A Igreja é contra o impeachment?
Espacojames



Página Inicial
Listar Destaque




Artigo N.º 14291 - A Igreja é contra o impeachment?
Artigo visto 2304




Visto: 2304
Postado em: 12/05/16 às 16:48:43 por: James
Categoria: Destaque
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=41&id=14291
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Destaque


A Igreja católica tem sido “acusada” por alguns de ser contra o que outros a acusam, ao mesmo tempo, de favorecer

Ao longo dos últimos meses, assim como ao longo de todos os meses de todos os anos de todos os séculos, a Igreja católica tem sido “acusada” por alguns de ser contra o que outros a acusam, ao mesmo tempo, de favorecer.

No Brasil, a Igreja é acusada até hoje de ter sido a favor da implantação do comunismo ao mesmo tempo, nos mesmos locais e pelos mesmos motivos que outros a acusam de ter sido a favor da ditadura militar. Basicamente, cada grupo ideológico interpreta as coisas do jeito que quer, tira conclusões do jeito que prefere e sai afirmando categoricamente que a sua versão é a única verdadeira, sem se importar de modo intelectualmente honesto com aquilo que a Igreja disse ou fez na totalidade dos fatos.

A polêmica da vez, no país, tem sido o processo de impedimento de Dilma Rousseff.

Afinal, a Igreja é contra ou a favor?

Há setores e pessoas da Igreja claramente favoráveis ao impeachment e outros claramente contrários – assim como houve setores e pessoas da Igreja claramente favoráveis à implantação do comunismo e outros claramente favoráveis à ditadura militar. Ou assim como há setores e pessoas do mundo político, do mundo jurídico, do mundo acadêmico, do mundo artístico, do mundo esportivo e do mundo empresarial que são claramente contrários ou favoráveis a uma coisa ou à outra. Acontece que “setores e pessoas” representam uma parte, não uma totalidade. Portanto, a opinião de setores e pessoas da Igreja representa precisamente a opinião de setores e pessoas da Igreja, não a opinião da Igreja. Embora muita gente o negue a todo custo, existe na Igreja amplo espaço para a liberdade de consciência e de escolha em quaisquer assuntos de natureza contingente.

E que raio é isso? Contingente é tudo aquilo que é circunstancial, que é relativo a certo contexto, a certo espaço, a certo tempo. Pessoas e setores da Igreja podem opinar em assuntos contingentes, mas a Igreja, como instituição, não se manifesta de modo determinante a respeito deles porque as afirmações determinantes da Igreja são feitas em matéria de doutrina e de princípios morais, e não em matéria contingente.

Por exemplo: a Igreja afirma, de modo determinante, que a corrupção não apenas é crime, como também é pecado mortal – porque, além de contrariar diretamente o mandamento de não roubar, a corrupção também contraria uma infindável gama de preceitos e princípios morais ligados à justiça, à caridade, à temperança… No entanto, a Igreja não faz nenhuma afirmação determinante sobre o tipo de punição que deve ser aplicado a quem rouba. Ela se atém, mesmo nisto, aos princípios básicos de justiça, caridade, temperança, misericórdia, defendendo critérios morais, derivados do Evangelho de Cristo, que devem orientar as autoridades legitimamente estabelecidas a tomarem a decisão prática pertinente a tal punição (que deve ser voltada a regenerar o culpado e não apenas constituir uma “vingança” contra ele). Se a punição concreta pelo delido de roubo vai ser um período de reclusão, o pagamento de multa ou uma advertência por escrito é coisa que não cabe à Igreja determinar – embora ela possa e deva se manifestar caso uma determinada sentença das autoridades instituídas afronte a moral objetiva, seja por constituir abuso, seja por favorecer a impunidade.

Este é o caso, também, no processo de impedimento contra Dilma Rousseff. Não se trata de doutrina nem de um princípio moral em si mesmo. Trata-se de uma decisão concreta que cabe a instituições concretas da nação brasileira, legitimamente estabelecidas, as quais devem julgar acusações concretas, baseadas em fatos concretos, conforme os critérios concretos que foram definidos lícita e validamente por artigos concretos da legislação em vigor.

O que cabe à Igreja neste contexto? Cabe à Igreja pronunciar-se sobre os princípios morais que devem reger essa decisão das instituições brasileiras. E os princípios morais que a Igreja defende no tocante à justiça política e social estão descritos e explicados no Catecismo da Igreja Católica e na Doutrina Social da Igreja, além de aprofundados em uma vasta gama de documentos disponíveis no site oficial da Santa Sé – inclusive no seu idioma, caro leitor. Cabe aos setores e pessoas da Igreja – inclusive a você – conhecer essas diretrizes, que são muito claras.

O que não cabe à Igreja é tomar o lugar das autoridades laicas na decisão sobre assuntos contingentes, assim como não cabe às autoridades laicas tomar o lugar da Igreja em decisões sobre assuntos de doutrina e de moral.

“Ah, mas no caso do aborto a Igreja se intromete nas decisões das autoridades laicas!”.

Não, ela não se intromete, nem se trata de uma decisão que caiba apenas à autoridade laica: o aborto não é um assunto contingente porque consiste no assassinato de uma pessoa humana, o que é questão não só doutrinal, mas também, e obviamente, de moral objetiva, além de questão científica e não “sociológica”, como comumente se acha que seja. Logo, a Igreja tem o dever de se manifestar explicitamente, o que não é nem “intrometer-se” nem suplantar a autoridade laica.

Já um processo de impeachment presidencial é uma contingência do âmbito institucional de uma nação. Setores e pessoas da Igreja têm o direito de opinar livremente a título pessoal ou setorial – mas não de opinar institucionalmente em nome da Igreja, a quem cabe, reitere-se, apresentar os princípios morais que devem garantir o discernimento imparcial de cada um.

“Ah, mas que sem graça, eu queria que a Igreja dissesse ‘sim’ ou ‘não’, meu!”.

Pois que sem graça você: use você o seu discernimento, que para isso você conta com todas as orientações e diretrizes morais da Igreja. Dá trabalho, sim. Exige esforço, sim. Tem que estudar, sim. Tem que pensar, sim. Mas está tudo à sua disposição: vá atrás! É exatamente porque milhares de milhões de “católicos” não fazem o seu trabalho e o seu esforço de estudar e de pensar que o mundo chega, ano sim, ano também, a tantas situações deploráveis como a que gerou esta crise. Impeachment para a sua preguiça intelectual, católico!


Fonte: aleteia.org



Ajude a manter este site no ar. Para doar clique AQUI!

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!

Lenço Branco de N. Senhora
Saiba o que é, como fazer e as orações necessárias.
Óleo de São Rafael e Santa Filomena
Saiba mais sobre este santo remédio em tempos difícies
As 15 Orações de Santa Brígida
As promessas de Jesus para a alma que rezar estas orações.
Jesus eu Confio em vós
Nada negarei a alma que às 3 hs da tarde recitar minhas orações
Devoção às Gotas de Sangue de Cristo
Será livrado das penas do Purgatório.
Para os irmãos protestantes
Foi no colo de uma mulher que Deus colocou toda esperança do mundo



Total Visitas Únicas: 8.693.803
Visitas Únicas Hoje: 1.009
Usuários Online: 214