Espacojames


Página Inicial
Listar Livro Aberto




Artigo N.º 7266 - Livro: As Profecias e Revelações de Santa Brígida - Parte 11
Artigo visto 2159 vezes




Visto: 2159
Postado em: 09/02/11 às 21:29:47 por: James
Categoria: Livro Aberto
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=180&id=7266
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Livro Aberto

Palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo à sua esposa escolhida e muito amada, Santa Brígida; sobre a proclamação de sua santíssima encarnação; a rejeição, profanação e abandono de nossa fé e batismo; e como Ele convida sua amada esposa e todo o povo cristão a amá-Lo.

Baixe o livro completo em nosso site no artigo N.º 4917

http://www.espacojames.com.br/?cat=99&id=4917

--

 Livro 1 - Capítulo 27

A Mãe de Deus falou à esposa: “Filha minha, quero que saibas que onde há dança há três coisas: alegria vazia, vozes confusas e trabalhos sem sentido. Se alguém entra na dança angustiado e triste, então seu amigo que se encontra em pleno desfrute da dança, mas que vê seu amigo entrando triste e melancólico, deixa imediatamente sua diversão, abandona a dança e se compadece de seu amigo angustiado". Esta dança é o mundo, que sempre se encontra tomado por uma ansiedade vazia que lhes parece gozo, mas é uma alegria vazia. Neste mundo há três coisas: alegria vazia, palavreado frívolo e trabalho sem sentido, porque um homem há de deixar para trás tudo aquilo em que trabalhou. Quem, na plenitude desta dança mundana, vai considerar minhas fadigas e angústias e vai se compadecer comigo – que abandone todo gozo mundano – e vá apartar-se do mundo! Quando meu Filho morreu, eu era uma mulher com o coração transpassado por cinco espadas. A primeira foi sua vergonhosa e afrontosa nudez. A segunda espada foi a acusação contra Ele, pois lhe acusaram de traição, de falsidade e de deslealdade. Ele, quem eu sabia que era justo e honesto e que nunca ofendeu nem quis ofender a ninguém. A terceira espada foi sua coroa de espinhos que perfurou sua sagrada cabeça tão selvagemente que o sangue escorreu até sua boca, sua barba e seus ouvidos. A quarta espada foi sua voz mortiça na cruz, com a qual gritou ao Pai dizendo: ‘Pai, porque me abandonaste?’ Era como se dissesse: ‘Pai, ninguém se apieda de mim, somente tu. A quinta lança que cortou meu coração foi sua amaríssima morte.

Seu preciosíssimo sangue se derramava por tantas veias quantas espadas transpassavam meu coração. As veias de suas mãos e pés perfurados e a dor de seus nervos feridos chegavam sem misericórdia até seu coração e de seu coração voltavam aos nervos. Seu coração era forte e vigoroso, por ser dotado de uma boa constituição, isto fazia com que sua vida resistisse lutando contra a morte e que sua amargura se prolongasse ainda mais no ápice da sua dor. À medida que sua morte se aproximava e seu coração se rompia diante de tanta e insuportável dor, de repente todo seu corpo se convulsionou e sua cabeça, que estava para trás, pareceu erguer-se de uma alguma maneira. Abriu levemente seus olhos semi-fechados e por vez abriu sua boca de forma que pude ver sua língua ensanguentada. Seus dedos e braços, que tinham estado muito contraídos, se esticaram.

Nada mais houve depois disso e, assim, entregou seu Espírito e sua cabeça caiu sobre seu peito. Suas mãos escorregaram um pouco do lugar das feridas e seus pés tiveram que suportar a maior parte do peso. Então, minhas mãos se ressecaram, meus olhos se turvaram em escuridão e meu rosto ficou pálido como a morte. Meus ouvidos não ouviam nada, meus lábios não podiam articular palavra alguma, meus pés não me sustentavam e meu corpo caiu ao solo. Quando me levantei e vi meu Filho com um aspecto pior que um leproso, lhe entreguei toda minha vontade, sabendo que tudo havia ocorrido segundo sua vontade e que nada disso teria sucedido se Ele não tivesse permitido. Dei-lhe graças por tudo e certo júbilo se misturou com minha tristeza porque vi que Ele, que nunca havia pecado, por seu grandessíssimo amor, quis sofrer tudo pelos pecadores. Que estes que estão no mundo contemplem o que passei quando morreu meu Filho e que sempre o tenham em sua memória!”


Palavras do Senhor à esposa descrevendo como foi julgado um homem ante o tribunal de Deus e sobre a terrível sentença ditada sobre ele por Deus e por todos os Santos.



