Espacojames


Página Inicial
Listar Artigos




Artigo N.º 358 - De olhos bem abertos! A marca da besta - Parte 2
Artigo visto 2314 vezes




Visto: 2314
Postado em: 12/05/08 às 23:45:15 por: James
Categoria: Artigos
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=1&id=358
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Artigos



Satélites, câmeras, chips e outras parafernálias eletrônicas
se tornam instrumentos de controle da vida das pessoas



Não foram apenas as torres gêmeas do World Trade Center que desabaram após os atentados de 11 de setembro de 2001. Com elas ruiu um dos pilares da democracia, a privacidade. As armas tecnológicas que antes faziam parte do corolário de agentes secretos se voltaram contra a liberdade individual. Um projeto que tramita desde o início do ano passado no Congresso americano promete ampliar a rede de espionagem eletrônica. Chamado Sistema de Informações contra o Terrorismo (TIA, na sigla em inglês), ele permitiria o acesso à base de dados de empresas sempre que houvesse necessidade de saber mais sobre turistas, estudantes ou imigrantes. As fronteiras da vida privada parecem encolher a cada dia com a invasão dos computadores, telefones celulares e câmeras de vigilância. Em troca de facilidades de pagamento pelo cartão bancário em restaurantes, hotéis, supermercados ou pedágios, o cidadão deixa gravados seus rastros e preferências pelos hábitos de consumo. Como essas companhias operam em escala mundial, sua capacidade de perscrutar chega a um nível de detalhe que inclui a freqüência com que as pessoas viajam, se gostam de chocolates ou de uísque, e até se levam uma vida sexual apimentada. Além, é claro, de dados banais como endereço, telefone, estado civil e saldo bancário.
Pesquisadores do governo americano já trabalham em câmeras inteligentes capazes de identificar rostos e, pasme, avaliar se as pessoas estão alegres, tristes ou nervosas. O sistema funcionaria como o das cancelas de pedágio que liberam o acesso ao reconhecer veículos com permissão de avançar. Turistas também seriam identificados. O presidente George W. Bush determinou que até 2006 todos os passaportes sejam digitais, trazendo embutido um chip com informações como foto e impressão digital. Quando o viajante passar pela imigração, seus dados ficarão armazenados para que seu rosto seja reconhecido pelas lentes das milhares de câmeras espalhadas pelo país. A Comunidade Européia já iniciou a substituição dos passaportes antigos e outros 28 países vão seguir o exemplo.
Para fechar o cerco ainda mais, os Estados Unidos exigem vistos até para quem está de passagem pelo país.
A atual rede de monitoramento deixaria boquiaberto o inglês George Orwell, que em seu livro 1984 profetizou o poder de repressão numa sociedade vigiada. A frase “sorria, você está sendo filmado” soaria como aberração em 1949, quando foi escrito o romance sobre o Big Brother, o personagem que tudo vê. Hoje, ela foi incorporada ao cotidiano das pessoas. Entre os descontentes, a gritaria maior veio da Europa, que criou um grupo de proteção de dados pessoais para acompanhar as idas e vindas do novo projeto do governo americano para ampliar a vigília eletrônica. Mais da metade dos americanos o consideram uma ameaça à intimidade e o Senado dos EUA bloqueou a verba de US$ 54 milhões para o TIA. No centro da polêmica, está o autor da idéia, o ex-almirante John Poindexter, que nos anos 80 foi pivô do esquema de financiamento de armas aos guerrilheiros anti-sandinistas da Nicarágua, no escândalo conhecido como Irã-Contras. Nos bastidores, já corre a notícia de que ele será exonerado do cargo.
Na prática, esse projeto nem sequer precisa de aprovação. Hoje já se vasculha a vida de turistas antes de eles colocarem os pés na terra do Tio Sam. Pelas regras do Ministério da Segurança dos Transportes, as companhias aéreas têm de enviar um relatório completo dos passageiros a cada vôo que decola dos aeroportos brasileiros. Segundo a Associação Internacional de Educadores, nem mesmo estudantes de intercâmbio escapam da devassa. O governo Bush costuma ainda comprar informações de empresas como a ChoicePoint, que consegue dados de pessoas e empresas de qualquer país do mundo.
O transporte de carga sofreu uma mudança radical. Pelo menos 60 mil caminhões cruzam as rodovias nacionais acompanhados em tempo real por satélites. Esse sistema protege cargas como as de mogno, uma das jóias do comércio ilegal. Para ter o controle de sua procedência, o governo federal obrigou as transportadoras a instalar localizadores por satélite nos caminhões que carregam as toras da mais valiosa madeira nacional. Um desvio de rota ou uma parada fora do plano é reportada imediatamente.
Duas mil locomotivas e centenas de barcos também estão ligados a centrais de controle que registram cada passo de condutores. A América Latina Logística (ALL), uma das maiores transportadoras de carga do País, monitora a viagem de todos os seus comboios via satélite a partir de Curitiba, no Paraná. As locomotivas têm chips rastreadores e computadores que gravam as manobras do condutor. A cada 20 segundos ele tem de acionar comandos dando sinal de que não dormiu nem parou sem autorização. “Eles sabem de tudo, não podemos ultrapassar a velocidade nem parar em qualquer estação”, diz o maquinista Rodrigo Nogueira.
