Espacojames


Página Inicial
Listar Destaque




Artigo N.º 12708 - A cultura laica está transformando a ideia de ‘casamento’ em algo completamente diferente do matrimônio cristão.
Artigo visto 1413 vezes




Visto: 1413
Postado em: 16/10/14 às 10:37:45 por: James
Categoria: Destaque
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=41&id=12708
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Destaque

Com os tribunais de vários países do Ocidente redefinindo o que pode ser entendido como “casamento” hoje em dia, será que estamos chegando a um ponto em que deveríamos simplesmente deixar de lado o uso dessa palavra?

É fato que, para muita gente no mundo laico, a palavra “casamento” mudou de significado. Quando a Igreja usa a palavra “casamento”, ela claramente não se refere à mesma coisa que um crescente número de países entende por esse termo.

O Catecismo da Igreja Católica define “casamento” (ou seja, o santo matrimônio) da seguinte forma:

“A aliança matrimonial, pela qual o homem e a mulher constituem entre si uma comunhão da vida toda, é ordenada por sua índole natural ao bem dos cônjuges e à geração e educação da prole, e foi elevada, entre os batizados, à dignidade de sacramento por Cristo Senhor” (Catecismo, 1601).

No entanto, as últimas decisões judiciais tomadas em inúmeros países indicam com clareza que, cada vez mais, a definição de casamento no mundo laico nem sequer se assemelha remotamente àquilo que o Catecismo descreve.

E esta não é a primeira redefinição do casamento que acontece no Ocidente. A redefinição vem ocorrendo em etapas.

Uma primeira e nítida etapa foi o começo da legislação em favor do divórcio. A lei já não defendia o que o Catecismo descreve como uma aliança para a vida toda: o casamento, indissolúvel nos ensinamentos que a Igreja preserva com base no Evangelho, foi redefinido como um contrato facilmente quebrável pela vontade dos cônjuges.

O dramático aumento no uso de contraceptivos e a forte queda nas taxas de natalidade, embora não sejam uma redefinição legal, acabam sendo, na prática, uma espécie de redefinição cultural do casamento, se o compararmos com o que é descrito no Catecismo. A procriação e a educação da prole fazem parte da própria natureza do matrimônio, mas a cultura ocidental passou a ver este aspecto como opcional por parte dos cônjuges. Aliás, tendo semeado ao vento e redefinindo não só o casamento, mas o próprio ato sexual, estamos agora colhendo o turbilhão, também, da profunda confusão sexual.

E a etapa mais recente desse processo de redefinição do casamento é o reconhecimento legal dos chamados “casamentos” homossexuais, o que completa a ruptura com a definição de casamento feita pelo Catecismo: uma aliança estabelecida entre si por um homem e por uma mulher.

O mundo laico foi excluindo, enfim, todos os aspectos daquilo que a Igreja entende por casamento. Não será hora, então, de aceitarmos este fato e começarmos a usar uma palavra diferente para deixar bem clara a diferença entre aquilo que o mundo entende por “casamento” e aquilo que a Igreja nos ensina sobre ele?

A meu ver, deveríamos nos referir ao casamento na Igreja exclusivamente como “santo matrimônio”.

De acordo com esta proposta, a palavra “casamento” seria deixada de lado por nós e substituída por “santo matrimônio”, notando que o Catecismo da Igreja Católica se refere a este sacramento, formalmente, como “o sacramento do matrimônio”.

A palavra “matrimônio” também enfatiza dois aspectos do casamento cristão: a procriação e a complementaridade heterossexual. “Matri” evoca “mãe” (do latim “mater”) e “-mônio” vem de um sufixo que indica “ação, estado ou condição”. Daí o santo matrimônio indicar o sacramento em que a mulher adere ao estado que confirma a sua abertura à maternidade, dentro de uma aliança definitiva com um homem. A definição bíblica e eclesial do santo matrimônio como heterossexual e aberto à procriação é reafirmada, assim, pelo próprio termo. Chamá-lo de “santo”, além disso, afasta com clareza a confusão laica existente hoje em torno ao termo “casamento”.

Restam, no entanto, algumas considerações a fazer.

O resgate da expressão “santo matrimônio” implica voltar a uma tradição mais antiga, que poderia parecer arcaica para algumas pessoas. Mas esse termo, sem dúvida, é bem mais difícil de tergiversar do que “casamento”.

Na minha paróquia, por exemplo, já adotamos a expressão “santo matrimônio” faz algum tempo. Não preparamos mais as pessoas “para o casamento”, mas sim para o “santo matrimônio”.

As pessoas ainda não se acostumaram completamente, é verdade. Elas ainda chegam à paróquia e dizem: “Queremos casar no próximo verão”. É incomum os casais dizerem: “Queremos realizar o nosso santo matrimônio no próximo verão”. Não são mudanças que acontecem facilmente. Talvez, aliás, o leitor queira nos oferecer algumas sugestões para incentivar a assimilação desse termo.

Há outra possibilidade, mais modesta: em vez de esperar que “santo matrimônio” se torne o único termo em uso na prática entre os católicos, poderíamos pelo menos passar a usá-lo nos contextos oficiais e formais. Nesses casos, não utilizaríamos mais o termo “casamento”, e sim a claríssima expressão “sacramento do santo matrimônio”.

O que você acha? Será que chegamos mesmo ao ponto de precisar usar uma nova expressão para nos referirmos com clareza ao conceito cristão do casamento? Será que a palavra “casamento” foi tão despojada do seu significado a ponto de precisarmos usar uma terminologia diferente para deixar claro o que realmente queremos dizer?

Quando eu fiz esta proposta pela primeira vez, há cerca de dois anos, boa parte dos leitores se mostrou reticente quanto à relevância dessa mudança; alguns se mostraram até preocupados, considerando que estaríamos “entregando os pontos” até em nosso vocabulário. O fato, porém, é que o termo “casamento” parece que nunca mais vai significar com clareza aquilo que significava antes.

Padre Charles Pope


Fonte: http://blog.comshalom.org/carmadelio




Ajude a manter este site no ar. Para doar clique AQUI!


LEIA TAMBÉM
Enquanto alguns católicos duvidam, os demônios creem e estremecem diante da presença real de Jesus na Eucaristia.
Uma foto que reforça a força das convicções, mesmo contrariando a massa disforme.
Uma pastor reformado, um luterano e uma batista participam do Sínodo da Família no Vaticano.
Os jovens franceses que optam pela "jihad" islâmica. Porque o fazem?
Conheça alguns pontos do relatório de trabalho do Sínodo com temas pastorais mais “delicados”.
Vaticano desmente a mídia: Nem o Sínodo nem o Papa Francisco tomaram decisões doutrinais.
Ateu se torna cristão ao escrever sobre horrores do século XX: ” Todas são baseados em cinco ideologias do mal”
Católicos e budistas unidos no Vietnam contra um plano para derrubar templos e criar um bairro sem Deus.
Nunca esquecer que somos pecadores, pede Papa



 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 8.210.684
Visitas Únicas Hoje: 1.029
Usuários Online: 255