Espacojames


Página Inicial
Listar Livro Aberto




Artigo N.º 7552 - Livro: As Profecias e Revelações de Santa Brígida - Parte 27
Artigo visto 2693 vezes




Visto: 2693
Postado em: 30/03/11 às 09:01:32 por: James
Categoria: Livro Aberto
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=180&id=7552
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Livro Aberto

As Profecias e Revelações de Santa Brígida da Suécia - Livro 2

A instrução do Filho para a esposa sobre o Demônio: a resposta do Filho para a esposa sobre porque ele não remove malfeitores antes de cair em pecado, e sobre como o reino dos céus é dado às pessoas batizadas que morrem antes de atingir a idade do discernimento.

Livro 2 - Capítulo 10

Está escrito na Lei de Moisés que Moisés estava cuidando de seu rebanho no deserto quando viu uma sarça que estava em chamas, sem ficar queimada; ele ficou com medo e cobriu sua face. Uma voz falou com ele vindo da sarça: “Eu ouvi o lamento do meu povo e fiquei com pena dele, pois são oprimidos por uma escravidão severa”. Eu, que estou agora falando com você, sou a voz ouvida da sarça. Ouvi a miséria de meu povo. Quem é meu povo senão o povo de Israel? Usando este mesmo nome eu agora designo os cavaleiros em todo o mundo que fizeram votos da minha cavalaria e que devem ser meus, mas estão sendo atacados pelo demônio.

O que o faraó fez para o meu povo Israel, no Egito? Três coisas. Primeiro, quando estavam construindo seus muros, não receberam ajuda dos apanhadores de palha que anteriormente os ajudaram a fazer tijolos. Em vez disso, eles mesmos tiveram de apanhar a palha onde puderam em todo o país. Segundo, os construtores não receberam nenhum agradecimento por seu trabalho, apesar de produzirem a meta estabelecida de tijolos a serem feitos. Terceiro, os capatazes batiam neles duramente sempre que sua produção ficava menor do que a normal. Em meio se sua grande aflição, esse meu povo construiu duas cidades para o faraó.

Este faraó é ninguém a não ser o demônio que ataca meu povo, isto é, os cavaleiros, que devem ser meu povo. Em verdade te digo que, se os cavaleiros tivessem mantido o acordo e regras estabelecidas pelo meu primeiro amigo, eles estariam entre os meus mais queridos amigos. Assim como Abraão foi o primeiro que recebeu o mandamento da circuncisão, foi obediente a mim e tornou-se meu mais querido amigo, qualquer um que imite a fé e os feitos de Abraão compartilharão seu amor e glória; assim também os cavaleiros foram especialmente aprazíveis para mim dentre todas as ordens, já que me prometeram derramar por mim o que eles consideram mais estimado, seu próprio sangue. Por esse voto eles se fizeram os mais aprazíveis a mim, assim como Abrão fez em relação à circuncisão, e eles se purificaram diariamente por viverem para sua profissão e por praticarem santa caridade.

Estes cavaleiros são agora tão oprimidos por sua miserável escravidão sob o demônio, que o ele os está ferindo com um golpe letal e os atirando à dor e sofrimento. Os bispos da Igreja estão construindo duas cidades para ele assim como os filhos de Israel. A primeira cidade se sustenta pelo trabalho físico e ansiedade sem sentido na aquisição de bens mundanos. A segunda cidade se sustenta pela intranquilidade e aflição espiritual, visto que não podem descansar do desejo mundano. Há trabalho por fora, e inquietação e ansiedade por dentro, tornando as coisas espirituais num fardo.

Assim como o faraó não supriu meu povo com coisas necessárias para fazerem tijolos nem lhes deu campos repletos de cereais, ou vinho e outras coisas úteis, mas o povo teve de ir e consegui-las eles mesmos em sofrimento e tribulação do coração, da mesma forma o demônio lida com eles agora. Embora eles trabalhem para o mundo e o cobicem em seus corações, ainda não conseguem realizar seus desejos e saciar a sede de suas ganâncias. Eles são consumidos por dentro pelo pesar e por fora pelo trabalho. Por essa razão, sinto pena de seu sofrimento, pois meus cavaleiros, meu povo, estão construindo moradias para o demônio e trabalhando incessantemente, porque eles não conseguem obter o que desejam e porque se preocupam com bens sem sentido, embora o fruto de sua ansiedade não seja uma benção mas ao contrario, a recompensa da vergonha.

