Espacojames


Página Inicial
Listar Destaque




Artigo N.º 15619 - Um pecado que passa pela porta dos fundos
Artigo visto 351 vezes




Visto: 351
Postado em: 21/12/19 às 00:30:29 por: James
Categoria: Destaque
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=41&id=15619
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Destaque

Piadistas blasfemos têm tudo a perder, principalmente a eternidade

A Primeira Tentação de Cristo, o infame “Especial de Natal” produzido este ano pelo canal de “humor” Porta dos Fundos em parceria com a Netflix, e no qual Nosso Senhor Jesus Cristo é retratado como homossexual, é ocasião oportuníssima para falarmos de um destes pecados esquecidos em nossa época, que passam pela “porta dos fundos” da vida de muita gente e quase nunca são enfrentados com a devida energia: trata-se da irreverência com o nome de Deus.

O fato de uma produção igualmente ofensiva, de mesma autoria, ter sido indicada ao prêmio de melhor comédia no Emmy 2018 (e ter ganhado) nos diz ainda mais: zombar da religião cristã não só se tornou comum, mas também motivo de reconhecimento e “merecidos” aplausos. A blasfêmia não só está na moda como há todo um aparato cultural para incentivá-la e servir-lhe de apoio.

A aposta dos blasfemos

Mas em que consiste mesmo esse pecado? O Catecismo da Igreja Católica (n. 2148) ensina que:

A blasfêmia opõe-se diretamente ao segundo mandamento. Ela consiste em proferir contra Deus — interior ou exteriormente — palavras de ódio, de ofensa, de desafio, em falar mal de Deus, faltar-lhe deliberadamente com o respeito ao abusar do nome de Deus. São Tiago reprova “os que blasfemam contra o nome sublime (de Jesus) que foi invocado sobre eles” (Tg 2, 7). A proibição da blasfêmia se estende às palavras contra a Igreja de Cristo, os santos, as coisas sagradas. […] A blasfêmia é contrária ao respeito devido a Deus e a seu santo nome. É em si um pecado grave.

O Pe. Antonio Royo Marín entra em mais detalhes em seu livro Teología moral para seglares (v. 1, n. 409), dividindo a blasfêmia em distintas espécies. No caso em questão, a irreverência de Porta dos Fundos poderia caracterizar-se muito bem como uma blasfêmia imediata, porque “vai diretamente contra Deus ou seus divinos atributos”, de obra, já que se trata de uma atuação artística antirreligiosa, e sobretudo diabólica, porque “tem a expressa intenção de injuriar a Deus” em si mesmo.

É claro que os diretores, produtores e atores dessa peça de evidente mau gosto contam com uma, digamos, “variável ateia”: pensam que nem Deus nem o diabo existem e, por isso, tudo o que estão fazendo não passa de simples “brincadeira”, destinada a ofender e ridicularizar apenas as pessoas que, sim, acreditam em Deus.

Mas, tomando emprestada a ideia de Blaise Pascal, essa é uma aposta que tem tudo para dar errado. De fato, se Deus não existisse, os porteiros-dos-fundos deveriam ganhar seu dinheiro de forma honesta, fazendo inclusive boa comédia [1], sem ultrajar a religião de milhões de brasileiros, ainda que não concordem com ela (será que eles seriam capazes de fazer isso?). Agora, se o Deus cristão de quem zombam realmente existe — como demonstra não só a Revelação divina, mas a própria razão natural —, então os piadistas blasfemos têm tudo a perder, principalmente a eternidade.

Que conste em nosso Código Penal um artigo tipificando o crime de ultraje a culto(art. 208), é um resquício, ainda que muito distante, desse pensamento que leva em conta o eterno, e não apenas o meramente material. É por isso que, no Brasil, ainda é crime “vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso”. Nem todo pecado deve, é verdade e a Igreja tem consciência disso, ser criminalizado, mas o desprezo explícito ao sagrado não pode, definitivamente, ficar impune. Por isso, os cristãos têm razão mais do que suficiente em procurar os meios legais a fim de reparar essa ofensa, que agride os sentimentos, não só religiosos, mas também culturais de boa parte do nosso povo.