Demissão – Para as empresas, essa profusão de informações serve de ferramenta para evitar riscos. Recentemente o banco ABN-Amro encomendou à empresa Imagem fotos de satélites associadas a dados estratégicos, como o tamanho das casas e o poder aquisitivo dos moradores. Queria ainda saber a renda das famílias e sua capacidade
de compra, dados levantados pela velha equipe de pesquisadores de campo. Um dos três maiores bancos privados do País usou a mesma estratégia para redefinir a rota de seus carros-fortes e baixar custos. Sem as imagens do espaço, o banco não podia questionar a transportadora de valores que escolhia o trajeto longo alegando que o caminho mais curto era perigoso.
Bisbilhotar a vida alheia virou brincadeira: basta ter em mãos um cartão de crédito. Imagens de satélites antes consideradas segredo de Estado hoje são vendidas como livros pela internet e sua qualidade melhora a cada dia. Os brasileiros começam a perceber os efeitos colaterais do Big Brother. Os juristas ainda discutem de quem é a responsabilidade pelos roubos, assaltos e sequestros que acontecem em estacionamentos e shopping centers monitorados por câmeras. Mas é na internet que se percebe com clareza até onde vão os tentáculos da espionagem. Em abril de 2000, o portal Cidade Internet demitiu quatro funcionários que criticaram seu chefe pelo icq, um tipo de correio eletrônico que transmite mensagens em tempo real. “Eles violaram nossas mensagens e as usaram contra nós”, diz Fábio Paulino, um dos demitidos. A empresa de planos de saúde Unimed também vasculhou o e-mail de seu funcionário Augusto Cezar Novaes, que estava às vésperas de uma promoção. Ele foi demitido por justa causa porque repassou aos colegas de departamento uma notícia de jornal sobre investimentos de um portal eletrônico. “Em nenhum momento me alertaram que isso era proibido”, diz Novaes, até hoje desempregado. Não havia em seu contrato nenhuma referência de que ele poderia estar sob vigilância. Por isso, conseguiu na Justiça reaver seus direitos, mas não teve o emprego de volta. Um funcionário da seguradora do HSBC também tentou reaver o antigo posto, apesar de saber que em seu contrato havia uma cláusula que permitia aos seus chefes o monitoramento de seu acesso à internet. Ainda que a legislação brasileira defenda a privacidade, as corporações alegam que o e-mail é de sua propriedade. “Neste caso, desaparece o caráter privado de qualquer mensagem e todo mundo está desprotegido”, diz o advogado Renato Opice Blum. Justamente por essa lacuna legal, a fragilidade dos direitos do cidadão vira regra na sociedade policialesca instaurada pelas lentes do Big Brother, que tudo vê, sem nada poupar.
As malhas da grife italiana Benetton já começam a sair de fábrica com microchips que enviam sinais com sua exata localização. Em vez de códigos de barras, as etiquetas inteligentes armazenam informações para rastrear a peça durante toda a sua vida útil. Num futuro próximo, ela vai passar as instruções de lavagem para o chip da máquina de lavar. Muitos alegam que a etiqueta seria uma forma de invadir a privacidade, já que ela facilita a localização do cliente através de sua roupa.
A nova tecnologia está em teste na Alemanha, onde um supermercado poupa seus clientes da enfadonha tarefa de passar produto a produto pela caixa registradora. Isso porque o chip, do tamanho de uma moeda de R$ 1, carrega uma minúscula antena que transmite os dados sobre determinado produto, por radiofreqüência, a detectores distantes até seis metros. A conta chega no final do mês na fatura do cartão de crédito.
A engenhoca pode alertar o computador central da loja quando as prateleiras precisarem de reposição. Grandes telas de vídeo divulgam as liquidações e direcionam os consumidores aos itens em promoção. Por enquanto, o empecilho é o alto custo da tecnologia. Enquanto a etiqueta eletrônica custa US$ 1, o código de barras não passa de uma aplicação de tinta na embalagem. A previsão é que em breve elas terão invadido todos os lugares.
Em Cambridge, na Inglaterra, a etiqueta inteligente provocou alvoroço no supermercado Tesco. Quem pegasse uma lâmina de barbear da Gillette era fotografado por uma câmera do sistema antifurto. Os críticos alegam que os produtos podem ser usados como dispositivos de vigilância, já que eles funcionam fora das lojas. A empresa de transportes urbanos londrina também usa microchips inseridos nos bilhetes para guardar dados dos passageiros e registrar todas as suas viagens. Com isso não é preciso tirar o bilhete da bolsa para passar pela catraca. Em compensação, pode-se localizar um passageiro em qualquer ponto do metrô. (fim)



(Fonte: Portal Terra)





LEIA TAMBÉM
A MARCA DA BESTA ESTÁ MUITO PRÓXIMA. Parte 1
O Mistério do Lúcifer
Os Círculos Dantescos e Os Sefirotes Invertidos
A história de "Baal",
O TÚNEL DA MORTE
ANTIGA ARCA DE NOÉ NA MIRA DA CIÊNCIA
A Torre de Babel
A Queda da Humanidade
O Nostradamus Argentino



 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 7.751.211
Visitas Únicas Hoje: 5.603
Usuários Online: 801