Quando Moisés foi enviado ao povo, Deus deu a ele um sinal milagroso por três motivos. Primeiro, porque cada pessoa no Egito adorava seu próprio deus em particular, e porque existiam inúmeros seres que eram considerados deuses. Assim, era apropriado que houvesse um sinal milagroso para que, através dele e pelo poder de Deus, o povo pudesse acreditar que há um só Deus e um só Criador de todas as coisas por causa dos sinais, e para que todos os outros ídolos fossem mostrados sem valor. Segundo, um sinal foi também dado a Moisés como um símbolo, prefigurando meu futuro corpo. O que a sarça ardente que não era consumida simbolizava, senão a Virgem, que concebeu pelo Espírito Santo e deu à luz sem perder a virgindade? Eu vim desta sarça, assumindo a natureza humana do corpo virginal de Maria. Semelhantemente, a serpente dada como sinal a Moisés simbolizou meu corpo. Em terceiro lugar, um sinal foi dado a Moisés para confirmar a verdade dos eventos futuros e prefigurar os sinais milagrosos a serem dados no futuro, provando ser a verdade de Deus tanto mais verdadeira e certa, quanto mais claramente aquelas coisas representadas pelos sinais eram cumpridas com o tempo.

Estou agora enviando minhas palavras aos filhos de Israel, ou seja, aos cavaleiros. Eles não precisam de sinais milagrosos por três motivos. Em primeiro lugar, porque Deus e Criador de todas as coisas já é adorado e conhecido através da Santa Escritura, assim como através de muitos sinais. Segundo, eles não estão agora esperando pelo meu nascimento, porque eles sabem que eu realmente nasci e me tornei carne sem corrupção, já que a escritura foi completamente cumprida. E não há melhor ou mais verdadeira fé a ser guardada ou acreditada do que aquela que já foi anunciada por mim e meus santos pregadores. No entanto, eu dei três coisas através de ti pelas quais pudessem acreditar. Primeiro, estas são minhas verdadeiras palavras e não diferem da verdadeira fé.

Segundo, um demônio saiu de um corpo possuído, pela ação de minhas palavras. Terceiro, eu dei a um certo homem o poder de unir corações sem confiança, em mutua caridade. Assim, não tenha nenhuma duvida sobre aqueles que acreditarão em mim. Aqueles que acreditam em mim creem também em minhas palavras. Aqueles que me apreciam, também apreciam minhas palavras. Está escrito que Moisés cobriu sua face depois de falar com Deus.

Tu, entretanto, não precisas cobrir tua face. Eu abri teus olhos espirituais para que possas ver coisas espirituais. Abri teus ouvidos para que possas ouvir as coisas que são do Espírito. Eu te mostrarei um similar de meu corpo como foi durante e antes da minha paixão, e bem como depois da ressurreição, como Madalena, Pedro e outros o viram. Tu também ouvirás minha voz assim como ela falou a Moisés de dentro da sarça. Esta mesma voz está agora falando dentro de tua alma.”


Palavras deleitosas de Cristo à esposa sobre a glória e honra do bom e verdadeiro cavaleiro, sobre como os anjos vieram para encontrá-lo, e sobre como a Gloriosa Trindade o recebe afetuosamente e o conduz a um local de descanso indescritível como recompensa por uma pequena luta.

Livro 2 - Capítulo 11

Eu falei-te anteriormente sobre o fim e a punição daquele cavaleiro que foi o primeiro a desertar do serviço de cavalaria que tinha me prometido. Eu irei agora descrever por meio de metáforas (caso contrário não serás capaz de entender as questões espirituais) a glória e honra daquele que virilmente assumiu o verdadeiro serviço da cavalaria e o sustentou até o fim. Quando este meu amigo chegou ao fim de sua vida e sua alma deixou seu corpo, cinco legiões de anjos foram enviadas para saudá-lo. Com eles também veio uma multidão de demônios para descobrirem se podiam colocar alguma reclamação contra ele, pois são repletos de maldade e nunca se cansam dela.

Uma voz muito clara foi então ouvida no Céu, dizendo: “Meu Senhor e Pai, este não é o homem que se dobrou à tua vontade e assim o fez com perfeição?” O homem então respondeu em sua própria consciência: “De fato, sou eu”. Três vozes foram ouvidas. A primeira era de natureza divina e disse: “Não te criei e dei um corpo e alma? Tu és meu filho e fizeste a vontade de teu Pai. Venha a mim, teu querido Pai e Criador todo-poderoso! Uma herança eterna, é dada a ti, porque és um filho. A herança de teu Pai é dada a ti, porque foste obediente a Ele.

