Espacojames


Página Inicial
Listar Destaque




Artigo N.º 15566 - Deus, a religião e a Igreja Católica
Artigo visto 349 vezes




Visto: 349
Postado em: 20/11/19 às 22:51:28 por: James
Categoria: Destaque
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=41&id=15566
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Destaque

No que toca a Deus, três grandes correntes buscam apresentá-Lo de formas diversas

Há, em nossos dias como também já houve em outros momentos da história, duas ideias divergentes: “Só Deus basta, a religião não importa” ou, em contrário, “Ter uma religião basta, não importa como Deus é por ela entendido”. Este artigo pretende, de modo breve, mas esclarecedor, abordar a temática em foco.
No que toca a Deus, três grandes correntes buscam apresentá-Lo de formas diversas: o politeísmo, o panteísmo e o monoteísmo. As duas primeiras escolas são, de início, descartáveis, e a terceira aceita tanto pela razão quanto pela fé esclarecida.

Sim, o politeísmo, como o próprio nome diz, supõe vários deuses. É uma forma antiga e arcaica de religião ligada à mitologia, pois a própria razão sem a fé nos ensina ser impossível a existência de dois deuses todo-poderosos, ambos se anulariam e nenhum dos dois seria Deus. O panteísmo ensina que tudo (pan) é Deus (Theos), ou seja, as criaturas racionais e irracionais são partes do Criador. Também essa forma de conceber a Deus não resiste à sã razão. O Senhor é, por definição filosófica, perfeito, absoluto e eterno, ao passo que as criaturas são imperfeitas, temporais (têm começo e fim) e relativas.

Resta, pois, o monoteísmo: há um só Deus distinto de suas criaturas, conforme atestam as descobertas feitas entre povos primitivos e a revelação divina ao patriarca Abraão, no século 19 a. C. Ora, são três as religiões monoteístas da humanidade: o Judaísmo, que ainda vive a expectativa do Messias, que já veio. Daí o Cristianismo. E, por fim, o Islamismo que junta elementos judaicos e cristãos com artigos de fé de antigas religiões árabes. Desse modo, nos toca, por coerência, escolher o Cristianismo. Ele tem, no entanto, vários segmentos (católico romano, católicos ortodoxos, protestantes…), mas a Igreja que, de modo ininterrupto, vem de Cristo até nós é a Católica Apostólica Romana: o Senhor Jesus fundou-a e confiou-a a Pedro – o primeiro Papa – e aos seus sucessores, chamando-a de “minha Igreja” (cf. Mt 28,20).

Dito isso, resta-nos examinar o termo religião. Ele se prende ao verbo latino religo, religare e trata da ligação do ser humano com Deus, por meio de três principais elementos: um Credo, um Culto sagrado e um Código de Ética.

O Credo reúne as verdades da nossa fé, de modo a nos oferecer uma visão global de Deus, do mundo e do ser humano. O que cremos não é mero fruto de estudos pessoais ou acadêmicos, mas, sim, da Revelação divina. Creio porque Deus revelou e provou – com a coerência da mensagem, o cumprimento das profecias e a realização de milagres ser verdade (e não ilusão sem credenciais ou crendice) – o que professamos.

O Culto sagrado leva o homem e a mulher a se exprimirem, de modo filialmente dependente, diante de Deus por meio da oração pessoal ou comunitária. Ela, embora brote sempre do mais íntimo do ser humano, exprime-se também no físico (ajoelhar, erguer os braços, inclinar a cabeça etc.) e no social (em local apropriado, geralmente em um templo, com trajes típicos etc.).

A Ética que inspira o comportamento humano à luz do Evangelho, por isso existe uma disciplina chamada Teologia Moral. São os costumes humanos vistos à luz de Cristo Jesus em Seu Evangelho. Além da Tradição Oral, transmitida ao longo dos séculos e da Tradição Escrita (a Bíblia), interpretadas pelo Magistério da Igreja, temos também a Lei natural moral (presente como a marca do Criador na criatura em toda consciência sadia). A Igreja é guardiã dessa Lei que muito ajuda a guiar o comportamento humano em geral.

Opõe-se à sua fé ou dá forte contra testemunho aquele que se diz católico, porém contesta a Igreja com ideias mais ou menos assim: sou católico, mas… defendo o aborto; sou católico, mas… penso que a Igreja não deve falar em ética na política; sou católico, mas… não vou à Missa; sou católico, mas… não me confesso; sou católico, mas… Dito isso, resta-nos questionar: como alguém pode se dizer católico e opor tantas objeções à Igreja?

O fiel sente com a Igreja, em todas as áreas de sua vida e não em oposição a Ela, por isso não é fácil ser verdadeiro católico nos nossos tempos relativistas nos quais se deseja que a verdade adapte-se ao homem, não o contrário.


Fonte: www.aleteia.org





LEIA TAMBÉM
A estátua mais alta de Jesus está na Polônia
Aparições da Virgem Maria: Menos de 20 aparições já foram reconhecidas, veja algun casos aprovados
Morreu e ressuscitou, entrevista completa com Marcos que, saiba quem é o cristiano!
Homem ressuscitou após encontrar com Jesus e volta em prantos para contar como Deus é lindo
Por que os católicos deveriam falar mais sobre a morte
Estado Islâmico mata padre e seu pai em emboscada: é a volta do pesadelo jihadista?
Perseguição religiosa no Chile, ondas de protestos atinge igreja local
Após 46 anos, vidente de Akita anuncia ter recebido nova revelação
Padre é morto em emboscada na Síria



 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 8.131.811
Visitas Únicas Hoje: 1.461
Usuários Online: 329