Livro 1 - Capítulo 28

A esposa viu que Deus estava enojado e que disse: “Eu sou sem princípio e fim. Não há mudança em mim nem de anos nem de dias. Todo o tempo do mundo é como uma só hora ou momento para mim. Todos aqueles que me veem, contemplam e entendem tudo o que existe em mim em um instante. Entretanto, esposa minha, ao estares em um corpo material, não podes perceber nem conhecer como um espírito conhece. Por isso, para teu bem, te explicarei o que sucedeu. Eu estava, por assim dizer, sentado no tribunal para julgar, porque todo juízo me foi dado, e certa pessoa veio a ser julgada ante o tribunal. A voz do Pai ressoou e lhe disse: ‘Mais te valeria não ter nascido’. Não era porque Deus se tivesse arrependido de criá-lo, e sim como qualquer um que sentisse preocupação por outra pessoa e se compadecesse dela. A voz do Filho interveio: ‘Eu derramei meu sangue por ti e aceitei uma duríssima penitência, mas tu te afastaste completamente e isso já não tem nada a ver contigo’. A voz do Espírito disse: ‘Eu busquei por todos os rincões do seu coração para ver se poderia encontrar algo de ternura e caridade, mas és tão frio como o gelo e tão duro como uma pedra. Este homem não me diz respeito.’ Estas três vozes não se ouviram como se fossem três deuses, mas foram ditas audíveis para ti, esposa minha, porque de outra forma não terias podido compreender este mistério.”

As três vozes, do Pai, Filho e Espírito Santo, se transformaram imediatamente em uma só voz que retumbou e disse: “De nenhuma maneira merece o reino dos Céus!” A Mãe da misericórdia permaneceu em silêncio e não moveu sua misericórdia, pois o defendido não era digno dela. Todos os Santos clamaram a uma voz dizendo: “É justiça divina para ele o ser perpetuamente exilado de seu Reino e de seu gozo”. Todos no purgatório disseram: “Não temos uma penitência suficientemente dura para castigar teus pecados. Terás que suportar maiores tormentos e, portanto, tens que ser apartado de nós”. Então, o mesmo defendido exclamou com uma voz horrenda: “Ai, ai da semente que fecundou no ventre de minha mãe e da qual eu me formei!” Por segunda vez exclamou: “Maldita a hora em que minha alma se uniu a meu corpo e maldito aquele que me deu um corpo e uma alma!” Voltou a clamar uma terceira vez: “Maldita a hora em que sai do ventre de minha mãe!” Então chegaram três vozes horríveis do inferno que lhe diziam: “Vem conosco, alma maldita, como o líquido que se derrama até a morte perpétua e vive sem fim!” Por segunda vez, as vozes voltaram a chamá-lo: “Vem, alma maldita, vazia por sua maldade! Nenhum de nós deixará de encher-te com seu próprio mal e dor!” Por terceira vez assim juntaram: “Vem, alma maldita, pesada como uma pedra que se afunda e nunca alcança o fundo onde descansar! Descerás mais baixo que nós e não pararás até que não tenha chegado ao mais profundo do abismo”.

Então, o Senhor disse: “Como um homem com várias esposas, que vê cair uma e se separa dela, se volta para as outras que permanecem firmes e se alegra com elas, assim Eu separei dele meu rosto e minha misericórdia, e me volto para os que me servem e me obedecem e me alegro com eles. Portanto, agora que sabes de sua queda e desgraça, serve-me com maior sinceridade do que ele, em proporção à maior misericórdia que te dispenso! Aparta-te do mundo e de seus desejos! Por acaso eu aceitei tão amarga Paixão pela glória do mundo; ou porque não podia consumá-la em menos tempo e com mais facilidade? Claro que podia! Contudo, a justiça exigia isso. Como a humanidade pecou em todos e cada um de seus membros, tive que fazer cumprir a justiça em todos e cada um dos meus membros. Por isso, Deus, em sua compaixão pela humanidade e em seu ardente amor para com a Virgem, recebeu dela uma natureza humana através da qual pude suportar todo o castigo ao qual estaria fadada a humanidade. Ao haver tomado Eu sobre mim teu castigo, por amor, permanece firme na verdadeira humildade, como os meus servos, assim, não terás nada de que envergonhar-te nem nada que temer mais que a mim! Guarda tuas palavras de tal forma que, se essa fosse minha vontade, tu não falarias. Não te entristeças pelas coisas temporais que tão somente são passageiras. Eu posso fazer, a quem eu quiser, rico ou pobre. Assim, pois, esposa minha, deposita toda tua esperança em mim!”



