Espacojames


Página Inicial
Listar Artigos




Artigo N.º 12672 - É Cristo o verdadeiro médico
Artigo visto 1319 vezes




Visto: 1319
Postado em: 04/10/14 às 16:44:11 por: James
Categoria: Artigos
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=1&id=12672
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Artigos

Poucos se lembram que o sujeito da frase inicial da Lumen Gentium não é a Igreja, mas Cristo

Até mesmo os jornalistas leigos estão interessados pelo tema da liberação da comunhão para os divorciados que se casaram novamente. É um risco que o Sínodo seja sugado por esse aspecto e perca todo o peso e a importância de uma série de questões que o trabalho preparatório trouxe à luz. Trabalho feito também através das consultas livres dentro da Igreja.

Os casais que permanecem juntos, mas têm o coração endurecido, estão certos? Os jovens que querem se casar, mas não compreendem como discernir dentro de si, encontram ajuda suficiente na Igreja? As famílias que não têm estabilidade econômica e por isso correm o risco de perder sua dignidade também no plano ético, precisam ficar em silêncio? Os casais e famílias que se sentem tranquilos em sua fé, um pouco burgueses, mas que não evangelizam mais, nós continuaremos a mantê-los como exemplo?

Todas estas situações estão ligadas à metáfora que o Papa Francisco ressaltou há alguns dias sobre a Igreja como um hospital de guerra. Ou seja, a Igreja como um lugar para cuidar e não para julgar, antes de tudo. Mas como se cuida em um hospital de guerra? O ferido precisa entrar em contato com quem? Com os enfermeiros, os organizadores da guerra, ou com o “Médico”? Fora da metáfora. Os bons cristãos, os bispos, os padres, são os médicos? Às vezes tenho a impressão de que pensamos que somos nós os médicos. E que poucos se lembram que o sujeito da frase inicial da Lumen Gentium, do Vaticano II, não é a Igreja, mas Cristo. É Cristo a luz das pessoas. É inútil negá-lo, perdemos isso. Centrados em olhar o “umbigo eclesial”, perdemos a centralidade de Cristo na nossa comunidade.

E agora, o que se pode fazer? Talvez seja preciso uma conversão pastoral que aplique um princípio inevitável: voltar atrás. Com isso quero dizer que seja a possibilidade da Igreja em reconhecer e aceitar que o Espírito trabalha também antes e fora dos seus confins visíveis e que ela não tem a exclusividade para fazer existir a fé em Cristo na Terra. Que o seu papel é ser verdadeiramente o sacramento universal de salvação, o sinal eficaz de Deus que salva em Cristo.

Voltar atrás significa parar com a Igreja que “vela” Cristo escondendo-O no seu seio quase querendo-O proteger do mundo, passar a deixar que o mundo possa ver e tocar diretamente o tesouro de graça que ela contém. Uma Igreja se abre pelo seu bem, que a funda e dá sentido, sem o medo de se perder, porque é apoiada na segurança de Cristo.

Colocar-se à parte pode se tornar um “isolante”, não permitindo mais que duas partes consigam entrar em contato. Isso, sobre todos as três dimensões onde tradicionalmente a pastoral se estrutura. Por isso, menos catequeses e mais leitura direta da Bíblia; menos celebrações formais e mais contato direto com Ele; menos organização institucional da caridade e mais contato direto com os pobres.

Se queremos que o ferido e Cristo se encontrem, é-nos pedido que voltemos a pensar que o pecado é uma ausência de bem. Até mesmo a ação pecaminosa, para além da sua desordem que continua, pode trazer consigo os sinais de amor. Porque nada pode existir se Deus não o fizesse existir. No quanto seja vil e inqualificável, o pecado é sempre um amor enlouquecido, um amor que se separou da raiz fundamental do amor, Deus, e que quer se tornar Deus.

Para repará-lo não funciona distanciar de si mesmo. Deus não redime o pecador tirando dele o seu pecado, mas faz a ação contrária. Ele carrega o pecador. Desta forma assume o pecado e o consuma em um ato de amor total que é capaz de recuperar até mesmo o efeito mais radical do próprio pecado, ou seja, a morte. Se estivéssemos verdadeiramente convencidos disso, teríamos de refazer toda uma antropologia e recuperar uma espiritualidade antiga que perdemos. Isso, porque muitos fiéis hoje permanecem bloqueados dentro do sentimento de culpa, por isso não são capazes de tirar o pecado de si. Desta forma, o ferido é colocado em espera na maca e é preciso buscar a cura por si mesmo. 


Fonte: http://www.aleteia.org/





LEIA TAMBÉM
34 fotografias para demonstrar que os santos são normais como nós
Novo testemunho sobre o dom da bilocação do Padre Pio
Bento XVI tinha razão sobre os muçulmanos
Os conselhos de João Paulo II para ser um bom clérigo
Os cadernos secretos de João Paulo II
As freiras: essas notáveis servas de Deus, da Igreja e dos homens sofridos.
Sai à luz impressionante complemento da Mensagem de Fátima
Não desista NUNCA de seu matrimônio, lute pela vontade de Deus!
Mais da metade dos divorciados se arrepende, diz pesquisa.



 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 7.733.745
Visitas Únicas Hoje: 3.333
Usuários Online: 500