Agora, que ateus e anticlericais zombem do nome de Deus, no fundo, não nos deveria impressionar tanto. Que em seu coração eles nutram ódio e desprezo por Alguém em quem nem sequer acreditam, é até, por assim dizer, compreensível. Afinal, quem é para eles Jesus Cristo senão um estraga-prazeres? E que são para eles os dogmas da fé, os Mandamentos, os sacramentos da Igreja, os símbolos cristãos, a vida dos santos todos, enfim, senão um apelo incômodo a suas consciências, um lembrete de que, por mais que tentem se enganar, os homens não podem viver como quiserem, mas devem arcar, já nesta vida, com as consequências inevitáveis de seus atos

O conhecido filósofo Friedrich Nietzsche, por exemplo, podia até tentar anular seu inferno decretando a “morte de Deus”, mas, mais tarde, a verdade fatalmente lhe viria à tona, ainda que em forma de sífilis. O homem que num ato de sinceridade extrema escreveu: “Se houvesse deuses, como poderia eu suportar não ser um deus?”, no fim da vida depararia com a verdade que ele por tanto tempo procurou sufocar: não somos nós que decidimos como as coisas são ou deixam de ser, não é o homem o autor do bem e do mal; nós existimos por causa de Outro, e a Ele devemos obediência.

A irreverência dos católicos
Voltemos, porém, ao fio da meada e tiremos uma lição bem concreta do caso. Mais trágico e dramático que a blasfêmia dos descrentes é que nós, católicos, também façamos tão pouco caso do santíssimo nome de Deus. Sim, nós mesmos, que fomos batizados, vamos à Missa todos os domingos e talvez até tenhamos uma vida espiritual: como temos tratado o nome do Deus em quem dizemos crer?

Leia também: A lógica do comediante e o escândalo de Natal

Menos grave do que a blasfêmia, mas muito mais comum do que ela, está o pecado de “proferir sem motivo algum ou sem a devida reverência o nome santo de Deus”. O Pe. Royo Marín (op. cit., n. 405-407) explica que:

Em si, esse emprego vão do nome santo de Deus é pecado (cf. Eclo 23, 9-11), ainda que não costume passar de venial, por tratar-se de uma irreverência leve. Mas poderia ser mortal se o emprego dessas fórmulas irreverentes fosse expressão de desprezo de Deus (pecado gravíssimo) ou de ira contra Ele (v.gr., pelos castigos divinos), ou fosse motivo de escândalo para os demais (v.gr., de irritá-los fazendo-os blasfemar etc.).

Nessa matéria, os católicos precisamos fazer um grande exame de consciência e um mea culpa: tomar cuidado, antes de tudo, com a nossa própria língua, pois muitas vezes, por impaciência, por admiração e até por rotina, nos acostumamos a proferir o nome de Deus de qualquer modo.

Mas não só isso. A mania do brasileiro de fazer troça de tudo precisa ter limites. (Sim, nessa matéria “a zoeira tem limites”, precisa tê-los.) Uma imagem muito ilustrativa do que muitos têm feito com as coisas santas está nas obras sacras que retratam o escarnecimento de Cristo. Retratos muito expressivos desse episódio da vida de Nosso Senhor foram pintados por Gerard van Honthorst, Trophime Bigot e Hendrick Terbrugghen. Procurem essas obras de arte no Google e reparem todos se os rostos de zombaria ao redor de Nosso Senhor não poderiam muito bem ser os nossos, quando nos divertimos com as piadas que vemos (e fazemos) das coisas santas; com os memes e figurinhas de WhatsApp que muitos (católicos!) compartilhamos com imagens de Jesus Cristo, de Nossa Senhora e dos santos.

Ora, nós realmente cremos em tudo o que está no Credo? Cremos em Jesus Cristo, que virá a julgar a vivos e mortos? Se sim, por que insistimos em achar graça justamente do que ofende a Nosso Senhor? Por que até mesmo as coisas que realmente precisam ser levadas a sério são tratadas por nós com irreverência e “gracinhas”? Seremos um povo incapaz de cultivar um mínimo que seja de temor a Deus?