EXPLICAÇÃO

Esse homem era um cônego de nobre reputação e subdiácono que, havendo obtido uma falsa dispensa, quis casar-se com uma rica donzela. Contudo, foi surpreendido por uma morte repentina e não conseguiu seu objetivo.


Palavras da Virgem à filha sobre duas senhoras, uma que se chamava “soberba” e a outra “humildade”, simbolizando esta última a mais doce das Virgens e sobre como a Virgem vem reunir-se com aqueles que a amam na hora de sua morte.



Livro 1 - Capítulo 29

A Mãe de Deus se dirigiu à esposa de seu Filho dizendo-lhe: “Há duas senhoras. Uma delas não tem um nome especial, mas não merece nome; a outra é a humildade e se chama Maria. O demônio é o mestre da primeira senhora porque tem domínio sobre ela. Um de seus cavaleiros disse a essa dama: ‘Senhora minha, estou disposto a fazer o que puder por você, se puder copular contigo ao menos uma vez. Sou poderoso, forte e tenho um coração valente, não temo nada e estou até disposto a morrer por ti.’ Ela lhe respondeu: ‘Servo meu, seu amor é grande. Mas, eu estou sentada em um trono muito alto, e eu tenho somente este trono e há três portas entre nós. A primeira porta é tão estreita que tudo que um homem está vestindo sobre seu corpo enroscará e rasgará deixando um buraco. A segunda é tão afiada que corta até as fibras nervosas. A terceira arde com um fogo tal que ninguém escapa de seu ardor sem ficar derretido como o cobre. Ademais, estou sentada tão alto que qualquer um que queira sentar-se comigo – ao ter eu somente um trono – cairia nas grandes profundidades do caos debaixo de mim’. O demônio lhe respondeu: ‘Darei minha vida por ti, pois uma queda não representa nada para mim’.

Esta senhora é a soberba e qualquer um que quiser chegar a ela passará, por três portas. Pela primeira porta entram aqueles, que dão tudo o que têm para receber honras humanas por sua soberba, e se não têm nada, mudam toda sua vontade em viver com orgulho e colher elogios. Pela segunda porta entra a pessoa que dedica todo seu trabalho e tudo o que faz, todo seu tempo, todos seus pensamentos e toda sua força para satisfazer sua soberba. E ainda assim, se tiver que deixar que firam seu corpo para conseguir honras e riquezas, o faria com gosto. Pela terceira porta entra a pessoa que nunca se cala e nem se aquieta e sim arde como o fogo com o pensamento de como conseguir alguma honra mundana ou posição de soberba. Mas quando obtém o que deseja, não pode permanecer muito tempo no mesmo estado e termina caindo miseravelmente. Apesar de tudo isso, a soberba ainda permanece no mundo.

Eu sou– disse Maria – a mais humilde, estou sentada em um trono espaçoso, sobre mim não há sol, nem lua, nem estrelas e nem sequer nuvens senão um brilho inconcebível e uma calma maravilhosa da clara beleza da majestade de Deus. Abaixo de mim não há nem terra nem pedra, somente um incomparável descanso na bondade de Deus. Perto de mim não há nem barreiras nem paredes, senão a gloriosa corte dos Anjos e das almas santas. Ainda que, esteja sentada em um trono sublime, ouço meus amigos que vivem na Terra, entregando-me diariamente seus suspiros e suas lágrimas. Vejo suas lutas e sua eficácia, que é maior do que aqueles que lutam por sua senhora, a soberba. Por isso, os visitarei e os reunirei comigo em meu trono, porque este é espaçoso e há lugar para todos. Entretanto, ainda não podem vir e sentar-se comigo porque há ainda dois muros entre eles e eu, mediante os quais os conduzirei confiadamente para que possam chegar até meu trono. O primeiro muro é o mundo e é estreito. Assim, meus servos no mundo receberão consolação de minha parte. O segundo muro é a morte. Por isso, eu, sua mais querida Senhora e Mãe, comparecerei para unir-me com eles na morte de maneira que mesmo na morte possam sentir meu refrigério e consolo. Reuni-los-ei comigo no trono do gozo celestial de maneira que, na alegria sem fim, possam descansar eternamente nos braços do amor perpétuo e da glória eterna”.

Amorosas palavras do Senhor à esposa sobre como se multiplica o número de falsos cristãos até o ponto de estarem voltando a crucificar Cristo e sobre como Ele ainda estaria disposto a aceitar a morte, uma vez mais, pela salvação dos pecadores, se fosse possível.



