificante e o demônio? Ainda não tenho resposta. Não tenho resposta para muitas coisas... Só sei que o que você lê, eu vi com meus olhos descrentes e mórbidos. Para que se conscientizem da existência dos demônios?

Não entendo de psiquiatria nem de teologia. Simplesmente dou testemunho do que vi, e como observador da realidade, certifico que o que aqui está escrito é verdade. Espero que para o bem do leitor, de Marta, de sua mãe e de quantas testemunhas passamos por essa capela. Que assim seja."

Luis Losada. Economista e jornalista
Testemunho ratificado por Javier Paredes, historiador e jornalista, diretor de opinião de Hispanidad.com
Fonte: (ACI digital)
Gentileza Thomas


www.recados.aarao.nom.br



Ajude a manter este site no ar. Para doar clique AQUI!

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!

Lenço Branco de N. Senhora
Saiba o que é, como fazer e as orações necessárias.
Óleo de São Rafael e Santa Filomena
Saiba mais sobre este santo remédio em tempos difícies
As 15 Orações de Santa Brígida
As promessas de Jesus para a alma que rezar estas orações.
Jesus eu Confio em vós
Nada negarei a alma que às 3 hs da tarde recitar minhas orações
Devoção às Gotas de Sangue de Cristo
Será livrado das penas do Purgatório.
Para os irmãos protestantes
Foi no colo de uma mulher que Deus colocou toda esperança do mundo



Total Visitas Únicas: 8.695.308
Visitas Únicas Hoje: 1.174
Usuários Online: 252