Um bom modo de começar é procurando cultivar um respeito básico pelas pessoas ao nosso redor. Afinal, se não respeitarmos o próximo [2], a quem vemos, como conseguiremos respeitar a Deus, a quem não vemos (cf. 1Jo 4, 20)?

Outra prática muito salutar nesse sentido é fazer alguma espécie de reverência, nem que seja interna, sempre que ouvirmos ao nosso redor o nome de Deus (e também quando o proferirmos sem muita reflexão). A liturgia católica tradicional nos insere nessa pedagogia ao prescrever que os fiéis se inclinem sempre que forem mencionados os nomes de Jesus e de Maria; quando manda que nos ajoelhemos diante do mistério da Encarnação, na oração do Credo e na proclamação do prólogo de São João, no fim das Missas; e também quando celebra festas como a do Santíssimo Nome de Jesus (no domingo entre a Oitava do Natal e a Epifania, ou no dia 2 de janeiro) e de Maria (em 12 de setembro).

Seremos um povo incapaz de cultivar um mínimo que seja de temor a Deus?
Todos esses são cuidados de amor que precisamos aprender a cultivar, sob pena de nos transformarmos justamente naquilo que tanto repudiamos no mundo. Evidentemente, ninguém está equiparando a blasfêmia diabólica do Porta dos Fundos às irreverências (em grande parte irrefletidas) dos que crêem. Ao contrário dos protestantes, nós sabemos bem que existem graus de gravidade nos pecados. Mas também não podemos dar de ombros para essas “pequenas” coisas, quando elas têm como alvo um Deus tão grande.

Façamos, portanto, a nossa lição de casa. Se queremos que o mundo respeite Nosso Senhor, se queremos que Ele reine não só nos corações, mas também nos lares, nos meios de comunicação, nos governos e no espaço público como um todo, sejamos nós os primeiros a honrá-lo de todo coração, a começar pela boca.

Notas

1 Diz o Aquinate: “O divertimento (ludus) é necessário à vida humana. Ora, para tudo o que é útil à existência podem ser instituídos alguns ofícios honestos, entre os quais também o ofício dos comediantes. Destinada a distrair as pessoas, essa profissão nada tem, em si, de ilícito, nem vivem em pecado os comediantes, desde que atuem com moderação, ou seja, não usando palavras nem cometendo ações ilícitas, nem levando na brincadeira assuntos e situações inadequadas para isso. E, embora na sociedade não desempenhem outro ofício em comparação com os outros homens, contudo, no que diz respeito a eles próprios e a Deus, realizam também outras atividades sérias e virtuosas, quando, por exemplo, oram, quando tratam de conciliar suas paixões e atividades e também quando dão às vezes alguma esmola aos pobres. Por isso, os que razoavelmente os subsidiam não pecam, mas procedem com justiça, recompensando-lhes o serviço. No entanto, os que superfluamente despendem os seus bens com tais pessoas ou sustentam profissionais afeitos a divertimentos ilícitos, cometem pecado, porque, na prática, os estimulam a pecar” (S. Tomás de Aquino, STh II-II 168, 3 ad 3).

2 Sem falar que a zombaria das outras pessoas é também um pecado especial, que pode tornar-se inclusive mortal, segundo S. Tomás de Aquino (cf. STh II-II 75, 2 c.).


Fonte: www.aleteia.org





LEIA TAMBÉM
Técnicas muito simples para conduzir as crianças à vida de oração
A adoração dos Reis Magos, segundo os mestres do Renascimento
No Iraque, a Igreja ajuda a reconstruir a vida dos cristãos afetados pela guerra civil
A incrível visão de Santa Faustina com o Menino Jesus em seus braços
O desrespeito do Porta dos Fundos, o escárnio da fé e a apologética
Domingo Espetacular: Filme do Porta dos Fundos causa polêmica ao ridicularizar personagens bíblicos
Netflix é convidada a se explicar na Câmara por filme do Porta dos Fundos
Jogo inspirado na Bíblia causa polêmica ao permitir que usuário seja Jesus
Dúvidas religiosas estão entre os assuntos mais pesquisados no Google em 2019



 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 7.997.740
Visitas Únicas Hoje: 839
Usuários Online: 202