Livro 1 - Capítulo 30

Eu sou Deus. Criei todas as coisas para o benefício da humanidade, para que tudo lhe servisse e instruísse. Mas, os seres humanos abusam de tudo que fiz para seu beneficio, até sua própria condenação. Deus não lhes importa e o amam menos do que às coisas criadas. Os judeus prepararam três tipos de castigo para mim em minha Paixão: primeiro, a madeira na qual depois de ter sido açoitado e coroado de espinhos, fui pregado; segundo, o ferro com o qual cravaram minhas mãos e meus pés; terceiro, o fel que me deram para beber. Além disso, me lançaram blasfêmias como se Eu fosse um tolo devido à morte que livremente suportei e me chamaram de falso devido a meus ensinamentos. O número de pessoas assim tem se multiplicado agora no mundo; há muito poucos que me consolam. Penduram-me no madeiro por seu desejo de pecar, açoitam-me com sua impaciência, pois ninguém suporta nem uma palavra por mim e coroam-me com os espinhos de sua soberba que faz com que queiram chegar mais alto do que Eu. Cravam minhas mãos e pés com o ferro de seus corações endurecidos, visto que se gloriam em pecar e se endurecem tanto que não me temem. Pelo fel, oferecem-me tribulações e, por haver sofrido minha Paixão com alegria, me chamam de falso e vaidoso.

Sou suficientemente poderoso para arruiná-los e também o mundo inteiro se quisesse, por causa de seus pecados. Todavia, se os arruinasse, os que ficassem me serviriam por medo e isso não seria correto porque as pessoas devem servir-me por amor. Se viesse pessoalmente e me misturasse com eles, de uma forma visível, seus olhos não suportariam ver-me, nem seus ouvidos escutar-me. Como poderia um ser mortal ver um outro imortal? Ainda assim, voltaria a morrer pela humanidade se fosse possível”.

Então, apareceu a bendita Virgem Maria e seu Filho lhe perguntou: “Que desejas, minha Mãe, minha eleita?” E ela disse: “Tenha misericórdia de sua criação, meu Filho, por teu amor!” Ele replicou: “Serei misericordioso uma vez mais, por ti”. Então, o Senhor falou à sua esposa, dizendo-lhe: “Eu sou teu Deus, o Senhor dos Anjos. Sou Senhor da vida e da morte. Eu mesmo desejo habitar em teu coração. Eu te amo tanto! Os Céus, a Terra e tudo o que há nela não podem me conter, mas ainda assim desejo habitar em teu coração que não é mais que um pedaço de carne. O que hás de temer ou o que te há de faltar se tiveres dentro de ti Deus todo poderoso em quem se encontra toda a bondade? Deve haver três coisas em um coração para que me sirva de morada: uma cama em que possamos descansar; um assento onde possamos nos sentar e uma lâmpada que nos dê luz. Haja, pois, em teu coração uma cama para um sereno repouso onde possas descansar dos baixos pensamentos e desejos do mundo! Lembra-te sempre do gozo eterno! O assento há de ser tua intenção de permanecer comigo, ainda que, às vezes, tenha que sair. Iria contra a natureza se permanecesse continuamente em pé. A pessoa que está sempre de pé é a que sempre deseja estar no mundo e nunca vem sentar-se comigo. A luz da lâmpada há de ser a fé, mediante a qual crês que Eu posso fazer qualquer coisa, que sou todo poderoso sobre todas as coisas”.


Sobre como a esposa viu a dulcíssima Virgem Maria adornada com uma coroa e outros adornos de extraordinária beleza e sobre como São João Batista explicou à esposa o significado da coroa e das demais coisas.

 

Continua...

 


Fonte: Extraído do Livro As Profecias e Revelações de Santa Brígida



LEIA TAMBÉM
Livro: As Profecias e Revelações de Santa Brígida - Parte 10
Livro: As Profecias e Revelações de Santa Brígida - Parte 9
Livro: As Profecias e Revelações de Santa Brígida - Parte 8
Livro: As Profecias e Revelações de Santa Brígida - Parte 7
Livro: As Profecias e Revelações de Santa Brígida - Parte 6
Livro: As Profecias e Revelações de Santa Brígida - Parte 5
Livro: As Profecias e Revelações de Santa Brígida - Parte 4
Livro: As Profecias e Revelações de Santa Brígida - Parte 3
Livro: As Profecias e Revelações de Santa Brígida - Parte 2



 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 7.258.620
Visitas Únicas Hoje: 1.910
Usuários Online: 458