Então, querido filho, vinde a mim! Eu te receberei com honra e alegria”! A segunda voz era de natureza humana que disse: “Irmão, vinde a teu irmão! Eu me ofereci a ti em batalha e derramei meu sangue por ti. Tu, que obedeceste minha vontade, vinde a mim! Tu, que pagaste sangue com sangue e estiveste preparado para oferecer morte por morte e vida por vida, vinde a mim! Tu, que me imitaste em tua vida, entre agora em minha vida e em minha alegria sem fim! Eu te reconheço como meu verdadeiro irmão”. A terceira voz era do Espírito (mas os três são um Deus, não três deuses), que disse: “Vinde meu cavaleiro, tu, cuja vida interior era tão atraente que eu desejei viver contigo!

Em tua conduta exterior foste tão viril que mereceste minha proteção. Entre, então, em repouso, em retribuição de todo o teu sofrimento físico! Em retribuição ao teu sofrimento mental, entre em uma indescritível consolação! Em retribuição de tua caridade e teu viril esforço, vinde a mim e viverei em ti e tu em mim! Vinde a mim, então, meu excelente cavaleiro, que nunca desejaste nada além de mim! Vinde e te encherás de santo prazer!” Depois disso, cinco vozes foram ouvidas de cada uma das legiões de anjos.

A primeira voz falou: “Deixa-nos marchar à frente deste excelente cavaleiro e carregar suas armas, isto é, deixa-nos apresentar ao nosso Deus a fé que ele preservou inabalável e defendeu dos inimigos da justiça”. A segunda voz disse: “Permita-nos carregar seu escudo à frente dele, isto é, deixe-nos mostrar ao nosso Deus sua paciência que, embora ela seja conhecida por Deus, será ainda mais gloriosa por causa de nosso testemunho. Por sua paciência, ele não somente suportou adversidades pacientemente como também agradeceu a Deus por essas mesmas adversidades”.

A terceira voz disse: “Vamos marchar à frente dele e apresentar sua espada a Deus, isto é, vamos mostrar-lhe obediência pela qual ele permaneceu obediente em ambos os tempos, difíceis e fáceis, conforme sua promessa”. A quarta voz disse: “Vinde e vamos mostrar a Deus seu cavalo, isto é, vamos oferecer o testemunho de sua humildade. Como um cavalo carrega o corpo de um homem, assim sua humildade o precedeu e o seguiu, levando-o à frente até a realização de seu trabalho. O orgulho não encontrou lugar nele, por isso é que cavalgou em segurança”. A quinta voz disse: “Vinde e vamos apresentar seu capacete a nosso Deus, isto é, deixe-nos testemunhar a vontade divina que sentiu por Deus!”

Ele meditou Nele em seu coração durante todo o tempo. Carregou-o em seus lábios, em seus feitos, e acima de tudo, O desejou. Por amor e veneração, ele se prontificou a morrer para o mundo. Assim, deixe-nos apresentar estas coisas a nosso Deus, pois, como retribuição por seu pequeno esforço, esse homem mereceu eterno repouso e alegria com seu Deus, a quem ele desejou tanto e tantas vezes!” Acompanhado pelos sons dessas vozes e um maravilhoso coro de anjos, meu amigo foi conduzido ao descanso eterno.

Sua alma viu isso tudo e disse a si mesma em exultação: “Sou feliz por ter sido criada! Sou feliz por ter servido meu Deus que agora contemplo! Sou feliz, porque tenho alegria e glória que nunca terminará!” Assim meu amigo veio a mim e recebeu tal recompensa. Embora nem todos derramem seu sangue em meu nome, no entanto, todos receberão a mesma recompensa, desde que tenham a intenção de dar suas vidas por mim se a ocasião se apresentar e as necessidades da fé o demandar. Veja como é importante uma boa intenção!”


Palavras de Cristo à esposa sobre a natureza imutável e eterna duração da sua justiça; sobre como, após assumir uma natureza humana, ele revelou sua justiça através de seu amor em uma nova luz; e sobre como ternamente exerce misericórdia pelos condenados e gentilmente ensina seus cavaleiros.

Continua...


Fonte: Extraído do Livro As Profecias e Revelações de Santa Brígida





LEIA TAMBÉM
Livro: As Profecias e Revelações de Santa Brígida - Parte 26
Livro: As Profecias e Revelações de Santa Brígida - Parte 25
Livro: As Profecias e Revelações de Santa Brígida - Parte 24
Livro: As Profecias e Revelações de Santa Brígida - Parte 23
Livro: As Profecias e Revelações de Santa Brígida - Parte 22
Livro: As Profecias e Revelações de Santa Brígida - Parte 21
Livro: As Profecias e Revelações de Santa Brígida - Parte 20
Livro: As Profecias e Revelações de Santa Brígida - Parte 19
Livro: As Profecias e Revelações de Santa Brígida - Parte 18



 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 7.732.321
Visitas Únicas Hoje: 1.909
Usuários Online: 421